Porto Alegre, sábado, 25 de Outubro de 2014

  • 30/05/2014
  • 16:19
  • Atualização: 16:26

Estudantes recorrem de liminar que manda desocupar a Faculdade de Direito da Ufrgs

Alunos irão se reunir com desembargador Carlos Thompson Flores Lenz que irá apresentar a decisão do recurso

Alunos ocuparam prédio dia 06 de maio | Foto: Fabiano do Amaral

Alunos ocuparam prédio dia 06 de maio | Foto: Fabiano do Amaral

  • Comentários
  • Vitória Famer / Rádio Guaíba

Os estudantes de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) entraram com um recurso, nesta sexta-feira, à liminar da Justiça Federal que exige a desocupação do prédio da faculdade em até 48 horas. A intimação foi entregue no fim da tarde de quinta-feira, mas o grupo se mantém no local.

Estudantes ocupam prédio da Faculdade de Direito da Ufrgs
Alunos deixam Reitoria da Ufrgs, mas estudantes do Direito continuam acampados
Justiça determina desocupação do prédio da Faculdade de Direito da Ufrgs

Segundo o diretor de Comunicação do Centro Acadêmico André da Rocha (Caar), Luciano Victorino, os alunos vão tentar se reunir nesta sexta-feira à tarde com o desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz que, após sorteio, foi selecionado para apresentar a decisão do recurso.

Na semana passada, o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da Ufrgs aceitou os recursos que pediam a anulação do concurso para professor na disciplina de Criminologia e Direito Penal da Faculdade de Direito. A pauta era a principal reivindicação dos ocupantes, que alegaram a ocorrência de irregularidades no certame.

A determinação do juiz federal substituto Bruno Brum Ribas, que concedeu limiar exigindo a desocupação do prédio da faculdade, não prevê aplicação de multa em caso de descumprimento.

Os estudantes mantêm a ocupação da faculdade para que três pontos sejam acordados: devolução de duas bolsas de extensão para o Centro Acadêmico, retiradas no início do ano; clareza na agenda pública do Salão Nobre da faculdade e compromisso de não retaliação contra os alunos acampados nas salas da Direção e nem criminalização do movimento.

Bookmark and Share