Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 20/05/2014
  • 15:43
  • Atualização: 16:54

Tarso Genro conversa com agricultores que participam do 20º Grito da Terra

Grupo deve permanecer na Praça da Matriz até o final do dia

  • Comentários
  • Cristiano Soares / Rádio Guaíba

O governador Tarso Genro recebeu, no Palácio Piratini, representantes de pequenos agricultores que fizeram caminhada, no início da tarde desta terça, entre a sede da superintendência do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e a Praça da Matriz, no Centro da Capital.

Cerca de mil agricultores participaram do ato. A marcha saiu do pátio do Incra, localizado na avenida Loureiro da Silva, percorreu a Borges de Medeiros e a rua Jerônimo Coelho, em direção ao Piratini. A Brigada Militar (BM) e a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), acompanharam a caminhada, organizando o trânsito. O fluxo chegou a ficar meia hora bloqueado na Borges de Medeiros, no sentido bairro-Centro. Por volta de 14h30min, o grupo chegou à Praça da Matriz, onde deve ficar até o fim da tarde.

Mais de 80 ônibus chegaram a Porto Alegre desde as 7h para participar do 20º Grito da Terra Brasil. A pauta exige solução para a demarcação de terras, a distribuição de protetor solar pelo governo e a educação no campo, entre outros itens elencados pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag). A expectativa dos organizadores era de reunir cinco mil pessoas, o que não se confirmou.

Os agricultores familiares se dividiram, após as 10h, para reivindicar em locais distintos da cidade. Um grupo foi para a Caixa Econômica Federal pressionar para que sejam liberados recursos para a habitação rural; outro seguiu para a Secretaria do Desenvolvimento Rural a fim de tratar da questão indígena. Um terceiro grupo se concentrou no Ministério do Trabalho e Emprego, um outro na Secretaria Estadual de Saúde e um quinto grupo na Secretaria Estadual da Educação. Representantes da Fetag também devem acompanhar a discussão, em Brasilia, com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto.

Além de Brasília, os atos ocorrem em outros 26 estados, segundo o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Alberto Broch. De acordo com ele, a pauta prevê aumento dos recursos de investimento e custeio para agricultores familiares, a implementação de um novo plano de reforma agrária e a melhoria dos atuais assentamentos, por exemplo.

Bookmark and Share