Porto Alegre, domingo, 26 de Outubro de 2014

  • 29/04/2014
  • 12:23
  • Atualização: 12:26

Avaliação do governo Dilma cai a 32,9%, indica CNT/MDA

Levantamento mostra que presidente teve queda de seis pontos percentuais nas intenções de voto

  • Comentários
  • AE

A avaliação positiva do governo Dilma Rousseff sofreu uma queda em abril, segundo constatou a pesquisa da
Confederação Nacional dos Transportes (CNT), realizada em parceria com a MDA e divulgada na manhã desta terça-feira. No atual levantamento, a avaliação é positiva para 32,9% dos entrevistados, número que era de 36,4% em fevereiro. A avaliação negativa, por sua vez, subiu de 24,8% em fevereiro para 30,6% dos entrevistados.

O levantamento também mediu a aprovação pessoal de Dilma, que também oscilou negativamente. Em fevereiro, 55% aprovavam o desempenho pessoal da presidente, número que passou para 47,9% dos entrevistados nesta edição. A desaprovação, por sua vez, subiu de 41% em fevereiro para 46,1% em abril.

De acordo com a pesquisa da CNT/MDA, Dilma teve uma queda de seis pontos percentuais nas intenções de voto para presidente. No cenário que mede a intenção de voto estimulada, a presidente aparece com 37% da preferência do eleitorado, número que era de 43,7% em fevereiro.

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, aparece com 21,6% das intenções de voto em abril, frente a 17% no início deste ano. O ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), soma 11,8% das intenções de voto, avanço de pouco menos de dois pontos percentuais em relação a fevereiro de 2014. Brancos e nulos chegaram em 20% e o porcentual dos que não sabem ou não responderam atingiu a 9,6%.

Nanicos

O levantamento CNT/MDA também testou cenários com os chamados candidatos nanicos. Quando entram na disputa José Maria Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB) e o senador Randolfe Rodrigues (PSOL), Dilma soma 36,5% das intenções de voto, frente a 21,5% do senador Aécio Neves e 11,2% de Campos.

Num outro cenário testado, em que figuram como candidatos Magno Malta (PR) e Pastor Everaldo (PSC), Dilma aparece com 36,4% das intenções de voto, seguida por Aécio (21,2%) e Campos (11,1%). Malta soma 0,6% das intenções de voto e Everaldo, 0,4%.

Segundo a CNT, os resultados mostram uma "arrancada" de Aécio e de Campos, que passam a "capitalizar votos que a presidente Dilma vem perdendo". Para a Confederação, isso aumenta a possibilidade de um segundo turno nas eleições presidenciais deste ano.

Espontânea

Dilma teve uma pequena queda nas intenções espontâneas de voto para a eleição presidencial deste ano. Ela
oscilou de 21,3% em fevereiro para 20,5% em abril, segundo pesquisa da CNT/MDA.

Os principais adversários de Dilma avançaram nesse cenário. O senador Aécio Neves bateu 9,3% das intenções de voto - ante 5,6% em fevereiro. Já o ex-governador Eduardo Campos (PSB), subiu de 1,6% há dois meses para os atuais 3,6%.

Também na pesquisa espontânea, Lula aparece com 6,5% das intenções de voto (tinha 5,6% em fevereiro) e Marina soma 4,5% - seu desempenho era de 3,5% no início do ano.

Rejeição

De acordo com pesquisa CNT/MDA, 43,1% dos entrevistados não votariam na presidente Dilma Rousseff de jeito
nenhum. Houve um salto em relação a fevereiro, quando 37,3% dos consultados descartaram apoiar a reeleição da presidente.

A rejeição de Dilma também é maior do que a de seus principais adversários. Dos entrevistados, 32,4% disseram que não votariam no senador Aécio Neves de jeito nenhum e 29,9% tomaram a mesma decisão em relação a Eduardo Campos.

Entre os ouvidos pelo levantamento, 23,2% disseram que a presidente Dilma era a única em que votariam e 29,4% avaliaram que poderiam votar nela. Os mesmos índices são de 11,9% e 33% para Aécio Neves, respectivamente. Já 6,1% dos entrevistados disseram que apenas votariam em Campos e 29,3% afirmaram que poderiam votar no pessebista.

2º turno


A presidente Dilma Rousseff venceria Aécio Neves e Eduardo Campos, no segundo turno, caso as eleições fossem
hoje. No entanto, a margem de vantagem de Dilma em relação a seus principais adversários diminuiu em comparação com fevereiro deste ano, de acordo com a pesquisa.

Na atual edição do levantamento, a presidente chega a 39,2% das intenções de voto num segundo turno contra Aécio, que bate 29,3%. Em fevereiro, Dilma tinha mais folga sobre o tucano: 46,6% versus 23,4%. O cenário testado foi o que mede a intenção de voto estimulada.

O mesmo se observa quando o cenário medido para o segundo turno é entre Dilma e Eduardo Campos. A presidente tem 41,3% das intenções de voto, contra 24% do pessebista. Em fevereiro, Dilma batia Campos por 48,6% a 18% das intenções de voto.

A pesquisa CNT/MDA também avaliou uma eventual disputa entre Aécio Neves e Eduardo Campos no segundo turno. Nesse quadro, o tucano surge com 31,3% das intenções de voto e Campos, com 20,1%. Em fevereiro, o confronto entre os dois principais nomes da oposição no segundo turno tinha 31,6% das intenções de voto para Aécio e 16,9% para o ex-governador de Pernambuco.

A pesquisa da CNT, realizada em parceria com o instituto MDA, entrevistou 2.002 pessoas, entre os dias 21 e 25 de abril de 2014. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no dia 23 de abril deste ano, como Pesquisa Eleitoral - BR-00086/2014.


Bookmark and Share