Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
13ºC
Amanhã
14º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

17/06/2014 23:31 - Atualizado em 17/06/2014 23:32

Polícia investiga sequestro-relâmpago da esposa de Simon

Mulher de senador foi abordada por dupla na noite dessa segunda-feira, na Capital

As investigações da 8ª DP sobre o sequestro-relâmpago da esposa do senador Pedro Simon, ocorrido na noite de segunda-feira, estão concentradas nas vilas existentes no limite entre Porto Alegre e Viamão. Os agentes, sob comando da delegada Vandi Lemos Tatsch, acreditam que os criminosos sejam daquela região. Ela não revelou os detalhes para não prejudicar o trabalho investigativo.

A abordagem da vítima ocorreu quando chegava do supermercado, em seu Hyundai i30, no prédio em que reside na avenida Protásio Alves, no bairro Petrópolis. Dois homens armados se aproximaram de surpresa, rendendo-a. Ela foi levada junto no veículo roubado pela dupla de assaltantes. Acionados por familiares, os agentes da 8ª DP constataram, através do sinal do GPS do veículo, que os bandidos com a vítima estavam no trecho final da avenida Protásio Alves, no limite de Porto Alegre com Viamão. “Ela ficou refém por cerca de 40 minutos”, estimou a delegada.

Segundo a delegada Vandi Lemos Tatsch, a vítima foi libertada com o veículo, perto de uma lancheria naquela área, depois que os criminosos distribuíram as sacolas com as compras do supermercado em uma vila ainda não identificada. Um dos assaltantes deslocou-se também, em uma moto, até um caixa eletrônico do Banco do Brasil com o objetivo de sacar dinheiro com o cartão bancário dela. Dois celulares também foram roubados da vítima, que ficou em estado de choque.

A titular da 8ª DP acredita na escolha da vítima como aleatória e sem saberem que se tratava da esposa do senador. A delegada Vandi Lemos Tatsch teve a atenção despertada ainda para o fato dos criminosos, que vestiam moletons com capuzes, não terem ficado com o veículo, além de apontarem a arma para a cabeça da vítima, mesmo amarrada. “Ela não viu os rostos dele”, acrescentou.

Bookmark and Share

Fonte: Correio do Povo






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.