Porto Alegre, 21 de Dezembro de 2014

A falência dos partidos brasileiros

Postado por Juremir em 21 de dezembro de 2014 - Uncategorized

O PT desmoralizou a esquerda. A direita só tem moral (moralismo) quando está na oposição. O PT é reincidente. Depois do mensalão, atolou-se no petrolão com mais volúpia e a mesma desfaçatez. Todo dia, fede mais. Só lhe resta dizer, com razão, que os outros fazem o mesmo. O PSDB tem o cartel dos trens de São Paulo na suas costas. Os tucanos tentam salvar-se pregando moral de cuecas. Querem escapar do bordão “tudo farinha do mesmo saco”. Mas não tem como. O senso comum ganhou a parada. A ética em política no Brasil só pode ser encontrada em camadas mais profundas que a do Pré-Sal. Reforma política não sai porque os larápios estão bem contentes.

O Brasil inteiro afundou no descrédito: o STF julga conforme o que dá na telha de cada ministro (é o tal do entendimento), mas garante auxílio-moradia para os magistrados. O corporativismo é a única medida de coerência dos togados. Os deputados gaúchos silenciosamente concederam-se uma aposentadoria especial indecente e aprovaram um trenzinho da alegria para acomodar 46 CCs, que “podem ser demitido, mas ganharam o direito de continuar vinculados”, segundo o defensor do comboio. o que poderia lhe valer um troféu “enrolation”.

Nas universidades públicas, professores aposentam-se como adjuntos e fazem concurso para titular no mesmo departamento, não como promoção, mas como novo ingresso, abocanhando dois salários para fazer o mesmo trabalho. Na França, isso é visto como imoral e ilegal. Ninguém mais tem vergonha de admitir publicamente que promessa de campanha não é para ser cumprida, mas para ganhar eleição. A vaca foi para o brejo.

Seria preciso zerar tudo. O PT já pode fechar. Nasceu para ser diferente. Tornou-se igual demais ao que devia negar. O antipetismo vibra com essa degringolada não por ser melhor, mas por ver nisso a oportunidade de retornar de vez ao pior. Chegamos ao fundo do poço ao mesmo tempo em que melhoramos um pouquinho na diminuição da desigualdade social. O petismo tornou-se a nova versão do ademarismo e do malufismo, malufismo de esquerda, “rouba, mas faz pelos pobres”.  A velha mídia enfia o pé nas denúncias contra o petismo, no que faz muito bem, e alivia um pouco quando se trata do tucanato, no que faz muito mal. No que diz respeito à parte do diabo do PP e do PMDB nesses escândalos todos, ninguém se importa. É só um elo na cadeia. O PP lidera a lista de políticos recebedores de propinas de Paulo Roberto Costa, com dez aquinhoados, inclusive um gaúcho.

Todos negam.

Falando em cadeia, vai faltar prisão quando a lista final dos políticos envolvidos no “petrolão” for divulgada? Ou se dará um jeitinho? A novidade boa é ver executivos de empreiteiras em cana. As empreiteiras foram beneficiadas por um decreto do ditador Costa e Silva reservando o mercado brasileiros para elas. Em troca, militares ganharam assentos nos conselhos administrativos de todo tipo de empresa privada e viveram felizes para sempre. O Brasil afundou. A Comissão Nacional da Verdade entregou o seu relatório. Os militares não dão o braço a torcer. Orgulham-se das torturas que as Forças Armadas patrocinaram. O STF continua sentado em cima da Lei da Anistia. Os torturadores morrerão tranquilos de morte natural com a certeza do “dever” cumprido. Uau!

Políticos reclamam que a mídia desacredita a política, mas trabalham duro para desmoralizá-la totalmente. O estranho é ver tanta investigação em curso. Será que essa é a notícia boa? Quem sabe?

O PSDB também pode fechar as portas. O jovem e promissor prefeito tucano de Itaguaí acaba de entrar para o rol dos maiores corruptos do país. Administra um pequeno município, mas rouba com a volúpia dos grandes.

 


Tags: , ,


Fim de ano na América

Postado por Juremir em 20 de dezembro de 2014 - Uncategorized

Obama reatou relações com Cuba.

José Sarney aposentou-se dizendo que o Maranhão é a vanguarda do Brasil.

Paulo Roberto Costa entregou 28 políticos acusados de receber propina e na lista estava o presidente do Senado, o eterno Renan Calheiros, aquele para quem uma empresa amiga pagava pensão para a sua amante.

No Rio Grande do Sul, Assembleia Legislativa aprovou-se aposentadoria especial, aumento salarial pelo teto e um trenzinho da alegria, assim chamado por dois deputados. Ao que consta, a linha de corte estabelecida deixou protegidos de alguns maquinistas sem vagão e levou a que houvesse atrito na casa das máquinas.

