Correio do Povo

Porto Alegre, 30 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
9ºC
Amanhã
16º 27º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

27/06/2014 13:22 - Atualizado em 27/06/2014 13:23

PP gaúcho não poderá ceder palanque para Aécio Neves

TSE negou a ação cautelar movida pelo partido no Estado que pedia a anulação da convenção nacional da sigla

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou a ação cautelar movida pelo Partido Progressista (PP) do Rio Grande do Sul que pedia a anulação da convenção nacional da sigla realizada na quarta-feira. Com a negativa da Justiça Eleitoral, o PP gaúcho não poderá ceder palanque para Aécio Neves (PSDB), como desejava, nem utilizar a imagem do mineiro nas propagandas eleitorais. A derrota jurídica foi confirmada pela senadora e pré-candidata ao governo do Estado Ana Amélia Lemos (PP), nessa manhã.

A ação foi movida pelo PP gaúcho por discordar da decisão nacional de apoiar a reeleição de Dilma Rousseff (PT) à presidência da República. Os progressistas gaúchos desejavam a neutralidade, pois já haviam decidido pelo apoio a Aécio – que inclusive veio ao Estado para o lançamento da pré-candidatura de Ana Amélia Lemos no mês passado.

“Nós estamos apoiando a candidatura de Aécio Neves. Nós estávamos querendo a neutralidade porque não adianta você dizer que o partido está liberado regionalmente para apoiar quem quiser se eu não puder botar o meu candidato na minha propaganda eleitoral. Qual a razão de você ser liberal?”, afirmou Ana Amélia, lembrando que o PMDB terá o mesmo prejuízo por conta da divergência com as decisões nacionais.

Apesar da derrota, Ana Amélia valorizou o movimento dos progressistas gaúchos unidos aos de Goiás, Santa Catarina, Minas Gerais e Rio de Janeiro. “Nosso grande objetivo era demarcar território e essa posição ficou muito clara. Nós estamos tentando ver algum outro mecanismo de recurso, mas já estamos satisfeitos como a repercussão desse episódio aconteceu. O prejuízo político é de quem tomou uma decisão arbitrária”, finalizou, em referência aos caciques progressistas do centro do País.

Bookmark and Share


Fonte: Gabriel Jacobsen/Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.