Porto Alegre, segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

  • 06/02/2014
  • 07:35
  • Atualização: 08:19

“Philomena” mostra mulher em busca de filho após 50 anos

Com direção de Stephen Frears, filme está em pré-estreia nos cinemas de Porto Alegre

Judi Dench e Steve Coogan em história inspirada em fato real | Foto: Paris Filmes / Divulgação / CP

Judi Dench e Steve Coogan em história inspirada em fato real | Foto: Paris Filmes / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Luiz Gonzaga Lopes / Correio do Povo

De tempos em tempos, o britânico Stephen Frears nos brinda com um filme calcado em uma história de enlevo. “Philomena” é baseado na realidade de Philomena Lee, que, 50 anos depois, busca seu filho adotado por um casal norte-americano, auxiliada pelo jornalista Martin Sixsmith. No filme que segue em pré-estreia nos cinemas, o ator Steve Coogan interpreta Martin e escreveu o roteiro com Jeff Pope a partir de “A Criança Perdida de Philomena Lee”, de Martin. Apesar de ser um filme agradável, com toques cômicos, Frears cutuca o período obscuro da Igreja Católica na Irlanda. Em 1952, Philomena Lee (Sophie Kennedy Clark) é uma jovem que tem filho em um convento. Lá, ela assina um papel liberando Anthony para adoção. Ele é adotado por casal americano e some. Cinquenta anos depois, Philomena (Judi Dench) começa a busca pelo filho, com a ajuda de Martin Sixsmith, jornalista desempregado e que resolve fazer matérias de interesse humano.

O grande tempero do filme - que recebeu quatro indicações ao Oscar, incluindo Filme e Atriz - está nesta relação que se estabelece entre Philomena, que tem um temperamento dócil e que não está acostumada com o luxo e a comida de graça nos hotéis, e Martin, um jornalista experiente, com um desdém pela religião, e com temperamento forte e muito cinismo. Pode-se dizer que Philomena passa a adoçar Martin, e ele, por sua vez, reconhece a fé e a crença da mãe em rever novamente o filho. Nesta jornada, os dois descobrem alguns furos na história que as freiras contaram. A busca de Philomena mostra nova atuação extremamente orgânica de Judi Dench que, aliada ao envolvimento total de Coogan no projeto, faz deste um filme emocionante e sensível.

Assista ao trailer:


Bookmark and Share