Frase do ano de um parlamentar sobre os privilégios obtidos por 46 Cargos de Comissão da Aseembleia Legislativa do Rio Grande do Sul: “Eles podem ser demitidos. Só ganharam o direito de continuar vinculados”. Tradução: só sairão se quiserem. Se saírem, a vaga será fechada. Os novos “efetivados” contribuirão para o INSS enquanto esperam uma pendenga envolvendo CCs da Justiça. Se estes, que já contribuíram para o IPE, ganharem a demanda de se aposentar longe das limitações do INSS, o mesmo deverá ser estendido aos CCs da AL-RS, contratados antes de 199, que ganharam do Papai Noel uma estabilidade que não conquistaram por concurso.

Funcionária da Petrobras afirma que todo mundo sabia, da presidente da empresa até o porteiro, das irregularidades que abriram um roubo na pouca moralidade dos políticos brasileiros e nos cofres da petroleira.

Boas Festas!




A cubanização dos Estados Unidos por Obama

Postado por Juremir em 19 de dezembro de 2014 - Uncategorized

Os Estados Unidos capitularam.

Depois de 53 anos de teimosia, reataram relações diplomáticas com Cuba. É o segundo fim da Guerra Fria. O primeiro foi com a queda do muro de Berlim. Obama é o cara. Mas o Papa Francisco também. E Raúl Castro. O Brasil construiu um porto para Cuba. Os americanos vão construir uma nova Cuba para a Ilha. É só uma questão de negócios. Foi deixar um argentino falar que a resistência ao comunismo cubano desabou. A cubanização dos Estados Unidos está em curso.

Ou seria mais um avanço do bolivarianismo?

Se Obama tivesse consultado o Tea Party brasileiro liderado por Lobão, que se manifesta quase toda semana em São Paulo contra o comunismo, não teria dado esse grande passo. Enquanto Obama estende a mão aos cubanos, a direita brasileira preferiria isolar ainda mais a Ilha. Enquanto o ex-tupamaro Pepe Mujica rompia com a política falida da repressão às drogas, liberando a maconha, o Tea Party brasileiro aprovava uma legislação mais repressiva e retrógrada. Estou preocupado com os Estados Unidos. Se deixarem Obama continuar agindo assim, sem limites, vai acabar fazendo História. Ninguém vai pedir o seu impeachment?

Será que isso terá de ser feito na avenida Paulista por meia dúzia de gatos pingados?

Não, pingados, não, que isso é coisa de esquerdista rastaquera. Meia dúzia de gatos “uísquados”.

Alguns republicanos vão infestar o senado dos Estados Unidos com discursos contra Obama. É uma turma que fala grosso e pensa pequeno, mas não rasga dinheiro. Estou com Obama. Isso deve bastar. Quando ele se candidatou pela primeira vez, usei uma camiseta com a sua propaganda. Foi a única vez na vinda que servi de outdoor para político. Não me arrependo. É verdade que Obama prometeu acabar com Guantánamo e não o fez. Não existe político sem promessa não cumprida. O máximo que ele conseguiu nesse quesito foi com ajuda do sempre intrépido Mujica. É isso aí: Obama, Mujica e o Papa Francisco são os homens do ano. Raúl Castro ainda precisa comer um pouco mais de feijão, passar por uma eleição de verdade e soltar todos os seus presos políticos para jogar no mesmo time. Não parece o seu jogo. Com ele, com os Castro, o esquema é retranca.

Enquanto Obama reata relações diplomáticas com Cuba e pavimenta o seu lugar na grande História, o Superior Tribunal Eleitoral (TSE) brasileiro arranjou, mais uma vez, lugar na pequena história livrando a cara de Paulo Maluf, declarado ficha limpa. O ato de Maluf não teria sido doloso (intencional), mas culposo. Maluf deve essa façanha jurídica aos ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, que, aproveitando a viagem de um colega de tribunal, numa manobra rápida viraram o jogo em favor do “idôneo” político paulista. Quando Paulo Maluf é ficha limpa, Papai Noel sai do armário e assume ser uma ficção. Desafio o Papa Francisco a convencer o TSE de que Maluf é ficha suja. Essa missão não é para o Papa. Talvez seja para Deus.

Eu já sabia: Obama é comunista!

Nessas reviravoltas da história, o deputado gaúcho Marco Maia corrigiu seu relatório da CPI da Petrobras e pediu o indiciamento de 52 envolvidos. Só esqueceu de arrolar algum político na sua lista. Deve ser difícil encontrar algum. Os caras do momento não são daqui.

 


Tags: , ,


O ano miserabilis dos poderes brasileiros

Postado por Juremir em 18 de dezembro de 2014 - Uncategorized

O ano de 2014 chega ao fim.

Ainda bem.

Enquanto Cuba e Estados Unidos fazem história reatando relações diplomáticas, o Brasil afunda no lodo.

Lembraremos de 2014 como o ano em que o STF concedeu auxílio-moradia para juízes com casa própria.

Lembraremos de 2014 como o ano em que a Petrobras foi saqueada sem que o governo visse.

Ou viu?

Lembraremos de 2014 como o ano em que a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul concedeu-se aposentadoria especial, permitindo que os parlamentares fujam do INSS, onde nós ficaremos, e aprovou um novo trem da alegria.

Lembraremos de 2014 como o ano em que o Brasil tomou 7 da Alemanha numa Copa do Mundo. Em casa.

Lembraremos de 2014 como o ano em que o TSE considerou Paulo Maluf ficha limpa.

Melhor esquecer.


Tags: , ,


PT e PSDB no Juízo Final

Postado por Juremir em 17 de dezembro de 2014 - Uncategorized

Oposição e situação copiam-se em quase tudo. Há alguns dias, O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), correu em defesa do presidente da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), Mário Bandeira, indiciado pela Polícia Federal na investigação sobre o cartel de empresas que se apossou das licitações de trens em São Paulo, entre 1998 e 2008, sob as barbas tucanas. Alckmin rasgou-se em elogios ao cidadão alvejado pela PF considerando-o “extremamente respeitado”. Afirmou que a administração estadual pretende analisar os documentos da devassa policial “para não fazer injustiça”.

Essa prudência os tucanos não têm quando se trata do petismo.

Depois dessa manifestação orgulhosa do governador paulista, o petismo respondeu na mesma moeda. O líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho, defendeu a presidente da Petrobras, a atolada Graça Foster: “Mulher séria, honesta e competente”. Vicentinho agigantou-se: “A presidenta Graça Foster, quando prestou depoimentos no Congresso, me transmitiu muita sinceridade. Eu acredito muito nela. Não basta uma denúncia na imprensa. Então, é preciso provar em que circunstâncias se deu o fato”. Essa prudência toda os petistas não têm quando se trata da oposição, especialmente diante dos rolos do tucanato.

Quem bota petistas e tucanos no mesmo saco são as empreiteiras amigas. A última fase da operação Lava-Jato, batizada com acerto de Juízo Final, colocou a mão em cima de planilhas de doações eleitorais da Queiroz Galvão. Não se pode criticar a empreiteira por falta de critérios nem por exclusão ideológica. O critério de distribuição de recursos da Queiroz Galvão é simples: “De acordo com a planilha, datada de 2014, para chegar ao valor da doação ao político a empreiteira fazia um cálculo sobre o valor recebido por determinada obra”.

– Pai, como pode uma empresa que só trabalha para governos fazer doações de campanha para candidatos?

Essa teria sido a pergunta de uma criança precoce a um pai desnorteado cuja resposta foi clássica:

– Política é assim mesmo, filho.

A Queiroz Galvão admitiu ter calculado uma “ProfPart” para o PSDB do candidato Geraldo Alckmin como retribuição pelos ganhos no VLT (referência provável ao Veículo Leve sobre Trilhos da Baixada Santista). Tinha até fórmula: sobre o faturamento R$ 117,5 milhões incidia o cálculo de “1,5%” vezes “66%”, resultando numa doação de R$ 1,16 milhão. A generosa Queiroz Galvão doou R$ 3,7 milhões ao PSDB nas eleições de 2014. A campanha de Dilma Rousseff levou R$ 3,5 milhões. O diretório nacional do PT ganhou outros R$ 11,1 milhões. José Serra (PSDB), Paulo Skaf (PMDB) e Henrique Eduardo Alves (PMDB) também foram aquinhoados com uma graninha milionária da empresa.

Na planilha da Queiroz Galvão, José Serra, Paulo Skaf e Henrique Eduardo Alves aparecem com as iniciais JS, PS e EA como nas piores anotações descobertas em agendas aprendidas em gavetas de cuecas. A oposição tenta provar que toda essa bandalheira é culpa do PT, que se defende lembrando que estão todos no mesmo barco, embora a pilotagem nacional seja petista, não esquecendo que o PDSD pilota o navio paulista há 20 anos.

Eles se “equiatolam”.

 

 

 


Tags: , ,


Dilma e Kátia Abreu em Palomas

Postado por Juremir em 16 de dezembro de 2014 - Uncategorized

A presidente Dilma e a senadora Kátia Abreu encontram-se em Palomas.

– Estamos e estaremos cada vez mais próximas – disse a presidente.

– Nossos interesses são os mesmos – respondeu Kátia.

– O latifúndio – esclareceu Dilma.

– Do poder – complementou Kátia.

E riram felizes à espera do próximo escândalo.




Visitantes Online: