Correio do Povo

Porto Alegre, 3 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
14º 21º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

02/06/2014 12:22 - Atualizado em 02/06/2014 13:10

Greve de servidores afeta educação e saúde em Porto Alegre

Algumas escolas estão sem aula e atendimento em postos é parcial

Servidores protestaram no Paço Municipal<br /><b>Crédito: </b> André Ávila
Servidores protestaram no Paço Municipal
Crédito: André Ávila
Servidores protestaram no Paço Municipal
Crédito: André Ávila

A greve dos servidores municipais de Porto Alegre, deflagrada nesta segunda-feira, afeta algumas escolas e postos de saúde da Capital. Parte dos estudantes está sem aula e o atendimento nas unidades é parcial devido à mobilização dos municipários. 

Algumas escolas ficaram fechadas. Segundo uma das diretoras do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), Silvana Conti, a adesão na área da educação foi grande, mas até o início da tarde, não havia levantamento de quantas instituições de ensino não tinham aberto as portas.

Os pais dos alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Vereador Martim Aranha, no bairro Santa Teresa, receberam um aviso na sexta-feira de que não haveria aula ontem. Na Escola Municipal de Ensino Fundamental
José Loureiro da Silva, no bairro Cristal, o funcionamento foi parcial. 

Na Escola Municipal de Educação Infantil Mamãe Coruja, no bairro Santana, 97 crianças não são atendidas. Segundo a direção da escola, a expectativa é de que a greve termine na quinta-feira e as aulas sejam retomadas na sexta. Já no Centro de Porto Alegre, na Escola Pica-Pau Amarelo, 78 crianças de 3 a 6 anos são atendidas normalmente. Segundo a Secretaria de Educação, Porto Alegre conta com 96 instituições de ensino municipais que atendem 52 mil alunos.

A saúde, apesar de ter o atendimento de urgência e emergência mantido, teve prejuízo. Trabalhadores do Hospital de Pronto Socorro (HPS) se posicionaram em frente à instituição. “Garantimos o atendimento mínimo. O que não é emergencial estamos encaminhando para outros locais públicos. Tentamos a negociação, mas as possibilidades foram esgotadas”, disse um das diretoras do Simpa, Denise Xavier. Conforme João Ezequiel do Conselho de Representação da Saúde, faltam 300 técnicos de enfermagem no HPS. “A própria direção assumiu isso”, disse.

Um levantamento da Secretaria Municipal da Saúde indicou que a greve dos municipários teria baixa adesão. De acordo com os dados, o HPS e o Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas mantiveram os serviços em todos os setores. Houve alteração em setores de algumas unidades de saúde, mas nenhuma deixou de funcionar.
Parte dos técnicos de enfermagem aderiram ao movimento na UBS Chácara da Fumaça e Morro Santana, mas o atendimento continuou normal. Nos Centro de Saúde Navegantes e IAPI, houve adesão de médicos, administrativos,
auxiliares e técnicos de enfermagem, mas o remanejo das escalas permitiu o funcionamento das unidades.

No Centro de Saúde Modelo, a mobilização atingiu as salas de vacinação e de curativos. No Centro Santa Marta, alguns procedimentos não foram feitos, porque o abastecimento de água parou em função de problema na bomba d´água do prédio. Os servidores fizeram manifestação pela manhã em frente ao Paço Municipal e seguiram mobilizados no local, com cornetas, apitos e faixas.

Piquetes foram montados em sedes do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) e só foi permitida a saída de equipes para o atendimento de serviços prioritários, como abastecimento de hospitais. “Áreas operacionais e setor de leitura do departamento não funcionaram. Isso repercute diretamente na arrecadação do município”, disse um dos diretores do Simpa, Alexandre Dias. Ele também informou que aproximadamente 50% dos servidores do Departamento Municipal de Habitação (Demhab) aderiram à greve.

Fortunati garante reposição de inflação em parcela única a servidores

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, entregou nesta segunda-feira um documento para o Sindicato dos Municipários (Simpa) reafirmando que pagará a reposição da inflação em uma única parcela aos funcionários da Prefeitura de Porto Alegre. A última proposta que tinha sido apresentada para os trabalhadores previa 2,5% de reajuste imediato e o restante em janeiro. O Simpa garante que a matéria será analisada na quinta-feira, às 14h, durante assembleia no Centro de Eventos do Parque Harmonia.

Em entrevista à Rádio Guaíba, na manhã desta segunda, Fortunati reafirmou que irá cortar o ponto dos grevistas. Os trabalhadores se concentram na manhã desta segunda-feira em frente às secretarias.

Bookmark and Share


Fonte: Gabriel Jacobsen / Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.