Porto Alegre, 20 de Dezembro de 2014

Uma olhada em contracheques de professores

Postado por Juremir em 23 de janeiro de 2012 - Educação

Vamos falar sério?

Vamos debater?

Teremos mais comentários do que num post sobre o BBB12 ou Michel Teló?

Parte da mídia fala muito e esclarece pouco. Há um ódio explícito ao CPERS e quase desprezo pelo magistério.

A carreira dos professores do Estado do Rio Grande do Sul está estruturada em seis classes (A-F) e seis níveis (N1 a N6) em cada um delas. Quem chega ao topo do topo é F6. Todo mundo entra como A1.

Em 2009, tínhamos 74.869 professores na ativa, sendo que 40.189 estavam na classe A, a inicial (básico, pelos valores de hoje, entre R$ 395,54 e 791,08 para 20 horas). Na época, 82% do magistério estava nos níveis 5 e 6, predominando, como já foi dito, a classe A (básico hoje nos níveis dessa maior aglomeração de R$ 731,75 a 791,08).

Fala-se em 20 horas porque se faz concurso para isso. Depois, em geral, com uma segunda matrícula se chega a 40 horas. Avança-se do nível 1 ao 6 de cada classe por formação. O N1 é para quem tem ensino médio. N6 é para quem tem pós-graduação.

Ter pós-graduação significa estudar, aumentar a qualidade, não ficar estagnado.

Avança-se de uma classe para outra por merecimento ou antiguidade se houver vagas, com 10% de aumento de uma classe para outra. Durante anos, não houve progressão. O governador Tarso Genro promoveu recentemente mais de nove mil professores, desbloqueando um gargalo entupido.

Em 2009, havia 15.395 docentes na classe B, 11.382 na classe C, 5.815 na classe D, 1542 na classe E, com míseros 546 nos seis níveis da Classe F. Quantos seriam F6 (básico de 40 horas de R$ 2.373,24)? Uma centena? Uma dezena?

Não há marajás no magistério. A maioria esmagadora continua nos níveis 5 e 6 das classes A e B.

Há muitos “penduricalhos”? As gratificações são: gratificação de difícil acesso, gratificação de direção e vice-direção, de Classe Especial, de unidocência e de risco de vida. Para a maioria, em sala de aula, é difícil acesso e risco de vida.

A unidocência só aplica a A1. O difícil acesso pode aumentar a remuneração de 20 a 100%, mas isso incide sobre uma parcela mínima das escolas e professores, pois para ter 100% é preciso que o estabelecimento se encontre longe de tudo mesmo e o professor possa não voltar vivo.

Um exemplo: em Guaíba e Eldorado existem 18 escolas estaduais. Apenas uma paga 80% por difícil acesso.

O Plano de Carreira do Magistério, que alguns tecnocratas decidiram chamar de atrasado ou anacrônico por estratégia política ou maldade, é o que, mal ou bem, impede que todos os professores ganhem salários de indigentes.

O governo pode dizer: tudo bem, mas não temos dinheiro para pagar. Volta a questão: por que não?

Juízes, deputados, promotores, ascensoristas da Assembleia Legislativa, todo mundo ganha mais do que a maioria dos professores. São mais importantes socialmente? Por que um juiz seria mais importante do que um professor?

A verdade é que, por serem os professores mais numerosos, tem-se pedido a eles que se sacrifiquem, sem contar que há implicitamente um desdém por professores de ensino fundamental e médio, algo como “qualquer um pode ser”, “é fácil”, “exige conhecimentos limitados”, esse imaginário da ignorância arrogante.

Os professores ganham mal, mesmo os que ganham melhor. Pagar o piso sem mexer no Plano de Carreira é uma forma de revalorizar a profissão. Certo mesmo seria mexer no Plano de Carreira para que mais docentes pudessem aceder rapidamente às classes superiores. O CPERS está de parabéns por não se comportar como correia de partido.

Quem conhece, de fato, um contraque de professor do Estado do RS?

Contracheque professor estadual 4

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


118 Responses

  1. Josi disse:

    Sou professora e gostaria de lhe dar os parabéns pela feliz colocação. Quando os alunos da rede publica não precisarem fazer cursinho pré-vestibular para passar em uma universidade federal ai sim podemos reclamar salários. Se paga o quanto vale amigos…e estamos valendo pouco visto o resultado do nosso produto final.
    É logica.

  2. marcia rocha disse:

    Pena que eu nao tenha o poder de mudar os salarios dos professores!! Iriar pagar r$ 50 mil reais por 20 horas!! E assim iria provar que o Ensino não iria mudar em nada com isso! Prova é, e que ninguem quer ver, a existencia de professores em zonas rurais, no meio do sertão, com o minimo de formação, ensinando e colocando alunos em evidência, em concursos e olimpiadas, e pasmen: muitas vezes são voluntarios sem ganhar NADA !! Por outro lado,sabemos que os mais prejudicados são as crianças e os jovens, mas nesses os professores não pensam ao deixa-los sem aula. Sou mãe de alunas de 5ª a 8ª serie, e fico muito indignada ao ter que pegar os cadernos de minhas filhas para corrigir erros de portugues que os professores colocaram como certo!! Eu corrijo erros de professores!! Eu que não sou formada, mas tive ensino com professores de verdade. Me desculpem, mas repudio qualquer profissão qeu coloque o TER antes do SER. Trabalho na area da saude, ganho a metade do que um professor ganha para trabalhar quase 14 horas por dia, e nem por isso trato mal os pacientes, ou os deixo sem atendimento.É questão de Ética, e CARATER.

  3. maria edilene disse:

    Por que o Estado não paga aos professores o mesmo salário do Instituto Federal de Educação?

    No instituto você recebe por 40h e trabalha 12 horas. O salário líquido é R$2500

    TARSO GENRO: PENSE NISSO!!!

  4. Professor não é um analfabeto financeiro! Acontece que e mais fácil qualquer bandido ou “perseguido” por racismo e “outros” conseguir algum tipo de vantagem do que um professor. O que fazer quando bate um carro ou um filho fica doente? Deixa morrer para não pedir empréstimo?? E para dar educação de qualidade? Deixar os filhos amontoados em salas de aulas públicas com constante falta de professores e enorme dificuldade disciplinar? Se ninguém respeita professor, não se pode esperar muito dos alunos!

  5. Laura disse:

    Sacerdócio, vocação,amor a camiseta? Primeiro,PROFESSOR É PROFISSÃO, não é religião, não é ong e muito menos clube de futebol. Segundo,por favor gente, precisamos de renda financeira adequada para pagar as contas básicas de uma família e encaminhar nossos familiares na sociedade e, nada disso é pago com amor, vocação ou sacerdócio.

  6. Adriane disse:

    Agradeço este espaço de comunicação, por que como
    colega de profissão me sinto feliz em desabafar,sou professora de uma cidade do interior do RS,onde atravessamos um dos mais longos períodos de greve.Só como comentário, possuo pós-graduação e para tal intento estudei aproximadamente 20 anos de minha vida,contudo, publicaria aqui um semelhante contra-cheque,em que acredito quanto ao excelentíssimo Prefeito desconhecer,pois este declara a imprensa estar pagando e obedecendo a LEI do piso nacional.Bom,mas o que mais me intriga, é a minha grande incapacidade de entendimento quanto a postura destes governantes?Primeiramente é que para mim Lei é Lei, por exemplo para todos nós que cursamos uma licenciatura ou o magistério a LDB(LEI de Diretrizes e Bases da Educação)é a cartilha a ser seguida de forma inquestionável por todo e qualquer professor. Digo isto não com o propósito de contrariar ou contestar, ou de tentar ignorá-la,não é isto, mas sim no sentido correto do dever e obediência de “todo o bom cidadão” a uma Lei.Em segundo,o que está longe da minha compreensão é ter de continuar afirmando,ou tentando passar credibilidade aos meus alunos, quanto as perspectivas e projeção de futuro no estudo,ou seja, o meu discurso “Estudem para vocês terem um futuro melhor” parece, estar, ficar e permanecer num grande abismo de estagnação e falta de sentido real.E agora lhes digo, não pensem aqui que eu estou me corrompendo por querer ter um salário que me possibilite chegar ao fim do mês com dignidade e satisfeita,não é isso.Ou melhor então, que eu entrei para a carreira do magistério pensando enriquecer,também não é, por que pensando assim eu poderia até ser internada por insanidade.Não foi assim, eu sempre acreditei e acredito que o conhecimento e o saber podem produzir “homens melhores”,é que depende para que?Melhores jogadores de futebol, artistas de BBB,políticos(por que o discursos deles são bons em véspera de eleição, “os caras não são fracos”,prometem verbas para educação e para os professores PISo,calçada e tijoleta…), ..
    .

  7. marlene cavalcante disse:

    Gostei da materia! Aqui no Pará os profissionais da educação, são tratados como escravos esse piso que é uma vergonha, vem só confirmar o eles querem que sejamos

  8. iolanda disse:

    Vergonhoso! Sou professora há 10 anos e 6 deles passei estudando, me aperfeiçoando. Chega no fim do mês é isso que vemos no contracheque: megalhas!!!
    Nossa profissão não é feita só de vocação e amor, precisamos pagar contas, criar nossos filhos…espero que esteja no fim dessa novela.

  9. Olha não sou PROFESSOR nem trabalho no meio, sou uma pessoa comum, normal e apenas quero fazer um desabafo colocar em pauta uma questão que não é minha, mas sim de todos nós…
    Peço desculpas pelos erros de português, fui muito bem educado pela amada e inesquecível professora SANDRA, mas com o tempo vamos esquecendo regras gramaticais e assim por diante, que ela me perdoe e não veja meus erros…rsrsrsrs
    Mas vamos lá ao que REALMENTE INTERESSA!!!

    É VERGONHOSO um PAÍS que diz que a EDUCAÇÃO é tudo…
    Onde dizem que a EDUCAÇÃO é o único remédio para curar as feridas do nosso país…
    Como???
    Se nem mesmo eles (GOVERNO) dão VALOR para os nossos
    EDUCADORES, MESTRES, HERÓIS e muitas vezes ÍDOLOS de seus alunos…
    Senhores POLÍTICOS, DEPUTADOS, SENADORES, enfim vocês CAMBADA DE DESOCUPADOS
    não esqueçam nunca que antes de vocês chegarem ai onde estão hoje, levados pelo POVO E MUITOS em meio a esse POVO QUE ME REFIRO SÃO PROFESSORES, vocês também passaram por uma SALA DE AULA e que muitas vezes os seus EDUCADORES, PROFESSORES passaram noites acordados, deixaram de se divertir, namorar, sair, deixaram seus lares para preparar matéria, conteúdo, histórias, brincadeiras, provas, textos para que vocês se tornassem pessoas de bem e um dia colocassem isso em pratica, e por mero encargo de comciência um dia lembra-se deles, fazendo com que o TRABALHO, ESFORÇO E RENUNCIA deles fossem reconhecido, caso um dia vocês chegassem onde chegaram…
    TOMA VERGONHA NA CARA BRASIL, RIO GRANDE DO SUL…
    ACORDA BRASIL, RIO GRANDE DO SUL, se a EDUCAÇÃO é a melhor SOLUÇÃO o único REMÉDIO vamos lá, vamos fazer valer a pena vamos LUTAR por isso, vamos valorizar nosso PROFESSORES, EDUCADORES, MESTRES…

    Bom era isso, me perdoem os que não gostarem ou não curtirem o que postei, mas é isso que penso é o meu ponto de vista, minha opinião…

    Um grande abraço e um MUITO OBRIGADO aos meus eternos PROFESSORES, EDUCADORES E MESTRES que um dia me deram a oportunidade de aprender escrever meu nome, contar nos dedos, ler os meus livros preferidos, mas que principalmente de deram luz, pois a EDUCAÇÃO é a luz que ilumina o mundo e nos tira da escuridão!!!

    Abraços Djonathan Oliveira…

  10. Marcio disse:

    Se viver sem empréstimos é difícil, viver com eles é muito pior, bando de analfabetos financeiros!

  11. tamis disse:

    Na minha cidade terá concurso para professores municipais na próxima semana há mais ou menos 27 vagas para várias áreas do ens. fundamental e há apenas 9 inscritos, o salário p 20hs é de 860, estou formada há mais de um ano e não qro dar aula, pois trabalho em um cartório e ganho 1450 de salário e mais gratificação de 460, e melhor não levo trabalho para casa.

    Salário de professor é um mínimo com um melhoramento por ser de nível superior!

  12. Diana I. Sirtoli disse:

    Lucas
    Este número também é mascarado. Não detenho os números reais, mas mais de 50% desses inscritos já atuam na rede estadual como contratados emergencias.Estão só regularizando sua situação profissional.

  13. gisela disse:

    E estão querendo aumentar a carga horária semanal. Como é que vão nos pagar, e quando seremos valorizados profissionalmente, como formadores de opinião?

  14. gisela disse:

    Que vergonhoso o nosso salário! Como iremos prosseguir em face a tantas disparidades?

    Eu sou professora.

  15. lurdes disse:

    Oi Juremir!Parabéns pela sua luta em defender nossa categoria.Como professora sei mais que ninguém o quanto é difícil te atualizar, pois com este salário miserável, como pagar para se formar em outros níveis?Meu contracheque é igual a um destes aí publicados.Você acha que é possível pagar r$300,00 de transporte para chegar ao trabalho td dia,r$130,00 de internet para poder concluir uma faculdade sacrificada que custa outros R$300,00 por mês? E alimentação, vestimenta,calçados e materiais de trabalho que o governo não nos fornece? De que jeito? Humanamente impossível.E ainda tem gente estúpida te perguntando se está fazendo poupança para um futuro próximo.Pode??????????É demais…….

  16. Fabiano disse:

    Nem preciso comentar. É simplesmente uma vergonha o salário de um professor. Nenhum partido que passou pelo governo do Rs nos últimos 12 anos tratou essa classe com respeito, e pelo visto não vai ser agora.

  17. Mateus Juliani disse:

    Me deixa revoltado, indignado e outros sinônimos é o fato dos professores perderem o vale alimentação após a aposentadoria. Professor não come depois de aposentado!!! É um absurdo isso!!! Minha mãe é professora!!!

  18. Juremir!
    Sou diretora do 18 núcleo do Cpers Sondiocato. Não fazes ideia do estado de desanimo e desmotivação que está nossa categoria. O governo diz wue p Cpers não é representastivo. Não é verdade. Somos uma categoria tão sofrida, tão pobre, que, se lutar significa o risco de perder salário, como foi a primeira ameaça, quando foi deflagrada nossa última luta, o medo de passar até mesmo fome é grande… Passei em muitas escolas, senti o apoio e o medo… Como podemos ser bons educadores se temos medo e não pagamos nossas contas?

  19. Silvano disse:

    Os salários pagos a esses profissionais são pífios porque a sociedade nunca de fato deu grande valor e importância a educação. E é claro, com a valiosa ajuda de nossa grande e podre mídia, que manipula dados de forma descalabrosa e irresponsável. Educação de qualidade é um perigo para as classes eletistas desse país. Se as pessoas forem bem educadas, passarão a ser mais exigentes em todos so sentidos. Inclusive no sentido de exigir a democaratização da mídia.

  20. O maior problema do PT, ao meu ver, é essa mania de botar o dedo na cara, apontar os defeitos dos outros, chegar lá e fazer igual, quando não pior. Em nível Nacional, temos isso com CPIs, com Reforma Agrária, tudo. Muito foi dito, pouco foi feito. Não sou petista também, não culpo o PT pelo fracasso, mas talvez tenhamos um medo crônico de fazer algo grandioso no Estado e ver o próximo mandante ganhar os louros da vitória, dado que alguns efeitos são percebidos apenas após alguns anos. Espero sinceramente que desta vez o Tarso faça a diferença, faça o que é certo e priorize o povo ante a legenda dele, como poucos o fazem.

  21. Xico Júnior disse:

    Pois é, um vereador de Canoas, que não precisa ter nenhum nível educacional e nem mesmo responsabilidade, pelo contrário só têm IRRESPONSABILIDADES com a coletividade, ganha cerca de R$ 12.095,00 mensais, além do 13°, 14° e 15°, mais 5 assessores que recebem R$ 5.000,00 sem compromisso de horário ou bater ponto e mais o assessor de bancada ou assessor legislativo, cujo salário está em terno de R$ 6.500,00. Além de toda essa gastança, os vereadores têm o compromisso, que nem sempre cumprem, de estar na Câmara Municipal 3 horas na 3ª feira e 3 horas na 5ª feira. Se não comparecer não precisa dar explicações, pois assinará o livro de presença da sessão anterior como se tivesse estado presente.

    Isso serve para se fazer um comparativo com o que ganham os professores, cuja responsabilidade profissional e educacional é muitíssimo maior, além de terem que cumprir a carga horária chova ou faça Sol.

    É hora de mudar essa vergonheira e essa INJUSTIÇA SOCIAL que está cada vez mais explícita, com governos municipais e estaduais alegando falta de recursos para a Educação, à Saúde e a melhoria dos salários dos professores, mas, na contra-mão do que a comunidade é OBRIGADA A PAGAR a título de impostos, promovem e PAGAM COM O DINHEIRO PÚBLICO verdadeiros mega-shows artísticos de péssima qualidade, e pior, com artistas de 4ª, 5ª e até 6ª categoria.

    Como justificam tais abusos e aberrações? Gente, “olho vico porque cavalo não desce escada”.

  22. caioflávio disse:

    Dá-lhe, Juremir! Nada se abaixar para oficialistas e funcionários do Palácio! Piso já!!!!!

  23. Simone disse:

    Os rofessores ganham pouco sim, o salário é horrível mas muitos se inscrevem no concurso pela estabilidade.. Eu por exemplo sou servidora do quadro geral e meu básico está em torno de 650 reais.. Só continuo aqui pela estabilidade, mas sigo estudando pra outros concursos.. É um absurdo a diferença salarial dos servidores! Tem muitos parazitas “companheiros” ganhando mais de 10 mil!! Eu acreditei que o PT olharia pela classe trabalhadora, mas pelo visto me enganei..

  24. Mary disse:

    O estranho em tudo isso que todo mundo reclama do salário dos professores mas já tem mais de vinte mil escritos no concurso e estão dizendo que vai chegar a cinquenta mil escritos será que é tão ruim assim o salário gente fico me perguntando…

  25. marta disse:

    voltei…esqueci a parte principal: é o som, é a cor , é o suor é a dose mais forte e lenta de uma gente que ri quando deve chorar e não vive apenas AGUENTA

  26. marta disse:

    mas é preciso ter manha, é preciso ter graça é preciso ter sonho sempre,quem traz na pele essa marca possui a estranha mania de ter fé na vida…é preciso ter força é preciso ter raça é preciso ter gana sempre quem traz no corpo essa marca Maria mistura a dor e a alegria….

  27. Wagner disse:

    Um problema nacional… aqui no pará, os professores fizeram mais de 2 meses de greve, o ano letivo de 2011 ainda não terminou, tudo para que o estado pagasse o piso dos professores e que o PCCR fosse finalmente implementado… E nada.

  28. EDISON disse:

    QUANDO VEMOS PROFESSORES GANHAREM TÃO POUCO E COMO SE NOSSOS GOVERNANTES DISSESSEM QUE O ENSINO NÃO TEM VALOR ALGUM

  29. maria isabel disse:

    DESTA VEZ… A COCEIRINHA DE “CONCURSEIRA” QUASE ME PEGOU DE NOVO! ME SENTI DESAFIADA PELAS “NOVAS REGRAS”, QUERIA TESTAR MEUS CONHECIMENTOS E “COMPETÊNCIAS” PARA O CARGO. IA ATÉ ORGANIZAR MAIS UMA VEZ UM GRUPO DE ESTUDOS PARA O CONCURSO PARA AJUDAR E SER AJUDADA POR MEUS COLEGAS. MAS REFLETI MELHOR E DESISTI! O QUE ESTÁ ACONTECENDO É UM ABUSO, UM DEBOCHE COM TODA UMA CLASSE TRABALHADORA E O MÍNIMO QUE EU POSSO FAZER É NÃO FAZER PARTE DESSE CIRCO!

  30. maria isabel disse:

    SOU PROFESSORA DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE HÁ QUASE ONZE ANOS, FUI PROFESSORA DO MUNICÍPIO DE CACHOEIRINHA POR SEIS ANOS, JÁ FIZ, PASSEI E FUI NOMEADA POR DUAS VEZES NO CONCURSO DO MAGISTÉRIO ESTADUAL POR DUAS VEZES (NA ÚLTIMA PASSEI EM 48º LUGAR).
    DESISTI AO SER CHAMADA AS DUAS VEZES SIMPLESMENTE PORQUE O SALÁRIO NÃO ATENDIA MINHAS NECESSIDADES BÁSICAS DE SUBSISTÊNCIA, APESAR DE TER MUITA VONTADE DE TRABALHAR NUMA ESCOLA ESTADUAL…

  31. maria isabel disse:

    SERÁ ISSO REFLEXO DA EMERGÊNCIA SOCIAL PROPORCIONADA PELA MÃE DO BRASIL, SUCESSORA DAQUELE CUJA ESTRELA BRILHOU NO CÉU DA PÁTRIA AMADA?!? NOVAS DONDOCAS ENTEDIADAS E FILHINHOS DE PAPAITROCÍNIO??? SÓ PODE! UM PROFESSOR CIDADÃO DE VERDADE NÃO PODE COMPACTUAR COM ESSA BARBARIDADE!!!

  32. maria isabel disse:

    TAXA ABSURDA, REGRAS DE SELEÇÃO E INGRESSO HUMILHANTES, SALÁRIO INICIAL MENOR QUE DE UM AGENTE DE SERVIÇOS GERAIS DA EPTC (ESCOLARIDADE DE ENSINO FUNDAMENTAL COMPLETO NA DATA DA NOMEAÇÃO… QUER DIZER… O CANDIDATO PODE ATÉ FAZER UM SUPLETIVO ATÉ SER CHAMADO, SALÁRIO DE MIL E CENTO E POUCOS REAIS+VANTAGENS…ABERTO ATÉ SEIS DE FEVEREIRO… QUE BOM!)

  33. maria isabel disse:

    O PARADOXO DE TODA ESSA DISCUSSÃO SÃO OS MAIS DE VINTE MIL INSCRITOS PARA O CONCURSO DO MAGISTÉRIO ESTADUAL! E AINDA FALTAM VÁRIOS DIAS PARA O ENCERRAMENTO DAS INSCRIÇÕES…

  34. José Staudt disse:

    O PT, o PT, o PT… Quantos anos o PT foi governo Estadual, meu amigo? Não sou petista, critico esta alteração que tentam fazer do plano de carreira, mas certamente a culpa pelo fracasso da educação não passa pelo PT. Não no Estado.

  35. Tiago Neumann disse:

    Só quem já exerceu, ou exerce, esta função sabe o quão injusto é o salário de um professor considerando as condições de trabalho que temos na grande maioria das escolas estaduais aqui no RS. Sistemas viciados, muito pouco eficientes, mal conservados, profissionais acomodados e em grande parte medíocres, soma-se a isto a grande burocracia e falta de iniciativa dos diretores na busca e recursos através de projetos junto ao estado, a falta de políticas adequadas na área da educação e a corrupção em todos os níveis. Juremir, tudo é uma questão ideológica, e hoje o que conta é o número de alunos aumentando e sendo aprovados nas escolas. A qualidade de ensino absolutamente depende apenas da adequação salarial dos professores, muita coisa tem que mudar na raíz do problema para começarmos a colher os frutos em 15 ou 20 anos. Sou formado em Licenciatura mas deixei de exercer a profissão para me dedicar a outro ramo, por razões óbvias.

  36. carlos disse:

    Todas carreiras que passaram a ganhar por subsídio deixaram de ganhar os chamados avanços. Procuradores da PGE recebem por subsídio. Os delegados irão receber também.

    Sim, falo para os professores irem para o “enfrentamento” com as outras carreiras, principalmente as muuuito bem remuneradas. Pois cada aumento dado a categorias que recebem bem é dinheiro a menos para pagar o piso. No dia da votação do “aumento” dos AFTE – SEFAZ não vi um só professor ou sindicato para protestar e constranger os deputados da base do governo (que foram os que votaram a favor). Se tivessem feito isto os professores teriam mostrarado para o governo que tem dinheiro mas a educação não é priorizada.

    Outro levantamento que os professores podiam fazer é o numero de CC’s que o governo possue…se fizessem um projeto de diminuir os CC’s para aumentar o valor do salário dos professores. Conheço quase todas secretarias do estado e sei que existe INUMEROS cargos em comissão que só são utilizados como cabos eleitorais. Que a sua extinção nao diminuiria a qualidade do serviço prestado pelo estado. Mas essas coisas não são ventiladas pelos Cpergs.

    Eu estudei em escola estadual e sei que o método atual (o mesmo de quando eu estudava) é ruim. Tanto para os alunos como para os professores. Só isto já seria motivo para alguma modificação. Mas claro, ninguem quer que os professores ganhem menos, mto pelo contrário.

    Para finalizar, sou mto solidário com os professores mas acredito que eeles devem procurar um discurso diferente e nao o de sempre ser contra as mudanças. Só isso!

  37. Rodrigo Neto Dinnebier disse:

    Por estes e outros motivos (estresse, desgaste, falta de reconhecimento profissional), um recente levantamento do Ministério da Educação concluiu que mais de 70% dos formados em licenciaturas nos últimos 25 anos estão fora das salas de aula, utilizando seus diplomas para recolocação em outras áreas. Lamentavelmente, não existe vontade política para valorizar os profissionais em Educação. Nem mesmo dos governantes do PT, partido que vem se esquecendo cada vez mais dos trabalhadores.

  38. Ivas disse:

    Boa essa tática que propões aqui: promover uma guerra entre professores e as categorias bem remuneradas, como “os da SEFAZ”!!!Poderia citar quais os planos de carreira de “categorias que ganham bem mais” foram modificadas pra pior, ou seja, perdendo? Para quem não é professor é cômodo defender que o magistério perca a única coisa importante conquistada até hoje para sua carreira. Um dos objetivos do plano de carreira, ao ser instituido, foi a promoção da qualificação dos professores. Assim,houve o retorno às universidades e o resultado foi um magistério muito mais qualificado.Depois, veio o gov. Colares, que quis modificar tudo, dizendo que “o maior problema do magistério estadual gaúcho é que a grande maioria pertence aos níveis 5 e 6″. Ou seja, qualificar sim, mas na hora de auferir das vantagens, não. É isso que querem? Nivelar por baixo? Substituir o plano de carreira pelo piso nacional? Ou seja, os que recebem mais que esse piso, deverão ter seu salário diminuído… Que avanço!

  39. Soturno disse:

    absurdo…

    Educação deveria ser prioridade máxima no Brasil…

    todas as melhorias no país só virão através da educação…

    essa desvalorização do professor e sucateamento do sistema de ensino deve ser p/ perpetuar a mesma corja no poder… mantendo o povo alienado!

  40. Kátia Rosita disse:

    Não há como um professor sobreviver (repare que não digo “viver”) sem os empréstimos. Infelizmente essa é a realidade

  41. Kátia disse:

    Quanto ainda teremos que aguentar os dircursos loquazes de quem não é professor e nunca vai fazer nada pela nossa classe? Ô Juremir, pisaste na bola: deixaste à vista o RG e CPF do professorado…

  42. Itamar disse:

    É uma vergonha o descaso com os professores.
    A desvalorização profissional que vem acontecendo nos últimos anos, contribui para em um futuro não muito distante, faltar professoares em todas disciplinas.
    Na ultima eleição votei no atual governador (Tarso Genro) acreditando que por ter sido ele o “criador” do piso salarial dos professores, seria o 1º a “lutar” pela causa, que a meu ver, seria um triunfo com os professores e o mundo politico. Entretanto é uma vergonha e uma grande decepsão ver que essa proposta aparenta ser apenas de natureza politica, visto que o governo do estado pretende pagar o piso salarial aos professores apenas proximo das eleições.

  43. LUIZ MATIAS disse:

    Prof Juremir,

    Parabéns! Precisamos colocar osfatos às claras.

    Matias

  44. Fabiano Dutra Rannov disse:

    Vamos falar sério?

    Vamos debater?

    Teremos mais comentários do que num post sobre o BBB12 ou Michel Teló?

    é assim que inicia esta matéria!!!!

    Agora eu pergunto: tem como falar sério com um salário deste?

    Por favor senhores administradores públicos que detém do poder de sancionar ou votar leis, de gerir nossa máquina econômica, vocês alegam que nossa economia é a 6º do mundo, mas onde está a classificação do salário dos educadores, da valorização destes profissionais que os educm, instruem e apresentam os princípios e valores que deveriam seguir com honra e responsabilidade? Enfim a vida continua e nós professores do Brasil vamos tocando a vida com honra desde nossa formatura onde juramos desempenar com ética nossa profissão!!!

  45. Jossi disse:

    Eu vi esse programa e foi realmente um absurdo a forma como o secretario falou da colega.
    Parabéns pelo artigo buscando a valorização da nossa profissão.
    Abraços

  46. João da Silva disse:

    Juremir, é por essas e outras que eu decidi deixar de ser professor, assim que tive a possibilidade de seguir outra carreira. Outros ex-colegas estão fazendo como eu, já que viver de amor à profissão não dá. É lindo, mas não enche a barriga de ninguém. Um abraço.

  47. José Borges disse:

    Ah, não mencionei as despesas com Saúde porque um professor, como todos sabem, deve ter uma saúde de ferro para exercer a sua profissão, não pode jamais ficar, pois isso acarretaria além das despesas médicas, comentários sobre a veracidade ou não dos mencionados distúrbios de saúde.
    Professor doente, Jamais!!!!

  48. José Borges disse:

    Sou gaúcho e professor, fiz Licenciatura Plena e Mestrado, após concluir minha formação tive de deixar o Rio Grande por falta de oportunidades de trabalho e vim para Santa Catarinan trabalhar como professor ACT – contrato temporário do Estado. Aqui em Santa Catarina o governo, após greve geral dos professores no ano passado, irá pagar o piso. É claro que irá fazer isso cortando alguns incentivos que havia, como o prêmio educar, mas…irá pagar.
    Tenho planos de voltar para a minha terra, fazer o concurso e trabalhar naquilo que gosto de fazer e sinto prazer, que é estar em sala de aula. Mas, com um salário desses torna-se quase impossível isso acontecer.
    Trabalho no muncipio também, e para dar um exemplo só vinte horas de trabalho já cobrem o valor do piso nacional.
    Penso que o momento certo de reivindicação é agora, ou se paga o piso ou as aulas não iniciam. Obviamente essa seria a melhor opção, mas as terríveis condições de vida nos obrigam a pagar aluguel, comprar comida, pagar água e luz, isso só para falar nas despesas básicas, e com o ponto cortado, velha estratégia dos boníssimos governantes, não há como pagar essas dívidas.
    Penso que os professores não devem de maneira alguma aceitar o discurso oficial que promete o pagamento do piso só para daqui a dois, três ou quatro anos, porque existe uma lei que obriga o pagamento. Vejam, eu disse “lei”, nós só queremos o cumprimento da lei, e foi exatamente por esse motivo que nós, professores que trabalham no Estado de SC, fizemos greve.
    Não importa a fonte de onde venha o dinheiro, não queremos saber disso, só queremos o valor integral do piso nacional. Sem mais conversa, e vamos para a Luta!!!!

  49. carlos disse:

    Se os professorem continuarem com as mesmas táticas terão os mesmos resultados. Planos de carreira mundam…até as carreiras mais bem pagas perderam vantagens temporais e receber subsidios. Pq os professores não começam a ir na Assembléia protestar contra o aumento de salário de cargos já bem remunerados como por ex os da SEFAZ??? Deveriam ir (e não vão) pq cada real recebido por servidores já bem remunerados é uma real a menos para voces professores.

  50. Paulo Matzenbacher disse:

    Depois de ver os contracheques e ler tudo isso, dá vontade de chorar… Se lembrarmos da corrupção desenfreada em todos os cantos desse país, bate um desespero terrível. Junta aí BBB, novelas, etc … Não é fácil.

  51. Viviane disse:

    Sou professora temporária do estado desde setembro de 2010 e em fevereiro de 2011 aumentei minha carga horária de 10 horas para 30 horas semanais, no entanto, como se não bastasse esse mísero salário de professor do estado do RS, recebi pelas 20 horas a mais somente em julho. Levei cinco meses para receber o salário que me deviam, ou seja, eu trabalhava 30 horas e recebia por 10 horas, durante 5 meses. Pelo baixo salário, pela desvalorização do professor do estado, pela falta de respeito dos governantes e da sociedade e pela taxa de inscrição de R$ 121 decidi não me inscrever para o concurso do estado. Acredito que ninguém deveria se inscrever, pois, estamos aceitando o valor que nos atribuem.

  52. Juliano disse:

    Já é hora de acontecer um levante popular inédito em apoio aos professores. É hora de todas as classes se unirem em buscas de condições de trabalho justas e qualificação na estrutura física das escolas públicas de nosso estado. Não podemos mais assistir a tudo inertes. A EDUCAÇÃO é a chave para uma sociedade menos desigual. É preciso que bandeiras políticas sejam deixadas de lado em benefício do Magistério Gaúcho.

  53. Ivas disse:

    Quando Simon foi eleito governador e com ampla maioria na Assembléia, eu, como professor, já na época, vibrei muito. Havia feito campanha pra ele. Foi o pior governador que tivemos até hoje. Seu primeiro ato foi revogar o decreto que concedia aos professores 2,5 salários mínimos de básico. Levou uma greve de 96 dias e não mexeu uma vígula. Hoje sou petista e reconheço os avanços havidos na valorização do magistério nos municípios onde o partido governa. Começou em Porto Alegre e, Viamão, onde atuei, não foi diferente. Votei no Tarso e hoje sinto-me decepcionado que retome o caminho da Yeda e outros com relação ao piso e Plano de Carreira. A bem da verdade, antes de Tarso, quem havia atualizado as promoções no estado fora o Olívio. Qual o governo que vai ter coragem d por a mão de verdade nessa ferida?

  54. Arthur Q. disse:

    Prezado Juremir, belíssimo tema. Certamente o assunto não se esgotará aqui em nosso blog, mas seu texto e nossas contribuições podem dar suporte a quem tiver interesse na boa causa da educação.

    O investimento em educação é o gasto de melhor retorno para um país. Este investimento, alavanca todas as áreas possíveis e imagináveis. Apenas imaginem que para termos um doutor em siderurgia, por exemplo, pressupõe termos um engenheiro graduado, que pressupõe um ensino médio, que pressupõe um ensino fundamental, que pressupõe a alfabetização. Então, o investimento na educação está ligado diretamente à independência, ou não, econômico, cultural, industrial, e serviços de um país.

    E com relação a investimentos em educação, incluindo-se aí as remunerações de professores e os programas de incentivo, basta criticar poucos números para nos conduzirmos a uma dúvida cruel: ou o Brasil pouco faz com o que arrecada, ou falta vontade política para se distribuir melhor a arrecadação, ou falta gestão sobre os recursos arrecadados, ou todas as questões estão certas. Seria a questão mais objetiva do vestibular da quase vergonha que o Brasil passa frente às nossas crianças, professores e sociedade. É possível que aceitemos que o governo tem feito algum esforço para melhorar estas questões, mas ainda é muito pouco diante do desafio.

    Dizem que o Brasil investe R$ 150 bilhões na educação, ou 5% do PIB. O PIB para este tipo de orçamento é subfaturado. Indicam um PIB de R$ 3 trilhões. Mas o PIB real é R$ 4 trilhões. Mas este, provavelmente, vale para o percentual de orçamento do senado. Ironias à parte, o governo pega pra ele, a título de impostos, cerca de R$ 1,6 trilhão. No ensino fundamental temos 53 milhões de alunos e 2,5 milhões de professores. Cada aluno custa cerca R$ 1700 do orçamento, o que totaliza algo em torno de R$ 90 bilhões, incluídos aí programas de governo, infraestrutura e professores. Aqui me fixei no ensino fundamental, mas pode-se estender a leitura para os demais. E ainda tem a parcela do Fundo Social que usa recursos da arrecadação sobre o petróleo (royalties).

    Não tenho dúvidas de que com estes números, sem aumentar um centavo, é possível fazer mais. Neste caso, falamos de gestão. Porém, cá entre nós, um pai que paga os estudos de seus filhos, certamente, na média, gasta mais de 5% de sua renda familiar para tal. Pois sabe que usar apenas 5%, talvez consiga comprar apenas o “kichute” do filho. Vale o mesmo para o país. O Brasil que quer ver suas crianças transformando o país precisa deixar de ser pão duro. Precisa gastar mais com educação. Educação de alunos, educação de professores, educação de quem gerencia a educação. Enfim, o assunto não se esgota aqui, mas ele precisará ser retomado, para o bem de todos.

  55. Ivas disse:

    Se você não é professor, fica fácil dar palpite naquilo que não te atinge.No mais,será que os professores não “esquerdistas rancorosos” estão de acordo com as mudanças no Plano de Carreira propostos PELOS governos Yeda e Tarso, principalmente diante dos argumentos tão bem colocados aqui pelo Juremir?

  56. bruno disse:

    Um absurdo estes contracheques! A Ieda deve estar dando risada com o comportamento que seu substituto anda tendo em relação a educação. O Tarso realmente não manteve a palavra!

  57. Eurico disse:

    Sem remunerar bem o professor, não teremos educação de qualidade; Sem remunerar bem o policial, não teremos segurança de qualidade; Sem remunerar bem o profissional da área de saúde, não teremos saúde de qualidade. EDUCAÇÃO, SAÚDE E SEGURANÇA é nisto que o Estado tem o dever de investir primeiro!

  58. Clovis disse:

    Quero manifestar aqui minha frustação também quanto ao valor da inscrição para o Concurso Magistério, um absurdo. O salário nem se fala. Além disso outro fator me revoltou, a inscrição ser por CRE e não por cidade. Trabalho em dois munícipios, distantes 137 km, seguna, terça e sexta ( Glorinha ) terça de noite, quarta, quinta ( Teutônia ). Gasto R$ 500,00 com combustível e pedágio, gostaria de ficar em um dos munícipios, mas como? qual será o critério para escolha da cidade ? 32, 78 vagas, mas quem garante que vou ganhar na cidade que quero. Quem garante que não terá os padrinhos na CRE, para beneficiar alguns. Por que não fizeram a escolha com os mesmos critérios do contrato emergencial, quero disputar em igualdade na minha cidade, se ficar em primeiro ou último não importa, mas sei que foi minha classificação e não teve ” arranjos” ” ageitamentos” um passando por cima de outros. E só mais um detalhe, olhando os contra-cheques percebi que mesmo pagando 500 em comb. e pedag. ganho mais nas duas prefeituras que vou ganhar no estado. É lamentável.

  59. André disse:

    Juremir, deverias misturar professores e BBB para que pudéssemos comentar com maior facilidade….

    Afinal, os professores vem sendo violentados há tantos anos e ninguém dá a mínima.

    Pequeninho, eu achava o máximo as “sinetadas” em frente ao Palácio… elas não existem mais? Oras… em que local se encontram os quase 100 mil revoltosos professores?

    Talvez o brasileiro seja exemplo clássico do “sempre pode ficar pior”. Quero mesmo é gerar polêmica: nossa democracia se desenvolve por livre e espontânea pressão de grupos, é inadmissível que 100 mil pessoas continuem como reféns.
    Que lutem por melhores condições ou parem de encher o saco e aceitem a remuneração que o Estado paga.
    ALSA

  60. Célia disse:

    Os politicos esquecem que se não fossem os professores eles seriam analfabetos.

  61. Milena disse:

    Juremir, sou sua fã de carteirinha,e mais uma vez parabéns por sua fala. Infelizmente esta é a mais pura realidade.Tenho um amor muito grande por minha profissão mas a cada dia fica mais difícil se manter com este salário. Sou prof há 12 anos no Estado, já deveria ter sido promovida por antiguidade e ainda não fui nem por merecimento! E olha que eu mereço, e muito. Há uns dois anos não fiz mais nenhum curso pois esta situação é muito desestimuladora, do que adianta estudar se não somos valorizados?
    Será que é isso mesmo que os governos querem,que deixemos de ser formadores de opinião? Que tenhamos nas escolas professores e alunos sem opinião? Que não critiquem, que não entendam de economia, política, mensalão, conluios, maracutaias, que apenas assistam esse grande BBB da vida real dentro dos palácios de governos, sem voz e sem opinião? Há quem será que interessa um povo assim?
    Continues com tua opinião critica, estou contigo.Abraço.

  62. Fernanda disse:

    Legal mostrar os contracheques, pois algumas pessoas acham que é mentira! E mais uma coisa que poucas pessoas sabem: quando o estado contrata professores demora 6 meses para efetuar o primeiro pagamento. Além disso, conheço professores que receberam apenas 3 ou 4 meses dos atrasados, o resto….

  63. Sadi da Fontoura Porto disse:

    Pior de tudo é a isenção fiscal, o governo deixa de arrecadar das grandes industrias 10 bilhoes, o pagamento do juro da divida eh de 4 bilhoes, quanto o governo paga de auxilio moradia para juízes e promotores: 7 mil por mês(difícil é encontrar uma casa para alugar por este valor)
    MAS COMO DISSE, PARA O PSDB FALTA VONTADE POLÍTICA. E para o PT de TARSO com a Dilma presidente falta o que?

  64. Luis Felipe disse:

    Outra coisa que atenta contra a carreira do magistério estadual é a tal da “meritocracia”, sobre a qual gente como Lasier Martins já bradou ser a favor na televisão. Mas cabe a pergunta – o que seria mérito para um professor? Aprovação à revelia da aprendizagem? Ou se espera que professores façam milagres, isto é, ensinem efetivamente sem que lhes sejam dadas condições de trabalho e salário digno? A valorização do profissional da educação deve ser ponto de partida para melhoria na área da educação, e não o “mérito”, seja lá o que queiram dizer com isso, deve ser condição para valorização. Esse discurso da meritocracia na educação é muito perigoso porque seduz somente aos imbecis; mas como se nota, há muito mais gente imbecil do que sensata por aí…

  65. Márcio disse:

    Que absurdo.
    E em SC, um cargo ridículo de tecnico judiciario, que é quem grampeia folhas no judiciário, sai ganhando 3000,00 limpo por mês.

    É por isso que as delegacias estão cheias de menores infratores.
    Professor, antigamente, era um ídolo para a garotada. Como ser referência de alguem ganhando mal, como ter brio, auto estima, onde estamos??

    Isso é o fim da picada, qualquer assessor politico lixo ganha 5 pau por mes.

  66. Daniel Mello disse:

    Sou Licenciado e trabalho em outra área, justamente por não ver atrativos financeiros como professor. É vergonhosa a maneira como todos os governos dos últimos 30 anos trataram os professores. O resultado é o que mostras neste post: contracheques que mais parecem piadas. E ainda tem gente alegando que a escola (professores) deve educar os alunos. Educação se dá em casa, ensino se dá na escola. Tristes professores que são cobrados aos extremos e ganham salário de fome…

  67. Jairo Evandro Zillmer disse:

    Esse é meu primeiro comentário. Minha irmã é professora em Santo ângelo e realmente é decepcionante. Devo dizer que o salário dos professores é o retrato do Brasil, por consequência é claro.
    Aqui em Brasília não é muito diferente, mas não é essa desgraça toda não.
    Tudo de bom.
    Evandro

  68. Luís disse:

    E ainda tive de ler comentarista esportivo questionando quem iria pagar a mensalidade escolar dos filhos do D´Alessandro, caso ele não se transfira para China.
    Se com um salário de 350.000 pilas por mês não dá para pagar a escola, imagina com essa merreca aí em cima…

    PS – Sou fã do D´Alessandro e não estou questionando se é merecido ou não o seu salário.

  69. Roseli disse:

    As perdas são históricas, sobretudo, relacionadas a questão financeira. Precisamos construir a identidade docente, porém é necessário valorizar os profissionais da educação. Parabéns por mostrar para o povo, já que muitos veículos de comunicação ” blindam” o assunto. E fica o registro ” não tratar a educação com descaso, queremos o Piso é lei…

  70. marta disse:

    tomara que um assunto tão sério e gravíssimo como esse renda mais de 400post como o Teló e bbbs….e ainda bem que voltaste a tocar nessa ferida aberta. Tomara. Agora, vai…..

  71. ANA disse:

    TAIS DE PARABÉNS,AGORA DEVO APLAUDIR DE PÉ PELO POST!REALMENTE ESTES HEROIS DA EDUCAÇÃO NÃO MERECE,ESMOLA PARA TRABALHAR,E SIM UM SALÁRIO DIGNO E DESCENTE,CADE O “GRANDE” GOVERNO QUE PROMETEU MUNDOS E FUNDOS,E NÃO AJUDOU EM @#$%&*! NENHUMA!

  72. Débora Grün disse:

    Imagina o profissional da educação trabalhando há 26 anos na carreira e receber vencimentos de 700 e poucos reais!! Gente, é um descalabro!

  73. carlos disse:

    Os professores estaduais ganham muuuito mal, é verdade. Mas eles também tem que se ajudar. Tem que acabar com este esquerdismo rançoso. Não pode ser contra toda e qualquer tipo de mudança.

  74. Pedro disse:

    A única constante, além do baixo salário, é o empréstimo com o Banrisul em folha e com juros altíssimos. Um professor com 20 horas, que tenha dez turmas, com 30 alunos, é responsável, diretamente, por 300 alunos ano. Veja a enorme responsabilidade deste profissional! Educação é a base para a saúde, segurança, emprego, PIB, superavit primário, déficit zero, lugar no conselho de segurança da onu, casas sem grades, mulheres e crianças no estádio e tudo o mais que se espera de uma sociedade harmonica e feliz…

  75. Valéria disse:

    Não consigo ligar a figura do professor com autoridade.Vejo o professor como uma pessoa que deve ser valorizada pela sua missão de formar seres humanos conscientes do seu lugar neste universo e que serão o futuro deste planeta.
    As formas de ensinar devem ter evoluido para a educação de jovens.E penso que jovens instigados ,estimulados e também valorizados também aprendem melhor e acabam gostando de aprender.
    Sei que não é fácil ser professor num lugar onde não se valoriza a educação,cultura completamente,onde são mal pagos,etc .Pior são crianças não se desenvolvendo plenamente,etc e onde o caminho mais fácil
    seja o da autoridade,da agressividade e imposição da lei do mais forte.Um assunto importante e sério para se debater e se pensar.

  76. Rejâne disse:

    Concordo plenamente com o renomado jornalista Juremir. Ser professor ultimamente não mais lhe dá o direito a nada, como prova disso até a sua designação por direito constitucional é ultimamente analisada pela coordenadoria, visto que deixam a cargo dos diretores para decidirem se o professor pode ir àquela escola. Que país é este onde a lei não prepondera? Além da remuneração ser vergonhosa, pois se há na família um aposentado (a) que ganha um salário mínimo mais de seu ou sua viúvo (a)ele(a) passam a ganhar quase o mesmo valor de um professor pós-graduado, sendo que a diferença é ínfima.Conheço vários professores contratados que estão achando um absurdo pagar $ 120,00 de inscrição para cada área, o que não condiz com outras profissões em que a pessoa ao se inscrever, paga bem menos e, ainda, ao passar no concurso, ganha muito mais. Lamentavelmente, vivemos em um país em que a lei não é obrigatória e a educação não é valorizada.

  77. Eliane disse:

    Juremir, parabéns pela matéria. A questão salarial, entre outras, faz com que haja uma desistência grande nos cursos de licenciatura.

  78. Eliane disse:

    Sou professora estadual, quando falo para meus alunos os anos de estudo que eu tenho e qual é o meu salário, eles dizem que jamais serão professores…..

  79. Leandro Sieburger disse:

    Age*. Haje foi uma diarreia mental que eu tive, talvez até porque nem a educação privada neste país preste! eheheh

  80. Leonardo disse:

    Estes contra-cheques justificam o atraso e constante decadência em que se encontra nosso Estado.
    Investimos pouco em formação pessoal e profissional e, em contra-partida, recebemos pessoas desqualificadas, desprovidas de ideias, com falta de coragem de empreender e sêm animo para trabalhar.

  81. Leandro Sieburger disse:

    Quanto a isto não há discussão. O governo do Tarso Genro está fora da lei ao não pagar o piso nacional do magistério e não adianta dizer que não tem dinheiro. O salário de fome pago aos professores é um crime contra as novas gerações que precisam de educação. Não é de se admirar que existam tantos comentários e tanta polêmica em posts sobre BBB e Michel Teló e neste post aqui o meu comentário seja apenas o segundo. A maior parte do nosso povo não tem conhecimento e educação suficientes nem para se manifestar contra absurdos como estes. É um círculo vicioso que favorece as elites políticas corruptas. Um povo sem conhecimento e educação é facilmente ludibriado com o pão e circo e não reclama de nada, pois não tem capacidade intelectual. Como alguém pode confiar na educação de seu filho em uma escola estadual se os professores recebem salários abaixo de mil reais? Que ânimo terá um professor para ensinar uma turma em escolas precárias e sabendo que seu teto, quase impossível de ser atingido, será de apenas R$ 2.373,24??? E como chegar a este nível (F6) se para isto é preciso fazer uma faculdade e uma pós graduação e todos sabemos que o estudo especializado custa caro e é privilégio de poucos neste país?! Estes professores estaduais podem tentar buscar um curso superior na UFRGS, se matar estudando para passar no vestibular para depois de, no mínimo, 4 anos ascender na carreira. Depois buscar um pós para, depois de mais ou menos uma década, chegar aos R$ 2.373,24 ao mês. Alguém ainda consegue desvalorizar a profissão de professor estadual? Qualquer um pode fazer??? Qualquer um pode ensinar um grupo de crianças apertadas muitas vezes até em contêineres que esquentam no calor e esfriam no frio?!?!?! Eu certamente não conseguiria. Pelo menos não com este salário ridículo. Se o Cpers haje da melhor maneira eu não sei, mas que os professores são HERÓIS desvalorizados absurdamente pela nossa débil sociedade brasileira, isto são! O grande problema é que a educação de base dá resultados apenas a longo prazo e isto não dá votos! Fora que os resultados a longo prazo que a educação daria, se fosse investido dinheiro nela, ameaçariam muita gente poderosa! Que interesse há para os poderosos corruptos em iluminar a mente das novas gerações? Pra eles serem derrubados depois de duas décadas pelos “monstros” que criaram?
    Aí se criam cotas sociais para os vestibulares de universidades públicas. Muito bem, mesmo fazendo parte da elite financeira brasileira, acho que as cotas são uma boa medida PALIATIVA para corrigirmos injustiças históricas cometidas pela sociedade em geral contra minorias como, por exemplo, negros e índios. Porém, as cotas deveriam existir somente enquanto se reconstrói a educação pública de base para que esta MAIORIA que não possui privilégios financeiros possa, pelo menos, fazer frente nos concursos vestibulares aos “riquinhos” das escolas particulares (grupo no qual eu me enquadro sem nenhum constrangimento). Aumentar o salário dos professores seria o primeiro passo para isso, mas o Estado “não tem dinheiro”. Por que o governo não cobra uma taxa mensal para se estudar na Universidade Pública conforme o poderio financeiro do aluno? Poderia ser uma taxa provisória equivalente a um terço do que se paga em uma boa faculdade particular. Esta nova verba deveria então ser investida totalmente na educação pública de base (Ensino Fundamental e Médio) e ser cobrada até que conseguíssemos atingir uma boa qualidade de ensino nas escolas públicas. Assim, a universidade pública seria gratuita somente para quem comprovadamente não tivesse dinheiro para pagar. Será que é uma ideia muito idiota? Acho que sim, pois, por um lado, as elites poderosas e nenhum pouco preocupadas com sua responsabilidade social urrariam pelo direito de seu filho rico estudar de graça e, por outro lado, o dinheiro arrecadado por esta taxa que deveria ir todo para a educação de base seria desviado para tudo quanto é lado, assim como ocorria com a CPMF, inclusive indo para o bolso de nossos nada confiáveis governantes. Fora que muitos endinheirados fariam a falcatrua de forjar documentos para comprovar sua falsa carência financeira.
    Depois de tudo isso, lembrei de outros heróis subvalorizados: os policiais militares. O Rio Grande do Sul é o Estado brasileiro que paga o menor salário a estes servidores. Ou seja, não temos boa educação e nem mesmo segurança confiável para transitarmos na rua. Mas, como diria O Bairrista, ainda somos o melhor Estado do Brazil. Opa! Desculpem, não somos um Estado Brazileiro, somos uma nação independente! Mas somos melhores em que mesmo?!?!?

  82. Taiza Colares Martins disse:

    Excelente texto, na verdade, denúncia. Trabalhei no Estado como contrato emergencial por seis anos. Sem vislumbrar melhoria no salário e sem estabilidade, acabei assumindo dois concursos (20 hs cada) em municípios diferentes. Apenas um dos contracheques que recebo atualmente cobre o meu antigo contracheque de 40 horas no Estado. Ainda pretendo fazer o concurso deste ano – apesar de achar a taxa de mais de 120 reais absurda para um salário tão miserável – pois apesar de todos os contratempos de ser professor estadual, o clima das escolas onde trabalhei era ótimo e sinto muita falta de lecionar para o ensino médio. No fundo, ainda tenho a esperança de que meu voto no governador Tarso não tenha sido em vão e que ele cumpra sua promessa de pagar o piso nacional para tornar digna a nossa profissão. No governo Yeda, passamos quatro anos sem reajuste algum, nem mesmo de acordo com a inflação. Ela só pagou (ao longo de dois longos anos) o que já estava previsto pela lei Britto, que ela oportunamente medou para lei Yeda. Do jeito que as coisas estão, só fazendo greve mesmo. O pior é ter que ouvir alguns jornalistas se referirem aos colegas grevistas como “sacanas” por fazerem greve em pleno fim de ano letivo. Fazer no início não dá em nada. Eu certamente estaria junto, se ainda estivesse no Estado. Dei meu apoio aos colegas que fizeram. É só fechando o “depósito” que a sociedade vê a importância que temos.

  83. Tiago disse:

    O ideal seria que folha de pagamento dos servidores públicos (do executivo, do lesgilativo e do judiciário) fosse unificada. Se falta dinheiro, que o fardo seja dividido entre todos. Mas algo assim jamais seria aprovado pelos poderes lesgilativo e judiciário.

  84. Alexandre disse:

    VERGONHA, VERGONHA, VERGONHA.
    Como é nojento ver o Tarso fazendo discurso bonito de valorização da educação e se negar a pagar o piso ou melhorar a carreira dos professores.
    FALSO!

  85. Sonia disse:

    O texto explicca claramente a situação dos professores.
    Parabéns, Juremir.
    A vergonhosa situação dos professores, mostra o descaso com a educação e a desvalorização do trabalhador, q a cada governo é mais desrespeitado.

  86. marcelo disse:

    certa vez no programa conversas cruzadas, em um debate sobre salário dos professores, o glorioso cesar busatto quase teve um treco ao descobrir que uma debatedora, que era professora municipal, recebia cerca de quatro mil reais líquidos (quarenta horas semanais, dedicação exclusiva, adicional de titulação, trinta anos de carreira). ficou bem perto de chamá-la de marajá e insinou que o salário dela afrontava os professores da rede estadual. não é mole não…

  87. Pedro disse:

    Deu uma vontade de não fazer o concurso para o magistério.

  88. Vergonhoso ser professora neste estado!

  89. Lucas disse:

    E a Secretaria estadual da educação ainda fica divulgando que já tem mais de 20 mil inscritos como se isso fosse algo bom. Na verdade, há muitos professores formados sem emprego e precisam se submeter a ganhar esse salário miserável. Investir em educação não dá votos, essa questão é chave porque até agora o senhor governador não pagou o tal piso que ele mesmo criou. O governador se esqueceu que na constituição estadual obrigado o Estado a investir no mínimo 35% em educação dos impostos.

  90. Henrique Marks disse:

    Agora, de uma vez por todas, terminou a farsa dos veículos de comunicação concorrentes, principalmente a rede Baita Sol.

    Tem que repassar esta vergonha por email, inundar redes sociais.

    Contra estes FATOS não há mais argumentos. É calar, e planejar como aumentar AGORA o salário dos professores, e se não houver dinheiro, são os poderes JUDICIÁRIO e LEGISLATIVO que devem pagar a conta.

    Alias, como primeira medida, DEMITIR esta SEMANA pelo menos 20 % dos CCS, e terminar com a farra do nosso dinheiro.

  91. Bruna disse:

    Ah! e com certeza não teremos mais comentários e debate que UFC, BBB e Michel Teló. Porque pra quem gosta dessas “coisas” não dá importância pra isto aqui.

  92. Vanderlei disse:

    Mestre! Porque valorizar melhor esses(nós) professores? São uns chatos. Ficam falando para estudar, ler, respeitar os outros, para sermos honestos, participar da sociedade, criticam os ídolos musicais…vivem falando “coisas” até do BBB, das novelas e desses programas legais. Professor não é exemplo. São pobres, estressados, fora da moda e não sabem curtir a vida. Ai se eu te pego dizendo que merecem ganhar ainda mais…

  93. Débora Grün disse:

    Professor é uma classe desgraçada mesmo.

  94. Ulisses disse:

    Realmente, um absurdo.
    Um dos motivos de não querer ser professor, apesar de achar fantástica a profissão, é o fator remuneração. Estudar, estudar, estudar e dominar uma área para receber tão pouco? E com estas condições de trabalho?
    Acredito que passar o conhecimento adiante é um dos serviços sociais mais fantásticos que alguém pode exercer durante sua existência, mas cada vez mais os adeptos da chinelagem e os memes adquirem mais valor e recompensa financeira do que os professores.
    O pior é que se trata de uma condição que vem desde os tempos em que eu era criança e estudava numa escola estadual. Não é um governo que vai resolver. O problema foi se agravando durante os anos e o embróglio terá que ser desfeito durante anos. Se houver vontade política pra isto. Infelizmente não parece haver.
    Notei que por muitos anos o CPERS serviu de massa de manobra política (não que suas reivindicações não fossem válidas, pelo contrário, mas os professores foram usados neste papel), mas ultimamente o sindicato tem se posicionado independentemente da corrente ideológica do partido no governo, ação que deve ser louvada, afinal, a categoria tem toda a razão de reclamar.

  95. Mateus disse:

    A 6° economia do mundo não tem dinheiro para remunerar decentemente seus professores. Uau!!!

  96. Leonardo disse:

    Procure saber qual o salário inicial de um professor no estado do Rio de Janeiro…

  97. helen disse:

    É uma vergonha!
    Mas será que o descaso parte apenas do governo?! Estudei em escola pública federal durante todo o ensino médio/técnico e faculdade, toda vez que havia greve a opinião pública se voltava contra os professores. Os meios de comunicação tradicionais mostravam o drama dos alunos e seus pais, diretamente culpando os professores pela situação (mesmo que implicitamente). E os próprios alunos e comunidade em geral se mostrava indignados com os professores, com frases típicas “até acho que eles tem razão, mas greve não dá em nada” ou algo do gênero. O que mais me indignava era aqueles que sempre “olhavam” para o estacionamento, e se baseavam nos carros que viam como prova de que os professores não podiam reclamar dos seus salários. Me parece que assim como os políticos, nós também não temos a consciência da importância dessa classe de trabalhadores.
    Parabenizo o texto e a reflexão proposta.

  98. Diônifer disse:

    Quem é mais importante que ganhe bem? Juiz, Auditor Fiscal ou Professor? Quem influencia mais a nossa vida, o nosso caráter a nossa escolha profissional? Quantos passam pela nossa vida? PRECISAMOS INVERTER ESTES VALORES!!!

  99. mateus disse:

    Concordo plenamente com a Simoni,esse é o Brasil….

  100. Sendero disse:

    Tenho professores na família… acho que se existisse união da classe e 100% de mobilização agora no início do ano, não iniciando o ano letivo e definitivamente não retornando ao trabalho até uma solução da situação, a classe tem chance, senão, será sempre a mesma alaúsa. Não tem cabimento juízes, deputados, e outras classes abastadas sempre com vantagens… tenta-se assim, no começo…

  101. Bruna disse:

    Eu queria ser professora. Mas quando vejo o desrespeito dos alunos mal-criados e o desrespeito do governo para com os professores, eu desisto.

    Na verdade da pra se saber porque esse descaso com os professores.

    O governo quer que a maxima população sejam completos idiotas e ignorantes. Por isso pagam mal os professores, pagando mal não se terá qualidade de ensino, resultando em novas gerações burras e fracas que não são capazes de ver e lutar contra essa corrupção descarada.

    Meus avós e pais são de uma geração mais inteligente porque no tempo deles, eles tinham aula de filosofia, OSPB e musica, entre outras que não me recordo.

    E outra, no tempo dos meus pais e avós, os professores era respeitados pelos alunos como uma autoridade. O que infelizmente se perdeu hoje. Se um professor repreende um aluno, os pais aparecem quase agredindo o professor. O aluno? melhor nem comentar o que pode se tornar no futuro uma pessoa que recebe esse tipo de tratamento…

  102. Diego disse:

    Olá Juremir! Aqui em casa tem um contra-cheque “mais vergonhoso”. Minha mãe entrou em 1993 e está na classe A nível 5! Em duas nomeações (Area 2 e 3).

  103. Ari Endres disse:

    Eu nunca incentivaria alguém para ser professor de escola pública. A remuneração é vergonhosa e humilhante diante de tamanha responsabilidade!!!

  104. Sadi da Fontoura Porto disse:

    Obrigado Juremir por ser a voz daqueles que não conseguem ter voz

  105. Pimentinha disse:

    Desculpas pelo lapso, esqueci de citar a Brigada Militar, eles também devem entrar nessa lista.
    Grata

  106. Karol disse:

    “Juízes, deputados, promotores, ascensoristas da Assembleia Legislativa, todo mundo ganha mais do que a maioria dos professores. São mais importantes socialmente? Por que um juiz seria mais importante do que um professor?” [2]

    quero ver se vão “bombar” os comentários desse post!

  107. Pimentinha disse:

    Como construir uma sociedade em bases sólidas? Professores, médicos e padres, são um verdadeiro sacerdócio, tem que ter “vocação” e muito amor a camiseta…

  108. Peter disse:

    Olá, Juremir. Sou licenciado em História e trabalho em SC. Aqui a situação está muito parecida. Por exemplo: não fiz pós-graduação ainda porque não vale a pena em termos de salário. Vale somente pelo crescimento pessoal mesmo. Tu és historiador como eu e sabes que desde a era Vargas com a nacionalização do ensino a educação é alvo de discursos com práticas populistas e/ou duvidosas. No mais, só fica no discurso mesmo. Abraço!

  109. Flavio disse:

    O pior, Juremir, é que as ultimas Promoções publicadas se referem ao ano de 2002. Apesar de atender uma demanda estancada ainda assim o Estado deve aos professores 10 anos de promoções, pois o Plano de Carreira determina que as promoções sejam atualizadas todos os anos.

  110. Paulo disse:

    O post merece todos os elogios possíveis. Abora e demonstra com clareza o descaso dos governantes com os professores e retrata um dos motivos para uma população que reflete e questiona muito pouco as atitudes de seus governantes. Qual professor, olhando para o seu contracheque, não tem vontade de largar a profissão? Conheço auxiliares administrativos que, trabalhando 40 horas, ganham praticamente o mesmo que um professor (e por favor, não estou desmerecendo nenhuma profissão). Sempre tive uma sugestão para que sobre dinheiro para conceder aumento/progressões ou pagamento do piso nos caixas de prefeituras, estados e união: PROIBIR O GASTO COM PROPAGANDAS INSTITUCIONAIS OU LIMITAR SEUS GASTOS. É um absurdo o estado gastar milhões com propagandas (em mídia escrita, sites, rádios, etc) e alegar falta de recursos ao pagamento de uma classe que deveria ser uma das mais valorizadas da carreira pública. Por fim, todos concordam que os gastos do Estado com Congresso Nacional e Câmaras Legislativas foge do razoável, o que pode ser facilmente constatado pelos salários oferecidos no último concurso do Senado. Lamentável.
    PS: Parabéns aos professores pela dedicação ao trabalho.

  111. alemao disse:

    Olha,

    Eu estou realmente chocado com esse salário! Eu sou licenciado, mas graças a Deus trabalho com pesquisa e espero nunca precisar trabalhar como professor estadual. Não vejo como uma pessoa se sustentar com um salário desses, imaginem constituir família?

    O que nossos ilustres deputados estaduais devem achar disso? Dependendo da “viagem de trabalho” ou “curso” daqueles tantos que eles fazem eles ganham o equivalente ao salário de um professor em diárias..!!

    Pobres professores! A única saída é contornar as dificuldades com empréstimos.

    Ainda temos muito a melhorar.

  112. pablo disse:

    ISTO É UM ABSURDO …. todos os governos que passaram até agora nao valorizaram os professores …. em qualquer emprego mediano no comércio se ganha mais que um professor que transmitem conhecimento aos nossos filhos …

    parabéns juremir por colocar o dedo na ferida das promoções

  113. Leslie Cabral disse:

    Parabéns pela objetividade com que expôs a questão. Estamos cansados de ver o “universo” dizendo que investimentos em educação são prioridade para o país e, ao mesmo tempo, considerar os professores uma casta inferior.

  114. luis disse:

    A valorização desta classe expressa o comprometimento que os governantes tem com a educação e a saúde mental do seu povo.

  115. Fábio disse:

    Grande Juremir!

    Agora sim, concordo 100% contigo. Fico feliz por você continuar na luta pela valorização do profissional de educação, tão relegado e esquecido no nosso estado.

  116. Constantin disse:

    Lamentável o salário dos professores.
    E o PT, será que mais uma vez não vai fazer nada ?
    Provavelmente não, pois estão mais preocupados em mudar nomes de ruas e avenidas.

  117. Simoni disse:

    Vergonhoso! Mostra o descaso dos governos anteriores e do atual com a Educação e com os trabalhadores!
    O único contente é o Banrisul, com os empréstimos descontados em folha.