Correio do Povo

Porto Alegre, 30 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
12ºC
Amanhã
17º 26º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

19/05/2014 14:07 - Atualizado em 19/05/2014 14:20

Rússia anuncia retirada de tropas da fronteira com a Ucrânia

EUA e Otan indicaram que não há "prova alguma" de que o Exército russo tenha iniciado a operação

Rússia anuncia retirada de tropas da fronteira com a Ucrânia<br /><b>Crédito: </b> Genya Savilov / AFP / CP
Rússia anuncia retirada de tropas da fronteira com a Ucrânia
Crédito: Genya Savilov / AFP / CP
Rússia anuncia retirada de tropas da fronteira com a Ucrânia
Crédito: Genya Savilov / AFP / CP

A Rússia anunciou nesta segunda-feira o retorno às bases das tropas que faziam manobras perto da fronteira com a Ucrânia, a menos de uma semana da eleição presidencial antecipada na ex-república soviética. Mas os Estados Unidos e a Otan indicaram que não há "prova alguma" de que o Exército russo tenha iniciado a retirada das tropas.

O presidente russo, "Vladimir Putin, deu a ordem ao Ministério da Defesa para que mande as tropas de volta as suas
guarnições, após a conclusão dos exercícios que exigiram seu deslocamento às regiões de Rostov, Belgorod e Briansk", vizinhas à Ucrânia, indicou o Kremlin.

Acusado pelo governo de Kiev de apoiar a rebelião armada no leste da Ucrânia, a Rússia mobilizou tropas — até 40 mil homens, segundo fontes ocidentais — sob o pretexto de manobras militares. Na semana passada, Putin havia indicado que suas tropas tinham recuado, mas os Estados Unidos afirmaram que não havia provas desse deslocamento. "Esta é a terceira declaração de Putin, mas ainda não vimos uma retirada", lamentou o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen. "Queremos ter provas concretas e claras dessas ações antes de emitirmos qualquer julgamento", declarou um integrante do governo do presidente Barack Obama.

Esse anúncio do Kremlin foi feito em um contexto de confrontos esporádicos entre insurgentes armados e soldados ucranianos nas regiões separatistas de Lugansk e Donetsk, no leste da Ucrânia. O Ministério ucraniano da Defesa anunciou a morte de um soldado em um ataque organizado por insurgentes perto de Slaviansk, um dos redutos da insurreição, cercado pelas tropas regulares. O Exército também afirma ter matado um separatista e ferido sete na região de Donetsk. Segundo a ONU, quase 130 pessoas — soldados, separatistas e civis — morreram em atos de violência desde o início da operação "antiterrorista" lançada por Kiev em 13 de abril para retomar o controle das cidades do leste. De acordo com um registro estabelecido pela AFP com base em dados fornecidos pela Comissão Eleitoral, dois milhões de eleitores poderão ficar sem votar ou precisar enfrentar horas de estrada para participar da eleição presidencial de 25 de maio.

A eleição "vai acontecer" "Em algumas localidades (do leste), será difícil organizar a eleição", reconheceu o primeiro-ministro interino, Arseni Yatseniuk, durante uma reunião com os governadores das regiões. "Elas são poucas e isso não terá reflexo no desenrolar da votação. A eleição acontecerá e nós teremos um presidente legítimo", insistiu.
O ministro do Interior, Arsen Avakov, afirmou que "grupos especiais" ficarão encarregados de garantir a segurança da
eleição no leste. O mediador da OSCE para a Ucrânia, o diplomata alemão Wolfgang Ischinger, espera uma eleição "mais ou menos normal" no domingo, exceto em parte das regiões orientais. "Estamos falando de uma ordem que seria inferior a 10%" das cidades, onde as eleições podem sofrer perturbações, disse Ischinger à rádio pública alemã Deutschlandfunk.

Kiev deve retirar suas tropas Paralelamente à retirada dos soldados russos, a "Rússia pede o fim imediato da operação de repressão e da violência, assim como a retirada das tropas e a solução de todos os problemas existentes por meios exclusivamente pacíficos", segundo o comunicado do Kremlin, em uma referência à operação "antiterrorista" iniciada pelo Exército ucraniano em 13 de abril. Além disso, "o presidente Vladimir Putin saúda os primeiros contatos entre Kiev e os defensores da federalização (da Ucrânia), que buscam estabelecer um diálogo direto do qual devem participar todas as partes envolvidas". Após um primeiro encontro na quarta-feira passada em Kiev, sem qualquer avanço, os principais ministros do governo, incluindo dois ex-presidentes ucranianos, deputados e autoridades religiosas, se reuniram no sábado em Kharkiv.

Como da primeira vez, os insurgentes separatistas, chamados de "terroristas" por Kiev, não estavam representados e o primeiro-ministro ucraniano, Arseni Yatseniuk, rejeitou a ideia de federalismo. A próxima "mesa redonda",  inicialmente prevista para a cidade de Tcherkassy, deve acontecer na quarta-feira em Donetsk. As condições de trabalho dos jornalistas na Ucrânia e na península da Crimeia, anexada em março à Rússia, são precárias.

Vários jornalistas denunciam detenções e agressões cometidas pelos serviços de segurança russos na Crimeia, enquanto Moscou acusa as autoridades ucranianas de terem sequestrado dois repórteres russos no leste da Ucrânia.

Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.