person Entrar

Capa

Notíciasarrow_rightarrow_drop_down

Esportesarrow_rightarrow_drop_down

Arte & Agendaarrow_rightarrow_drop_down

Blogsarrow_rightarrow_drop_down

Jornal com Tecnologia

Viva Bemarrow_rightarrow_drop_down

Verão

Especial

Carregando ...

Efetividade de medidas anticovid vira quebra-cabeça para cientistas

Estudo aponta que é necessário mais tempo para precisar o impacto positivo de ações contra o coronavírus

Pesquisadores fazem esforço para saber o impacto das medidas anticovid | Foto: Fabiano do Amaral / CP Memória
Carregando ...

Quais medidas são as mais eficazes contra a Covid-19? Após quase dois anos de pandemia, e de uma série de pesquisas e testes, é difícil comparar a efetividade de medidas anticovidd, segundo um vasta pesquisa publicada recentemente. "Ainda faltam resultados de excelente qualidade sobre o SARS CoV-2", o vírus que causa a Covid, "e sobre a eficácia das medidas de saúde pública", resume o estudo publicado na quarta-feira no British Medical Journal (BMJ), uma das revistas de referência no mundo científico.

O estudo é um dos primeiros que avalia de maneira exaustiva toda a paleta de opções contra a Covid-19. Desde o surgimento da pandemia no início de 2020, o mundo virou um laboratório de medidas de todo tipo, de estritamente médicas a sociais e inclusive políticas: fechamento de fronteiras, confinamento em diferentes graus da população, obrigação do uso de máscara, vacinação forçada ou recomendada. Os estudos têm sido parciais sobre cada uma das soluções. O novo relatório publicado pelo BMJ engloba todos e atribui um nível de importância com base no rigor científico.

70 estudos

A partir de 70 estudos, os pesquisadores concluem que "lavar as mãos, usar máscara e aplicar o distanciamento físico" são medidas eficazes para reduzir a propagação do vírus. Porém, o impacto não é decisivo, e quanto às demais opções os pesquisadores nem sequer chegam a ter certeza sobre como foram estudadas ou aplicadas. "Por causa de heterogeneidade dos estudos, não foi possível elaborar uma meta-análise sobre os efeitos das quarentenas e das medidas de isolamento, os confinamentos, o fechamento de fronteiras, de escolas e locais de trabalho", admitem.

Uma meta-análise permite não apenas examinar de maneira profunda os resultados de diferentes estudos, ma também combiná-los, por exemplo para elaborar políticas públicas. Os autores do informe reconhecem que nem mesmo conseguiram avaliar o rigor das pesquisas sobre os efeitos da ventilação de ambientes fechados. E isto apesar da medida ser amplamente recomendada e utilizada para combater um vírus que é transmitido pelo ar.

O artigo do BMJ não descarta a utilidade das medidas. Apenas afirma que em vários casos, os estudos feitos não continham dados suficientes, ou não foram realizados com a amplitude ou o tempo necessários. Em alguns casos, o problema é o campo de estudo, ao contrário dos trabalhos realizados com as vacinas anticovid ou os tratamentos médicos.

As medidas sociais, como os confinamentos ou uso de máscaras, têm sido adotadas de forma simultânea em todos os países e, portanto, é difícil abordá-las de maneira isolada. Em alguns casos, a medida era obrigatória, em outros uma simples recomendação. O que se deduz a partir das experiências é que algumas iniciativas, como lavar as mãos, são na realidade indícios de outras formas eficazes de agir contra o vírus.

Lavar as mãos a princípio não deveria ter um grande impacto sobre um vírus transmitido por via aérea. Mas as pessoas que lavam as mãos têm outros tipos de comportamentos protetores, como "evitar multidões, manter o distanciamento e usar máscara", consideram outros pesquisadores em um comentário publicado de forma separada na mesma revista.

Mas os cientistas não hesitam em sua tentativa de estabelecer uma pauta geral, com base em estudos separados. "Precisamos de pesquisas mais abundantes e de melhor qualidade", explicam os cientistas "A falta de rigor é uma tragédia nesta pandemia", advertem.

AFP