Porto Alegre, 29 de Julho de 2015

Sobre pedaladas ao redor do mundo

Postado por Mais Preza em 27 de julho de 2015 - Curso, Destaque

Três anos, quatro meses e 31 mil quilômetros percorridos de bike: esse é o resumo do que o André e a Karla Cherri contarão em uma palestra bem bacana aqui em Porto Alegre. Os números são de uma viagem do casal, que, inspirado num livro, simplesmente largou a vida tumultuada em São Paulo e foi dar uma volta ao mundo de bicicleta. Isso mesmo, eles e suas magrelas! :D

Agora, depois de retornarem ao Brasil, os dois compartilham um pouco dessa experiência maneiríssima e diferente, revelando detalhes do que viram e viveram pelos 40 países pelos quais passaram, incluindo aí Holanda, Marrocos, Grécia, Irã e Tailândia. Toda a viagem, independentemente dos perrengues, foi baseada em um único ideal: aproveitar cada momento e agarrar todas possibilidades que aparecessem pra poder ter muitas, mas muitas histórias pra contar pros filhos no futuro. <3

Com isso em mente, o André e a Karla tiveram, junto das bicis, câmeras fotográficas como companheiras inseparáveis e registraram um pouco das pessoas que conheceram e algumas paisagens lindonas, como essa aqui ó:

Quer saber mais sobre a viagem deles? Então se liga  que o bate-papo “Bike e Spices: uma volta pelo mundo, muitas voltas no pedal” rola no dia 29 de julho, das 19h às 21h, na Fluxo Escola de Fotografia Expandida (Gen. João Telles, 291), na Capital. A entrada é 1 kg de alimento não perecível – e os organizadores avisam que tem um mercado quase em frente à escola, pra quem não tiver tempo de comprar antes! Vamoooss! ;)




Bar inspirado em Tarantino inaugura na Cidade Baixa

Postado por Mais Preza em 23 de julho de 2015 - Cinema, Destaque, Gastronomia, Música

Se você mora em Porto Alegre, ama os filmes do Quentin Tarantino e curte tomar aquele chope esperto, leia esse post até o final e já começa a se programar!

Isso porque na próxima terça-feira, 28, vai rolar a inauguração de um espaço com decoração totalmente inspirada no universo ~tarantinesco~. Batizado de Quentin’s, o bar vai funcionar no bairro mais boêmio da Capital, a Cidade Baixa.

Por lá, nada menos do que 26 torneiras das melhores marcas de chopes nacionais e internacionais prometem fazer a alegria da galera. Dentre as opções, não faltarão aquelas cervejas produzidas aqui na nossa Portinho Alegre e no Rio Grande do Sul, incluindo os destaques Baldhead, Perro Libre, Seasons, Al Capone, Irmãos Ferraro, dentre outros.

Já das gringas, as marcas Delirium, Tremens, Brewdog, Fuller’s e Brooklyn estão confirmadas. Tudo, é claro, embalado ao som das famosas trilhas dos filmes do mestre Tarantino!

Bora? O Quentin’s fica na Lima e Silva, 918. Depois da inauguração, o bar vai funcionar das 18h às 1h, nas terças, quartas, quintas e domingos. Já nas sextas, sábados e vésperas de feriado, ele estica até às 2h. ;)




Correr e comer, partiu?

Postado por Mais Preza em 17 de julho de 2015 - Destaque, Esportes

Heyyyy você que capricha nos abdominais pensando já naquele hambúrguer de logo mais! E você aí que aumenta o tempo na esteira pra compensar a pizza da noite anterior. Chega mais porque estamos aqui pra falar de uma ideia feita especialmente pra vocês – e pra todos aqueles que acreditam que a vida é muuuuito melhor quando suamos a camisa na academia e nos permitimos aproveitar as coisas boas do mundo gastronômico.

A dica é a primeira edição da Corrida Roubadinhas, que tem uma proposta bem simples: correr com aquela paisagem da serra gaúcha e depois se jogar num verdadeiro banquete com comidinhas típicas da região. Quem comanda a função é a Laura Bier, cabeça do Roubadinhas, ideia que espalha pela internet muitas e muitas dicas de alimentação e de exercícios pra quem acha que vale dar uma ~~escapadinha básica na dieta e na rotina saudável pra ser mais feliz.

Disseminadora fiel dessa #tendência, ela criou o evento pra chamar a atenção da galera pra esse “lifestyle sem neura”, e provar que é possível, sim, seguir a lei da compensação: comer e gastar calorias ou gastar pra poder comer (uma espécie de mantra que a guria tá sempre compartilhando nas redes e que todo mundo pode pegar pra si). Nesse caso específico, tem que correr antes, pra depois se jogar na comida, ok?

Então se liga: a corrida rola no dia 1º de agosto, um sábado, lá em Canela, com largada da Praça João Corrêa, às 17h. Os participantes ganham camisetas e serão separados de acordo com o nível de preparo: são 3, 5 ou 10 km pra correr.

Depois de atravessar a linha de chegada, dá pra se jogar no pagodjé com a Banda Zueira e, de quebra, se deliciar com quitutes da serra gaúcha. Ah, detalhe: os vencedores de cada categoria ainda vão levar um kit dessas delicinhas pra casa.

Toooodos os detalhes e as inscrições podem ser feitas pelo site. ;)




Sábado com live painting + vinil, etc.

Postado por Mais Preza em 17 de julho de 2015 - Arte, Destaque, Gastronomia, Música

A galera de PoA que curte arte e boa música já pode separar o sábado pra passar ali na Groovaholic, porque a loja de discos + café + bar tá com uma programação beeem bacana. :)

Saca só: à tarde, você vai poder conferir o encontro da tatuadora Ivy Saruzi com o também tatuador Trampo, que prometem deixar os seus traços na parede da Groova por meio de um live painting. Pra completar, a famosa churrasqueira de azulejos portugueses vai abrir os trabalhos com um choripán esperto preparado pelo “chef bagual” William Baldon. Isso sem falar nas opções de cevas e vinhos prá lá de especiais que rolam por ali.

Fotos: Raphael Seabra

À noite a função continua e rola o Groova Sessions, com muito blues, rock e rockabilly do pessoal da Vitrola Hey e Os Toca Discos. Os som dos caras é pura influência de Elvis, Johnny Cash, Chuck Berry e por aí vai. E nesse clima de arte e música, a galera ainda pode aproveitar pra comprar aquele vinilzinho esperto.

Partiu? A Groovaholic fica ali na Miguel Tostes, 263, e a função começa às 14h. A entrada é free até as 18h, depois desse horário fica por 7 mangos. ;)




Dia do rock grand finale: filmes obrigatórios

Postado por Mais Preza em 13 de julho de 2015 - Cinema, Destaque, Música

Por Rafa Martins

Pra fechar a nossa maratona de posts especiais do Dia do Rock, hoje, 13 de julho, no seu diazinho oficial, a gente fala de alguns filmes que reproduzem o gênero na sua essência. Como não poderia deixar de ser, todos eles têm uma trilha sonora impecável, então, é só fazer a pipoca, aumentar o som e curtir. Bônus: também deixamos uma dica pra ver no cinema (e que tá rolando até quarta aqui em Porto Alegre). Confere aí:

The Doors, de Oliver Stone
Stone nunca escondeu o seu fanatismo pelo The Doors, e só o fato de ter contado com a consultoria de Robby Krieger e John Densmore (guitarrista e baterista da banda, respectivamente) para a produção dessa cinebiografia, já dá muitos créditos a ela. A história narra os seis últimos anos de vida de Jim Morrison, interpretado brilhantemente por Val Kilmer, e dá uma boa pincelada em momentos estratégicos da jornada do The Doors. Vale muito a pena.

 

 

Alta Fidelidade, de Stephen Frears
Imagine um dono de uma loja de discos, que coleciona discos e relaciona toda a sua vida amorosa às canções desses discos. Discos, discos, discos!!!! Esse cara é o Rob (John Cusack), que tem um gosto musical excepcional, nenhuma sorte no amor, e passa a vida fazendo listas desses ~fracassos, embalados ao som de Bob Dylan, The Kinks, Velvet Underground, Love, etc e etc. O filme, baseado no livro homônimo, conta ainda com as performances de Todd Louiso (Dick) e Jack Black (Barry), amigos e funcionários de Rob e tudo que eles têm em comum é apenas a paixão pelos discos e pelas listas. Diversão garantida!

 

Quase Famosos, de Cameron Crowe
Crowe não é nenhum astro do rock, mas acompanhou (muito) de pertinho tudo que rolou na cena roqueira dos anos 70, a ponto de fazer quase que uma “autocinebiografia”. Saca só: aos 16 anos (!) ele conseguiu um trabalho na Rolling Stone e acompanhou turnês de bandas como Led Zeppelin, The Who e Allman Brothers, fazendo entrevistas e amizades com toda essa galera. No filme, Patrick Fugit dá a vida ao alterego de Crowe, e revive o passado do diretor ao acompanhar a turnê da banda fictícia “Stillwater”, pelos Estados Unidos, como também jornalista da Rolling Stone. O resultado é um excelente retrato dos bastidores do showbiz daquela época, e que merece ser conferido de perto.

Control, de Anton Corbjin
Todo rodado em preto e branco, o filme relata a curta e intensa trajetória de Ian Curtis, líder do Joy Division, que dentre os seus ataques de epilepsia e o fato de não saber lidar com a fama foi um dos expoentes do chamado pós-punk. Sam Riley dá vida ao personagem principal, e impressiona tanto pela semelhança física com o músico, quanto à sua interpretação, que imprime toda a melancolia de Curtis nas duas horas do longa. Corbjin, que é fã assumido do Joy Division, contou com a ajuda de Deborah Curtis (viúva de Ian) para a produção desse, que está longe de ser um filme só para fãs do grupo. Com uma excelente fotografia, Control enche os olhos de qualquer amante da sétima arte.

 

Se liga:

Até quarta, 15, tá rolando ali no Cine Santander Cultural (Sete de Setembro, 1028) o multipremiado “Nick Cave – 20.000 Dias na Terra”, com sessões sempre às 15h e às 19h por 10 mangos. O trabalho é uma mescla de filme e documentário, que usa como pano de fundo o disco Push the Sky Away para dar um tratamento fictício ao processo de criação do líder da banda The Bad Seeds. Saca só o trailer aí:

-> Quer mais dicas especiais do Dia do Rock? Aqui a gente fala de biografias e aqui de documentários. ;)

 




Papo bom sobre moda com o Steal the Look

Postado por Mais Preza em 11 de julho de 2015 - Destaque, Moda

Se você curte moda, sabe muito bem do que se trata o Steal the Look. Se você não tá ligada, mas também gosta de dar uma sacada em peças e combinações bacanas pra reproduzir por aí, dá uma clicada aqui.

Bom, depois dessa breve introdução, vamos ao que interessa: a dupla que criou o blog, Manuela Bordasch e Catharina Dieterich, vai estar aqui em Porto Alegre nesta terça-feira, 14, num bate-papo pra lá de legal na 14ª edição do Modo Moda, no Espaço FWD (Ipiranga, 8.223), às 20h.

As gurias vão introduzir o debate a partir do tema “Tá na Moda Trabalhar com Moda”, onde vão apresentar as expectativas e realidades do mercado, especialmente sobre a importância das redes sociais no cotidiano dos leitores e também na criação de novos postos de trabalho.

Passando por pontos estrat̩gicos como big data e m̩tricas, as meninas do STL Рque contabilizam mais de 120 mil seguidores no Instagram Рelucidam como esses novos meios de consumir informa̤̣o de moda interferem tamb̩m no comportamento de consumo atualmente.

A entrada é totalmente gratuita, mas você precisa marcar presença com antecedência pra garantir lugar, ok? Só mandar e-mail pra modomoda@dezcomunicacao.com.br. ;)




Dia do rock parte 2: documentários imperdíveis

Postado por Mais Preza em 10 de julho de 2015 - Cinema, Destaque, Música

Por Rafa Martins

Seguindo com a nossa ~maratona de posts do Dia do Rock, hoje a gente escolheu quatro documentários essenciais e que você pode até aproveitar o final de semana pra conferir (#ficaadica).

Aproveitamos pra indicar mais dois que ainda não estrearam por aqui, mas que já entram certo pra lista daqueles que DEVEM ser assistidos assim que estiverem disponíveis e/ou acessíveis (seja no cinema ou em streaming). Confere aí:

“Cássia Eller”, de Paulo Henrique Fontenelle
Fugindo daquele formato clichê que seria apenas uma mera caricatura do artista, o documentário póstumo sobre Cássia Eller vai bem mais além disso. A começar pela tese defendida por amigos próximos sobre a verdadeira causa de sua morte (um infarto, ao invés de uma overdose), que é amplamente discutida no filme. Fora isso, o processo que concedeu a guarda do filho de Cássia para sua companheira Eugenia, algo inédito no Brasil até então, também entra na pauta e, claro, o seu legado como artista é apresentado através de entrevistas, fotos e vídeos raros.

 

“Cobain – Montage of Heck”, de Brett Morgen
Produzido pela própria filha de Kurt, o grande trunfo do primeiro documentário autorizado sobre o líder do Nirvana é o material que foi garimpado dos arquivos pessoais do ídolo: nada menos que 200 horas de gravações. São vídeos inéditos, manuscritos e áudios condensados nas quase duas horas de filme, entre um depoimento e outro das pessoas mais próximas de Kurt. Bem editado, o documentário foge do clichê cansativo e até às vezes monótomo dos docs e nos apresenta a genialidade de Kurt Cobain, com impressões de suas dores e conflitos internos.

 

“The Beatles Anthology”, de Kevin Godley, Bob Smeaton e Geoff Wonfor
Em 1994, rolou um boato fortíssimo de que os Beatles remanescentes (Paul, Ringo e George) estariam trabalhando em um disco novo. Isso porque o trio conseguiu com a Yoko algumas canções inéditas gravadas por Lennon antes de sua morte, e entraram em estúdio para gravar os instrumentos. Na verdade, o que estava por vir era uma série feita para TV, que é até hoje o material mais completo sobre o quarteto de Liverpool. Sim, está tudo ali! Desde a infância dos caras até a separação do grupo, em 1969. O destaque se dá pela parte que mostra a gravação do lendário White Album, uma legítima aula de como se fazer um verdadeiro disco de rock.

 

“Back and Forth”, de James Moll
Se você quer saber tudo sobre a trajetória do Foo Fighters, esse documentário, lançado em 2011, é obrigatório. A história parte do final trágico do Nirvana e dali segue até a gravação de Wasting Light, que foi todo concebido na garagem da mansão de Dave Grohl, e é brilhantemente mostrado no filme. No caminho, a banda relata o processo de produção de cada um dos seus sete álbuns, narrados por Grohl, que não esconde em nenhum momento detalhes de sua personalidade exigente e de como escolhia seus músicos. Há também depoimentos de todos os membros (e ex-membros) do grupo. Te joga!

Pra assistir em breve:

“Amy”, de Asif Kapadia
Do mesmo diretor de “Senna” e recém lançado em Cannes, o documentário sobre Amy Winehouse estreou com polêmica e isso, por si só, já aguça a vontade de qualquer um em assisti-lo. Saca só: o pai da estrela, que inicialmente apoiava o projeto, acabou não gostando muito do resultado final e declarou “não reconhecer” a própria filha na montagem feita por Kapadia. Fora esse pequeno ~incidente, o grande trunfo desse documentário deve ser grande quantidade de material inédito ao qual o diretor teve acesso e que serviu como base para desvendar a vida conturbada de Amy. Em breve ele pinta por aqui.

 

“Breadcrumb Trail”, de Lance Bangs
Pra quem curte rock do início dos anos 90, esse documentário, que estreou semana passada no Festival In-Edit, em São Paulo, traz um interesse no mínimo curioso. Isso porque ele trata de um disco brilhante que foi lançado na época mas que poucos ouviram. Trata-se de Spiderland, do Slint, que, veja bem, influenciou bandas como Pavemet, Mogwaii e Explosions in the Sky e foi aclamado por ninguém menos que PJ Harvey. Mas por que (quase) ninguém escutou? É justamente isso que Bangs tenta desvendar no filme, que narra a história de um dos grupos mais interessantes do rock alternativo e de um disco que não vendeu quase nada, mas que foi muito importante dentro do gênero.

 

 

 

-> Quer ler um pouquinho? Aqui falamos das biografias fundamentais pra uma estante rocker.




Iêêê!!! Quermesse no Complex

Postado por Mais Preza em 10 de julho de 2015 - Destaque, Gastronomia, Show

Tudo bem que junho já se foi, mas o clima e os festejos juninos seguem a todo vapor pela nossa Porto Alegre amada.

Neste sábado, por exemplo, rola a segunda edição da Quermesse do Complex, com todas aquelas delícias de São João, tipo pinhão, pipoca na panela, marshmallow no fogo, choripão, etc e etc. Isso sem esquecer das ~brincadeiras como tiro ao alvo, argola no anão e prisão perpétua. Ah, é claro que não vão faltar bebidinhas, incluindo até um fliperama de chopp!

Quem comanda o som é o pessoal aí de cima, da banda Free Souls, que promete entrar no clima com repertório folk. Então prepara aquela roupa caipira (ou vá como quiser), separa 5 mangos pra entrada e chega ali na Protásio, 3839  a partir das 11h, pra pular a fogueira com a galera. (Caso chova, o evento será transferido) ;)




Um sábado da boa vizinhança :)

Postado por Mais Preza em 9 de julho de 2015 - Destaque, Sem Categoria

Os finais de semana em Porto Alegre estão cada vez mais dando espaço pra galera ir pra rua e aproveitar o que a nossa capital tem de melhor, não é mesmo? Neste sábado não vai ser diferente e a junção rola lá nas bandas do Bom Fim, na Castro Alves. Os vizinhos, Lola Bar de Tapas e Bier Markt resolveram se unir para comemorar o aniversário e compartilhar com quem mais quiser , em uma tarde recheada de delícias.

O Bier Markt contará com dez torneiras de chopp convidadas pro evento. Inclusive, uma Indian Red Ale da Way Beer, produzida especialmente para a comemoração de seis anos bar. Além disso, terá diversos estilos da Cervejaria Seasons e Tupiniquim. Também será servido o sanduba “Entrevero do Bier Markt”, e tudo rola tarde a dentro, enquanto durarem os estoques.

O Lolinha :)

Já o Lola terá uma banquinha de “Lolices” com o “Hot Dog de Anivers do Lola” o “Sanduba de Carne de Panela” e os famosos churros em versão mini e recheado. As queridas Papas Bravas com aioli também marcarão presença, e a cervejaria Perro Libre criou um estilo especial para a comemoração dos três anos de Lola, que será servido juntamente com estilos da cervejaria Baldhead.

Além disso, o parceiro da casa. Capone Drinkeria, fará um quentão super especial para esta comemoração + a Sangria tradicional do bar de tapas. Outra atração da tarde será a participação da Tuca Padilha e seu Tuca Truck. Serão servidos dois tipos de burgers, o Lola Burger e o Bier Burger, dois estilos diferentes em homenagem aos bares participantes.

O som do evento terá curadoria da Groovaholic que também vai disponibilizar uma seleção especial de vinis à venda durante a tarde.

Ufa! Acha que acabou por aí?

!!!!!!!

Outras participações como Brick dos Desapegos, Charlie Brownie e apoio do Eu Amo Papelão para a promoção da campanha do agasalho completarão as atrações da festa. O evento ocorrerá durante a tarde por isso a criançada vai ter acesso a uma área especial para curtir muitas brincadeiras. Importante: O evento será sediado na rua, em frente aos bares, por isso, só acontecerá em caso de tempo bom. O trânsito será somente local na quadra entre as ruas Ramiro Barcelos e Miguel Tostes.

Vai perder?  Chega mais de coração aberto, porque vai ser lindo. ♥




Dia do rock parte 1: 5 biografias imperdíveis

Postado por Mais Preza em 9 de julho de 2015 - Destaque, Literatura, Música

Por Rafa Martins

Como o dia internacional do rock tá chegando (13 de julho), a partir desta quinta até segunda-feira vamos munir o seu conhecimento sobre rock’n'roll com três posts cheios de dicas envolvendo o tema. Selecionamos livros, documentários e filmes imperdíveis, daqueles que se você não viu/leu tá na hora de se agilizar.

Pra começar, elegemos cinco biografias – algumas nem tão pop -, mas que não podem faltar na tua estante. Confere aí:

Wilco: Learning How To Die (Greg Kot)
Dá pra dizer que o Wilco foi das primeiras bandas a “quebrar” protocolos de gravadoras e colocar a arte na frente de contratos, no início da década passada. Prova disso foi o reboliço causado na época do lançamento de Yankee Hotel Foxtrot, em 2002, do qual a banda aceitou pagar a multa contratual pra não ter interferências de managers no seu trabalho. Aos poucos o Wilco, liderado por Jeff Tweedy, foi assumindo a frente de todo o seu trabalho, e hoje tem estúdio, grava outros artistas e é dono de um festival em North Adams, nos Estados Unidos. Mas até chegar aí foi um longo caminho, e o livro narra justamente toda essa trajetória de Tweedy, que superou tudo e todos para colocar a música em primeiro lugar.

 

Só Garotos (Patti Smith)
Musa dos primórdios do punk, Patti Smith conta pra gente na sua autobiografia sobre o caldeirão cultural que era Nova York durante o final dos anos 60, época em que ela resolveu se aventurar na Big Apple. Com a liberação sexual e artística em plena ebulição, Patti conheceu o fotógrafo Robert Mapplethrope e eles se tornaram amigos inseparáveis, tanto que ele é um dos personagens mais constante nas páginas do livro. Até lançar o disco Horses, em 1975, a cantora passou por todos os perrengues de morar na rua e passar fome, e nenhum detalhe é esquecido aqui. Dos casos amorosos até a despedida de Robert, que morreu de aids, Só Garotos revela a alma desse ícone feminino da forma mais honesta possível.

 

A divina comédia dos Mutantes (Carlos Calado)
Começando pelo final, a tentativa de suicídio de Arnaldo Baptista, em 1982, e voltando até aos primórdios dos Mutantes, a biografia de uma das maiores bandas de rock que o Brasil já teve é o resultado de dois anos de pesquisas do crítico musical Carlos Calado, que reconstitui a trajetória da banda com base em cerca de 200 entrevistas. Dentre curiosidades, que incluem como era feito o ruivo do cabelo de Rita Lee, Calado revela nas quase 400 páginas do livro toda a genialidade dos Mutantes, que entre brigas e drogas desafiavam a estética e os ouvidos.

 

A história ilustrada: Led Zeppelin (Gareth Thomas)
Eles podem não ter mudado a história do rock, mas com certeza imprimiram uma nova atitude ao movimento. E tudo isso fica bem claro nas páginas dessa biografia, através da combinação de imagens inéditas, sempre com legendas profundas. Assim, o texto de Gareth Thomas narra a meteórica ascensão à fama de uma das maiores bandas do mundo, desde as suas raízes na cena blues britânica até o sucesso e os excessos do estrelato. Não ficam de fora os projetos individuais dos caras e a lendária reunião do grupo em 2007 no show Celebration Day. Imperdível!

 

Scar Tissue (Anthony Kieds/ Larry Sloman)
A autobiografia do líder dos Red Hot Chili Peppers é tão reveladora, que é quase como se você estivesse sentado com ele ouvindo suas histórias intensas. Isso significa que você deve estar preparado para saber tudo sobre a vida de sexo, drogas (e mais drogas) e rock and roll de Kieds e, de quebra, descobrir o significado de muitas de suas canções. A lendária Under The Bridge, por exemplo, surgiu enquanto ele se drogava passeando pelas ruas, se sentindo totalmente sozinho. “Lonely as I am, together we cry”…

 




Visitantes Online: