Porto Alegre, quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

  • 15/05/2014
  • 14:49
  • Atualização: 16:14

Funcionários protestam em frente Hospital Psiquiátrico São Pedro

Manifestação foi contra o corte de vagas, a transferência de pacientes e a redução da assistência

Funcionários protestam em frente Hospital Psiquiátrico São Pedro | Foto: Paulo Nunes

Funcionários protestam em frente Hospital Psiquiátrico São Pedro | Foto: Paulo Nunes

  • Comentários
  • Cláudio Isaías / Correio do Povo

Os funcionários do Hospital Psiquiátrico São Pedro e integrantes de diversos sindicatos realizaram nesta quinta um protesto na frente da instituição de saúde, na avenida Bento Gonçalves, no bairro Partenon, na zona Leste de Porto Alegre. Cerca de 200 pessoas se manifestaram contra o corte de vagas na formação de psiquiatras, a transferência de pacientes e a redução da assistência à população do São Pedro.

O presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos no Estado do Rio Grande do Sul (Fessergs), Sérgio Arnoud, disse que é fundamental a manutenção do serviço do hospital, que é importante para o atendimento de 80 municípios gaúchos que congregam cerca de 5  milhões de pessoas. “Desativar o hospital é um erro, principalmente no momento em que o Estado enfrenta uma epidemia de crack”, explicou. O diretor do Sindicato Médico do RS (Simers), Bruno Mendonça Costa, disse que vem ocorrendo a transferência de pacientes do hospital São Pedro para outras instituições de saúde. “Os doentes são totalmente incapazes para vida civil”, lamentou.

Uma outra parte dos servidores do São Pedro protestou pelo processo de revitalização do hospital. O grupo defendeu o uso cultural da área e a inserção dos pacientes na sociedade. A diretora do Departamento de Ações da Secretaria Estadual da Saúde (SES), Karol Cabral, afirmou que o Estado segue a diretriz da Lei da Reforma Psiquiátrica e o projeto estratégico “O Cuidado que Eu Preciso”, do Governo do Estado, ampliou o investimento em Saúde Mental, incentivando os municípios a ampliar e qualificar a Rede de Atenção Psicossocial, incluindo alternativas inéditas.

Segundo Karol, a secretaria aumentou o valor do incentivo para os leitos em hospitais gerais, estimulando a criação de novas vagas - de 1.046, no início de 2011, para 1.301, em 2014. Novos serviços também foram criados, como os 116 Núcleos de Apoio à Atenção Básica em Saúde Mental (Naabs), pensados para municípios de pequeno porte, com menos de 16 mil habitantes, que antes não dispunham de recurso nessa área. Outra iniciativa foi a implantação de 288 oficinas terapêuticas nos municípios, com práticas coletivas artísticas e capacitação técnica em artesanato, carpintaria, costura, cerâmica, fotografia, cinema e teatro.

Com cartazes, os funcionários contrários aos cortes de vagas e a transferência de pacientes bloquearam os dois sentidos da avenida Bento Gonçalves.


Bookmark and Share


TAGS » Saúde, Geral