Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 22/06/2014
  • 12:19
  • Atualização: 12:22

Caverna de Chauvet entra para o Patrimônio Mundial da Unesco

Gruta fica 25 metros abaixo da terra em uma colina calcária do sul da França

Caverna de Chauvet entra para o Patrimônio Mundial da Unesco | Foto: Jeff Pachoud / AFP / CP

Caverna de Chauvet entra para o Patrimônio Mundial da Unesco | Foto: Jeff Pachoud / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A Caverna de Chauvet, onde se encontram as pinturas rupestres mais antigas e conhecidas até os dias de hoje, entrou neste domingo para a lista do Patrimônio Mundial da Unesco. O anúncio foi feito pelo comitê da agência das Nações Unidas em Doha.

A imensa gruta, situada 25 metros abaixo da terra em uma colina calcária do sul da França, "é um testemunho único e excepcionalmente bem conservado", segundo o texto. "Os vestígios arqueológicos, paleontológicos e artísticos da gruta ilustram, como nenhuma outra do começo do Paleolítico superior, a frequência das cavernas para práticas culturais e rituais", destaca o documento.

A caverna, que permaneceu fechada por 23 mil anos devido a um deslizamento de rochas e foi redescoberta em 1994 por três espeleólogos - Jean-Marie Chauvet, Christian Hillaire e Eliette Brunel -, contém mais de mil desenhos, uma expressão excepcional da primeira criação artística do homem durante o Paleolítico superior, há 36 mil anos.

Os desenhos feitos na rocha incluem uma espécie de zoológico gráfico constituído por 435 representações, que mostram 14 espécies: ursos, rinocerontes, um leão, uma leoa, uma pantera, bisões etc. Nas paredes da caverna, também é possível observar umas dez mãos em negativo e positivo, representações do sexo feminino e, ao fundo, o desenho excepcional do corpo de uma mulher ao lado de um bisão.

A caverna, conservada de forma excelente e muito maior que a gruta francesa de Lascaux (cujas obras têm entre 17 mil e 18 mil anos de idade), conta com inúmeras salas e galerias ao longo de 800 metros, e de até 18 metros de altura. Ao contrário de Lascaux, descoberta em 1940 e deteriorada pelo dióxido de carbono gerado pela respiração dos visitantes, a caverna de Chauvet nunca foi aberta ao público. Uma cópia criada na região e batizada de "Caverna do Pont-d'Arc" permitirá admirar as riquezas da cavidade original. Neste projeto, pintores, escultores, agências de arquitetos, cenógrafos e empresas de construção colaboraram para criar em escala real e em 35 mil metros os melhores aspectos da gruta original. Esta réplica deve ser aberta ao público em 2015.

Bookmark and Share


TAGS » Variedades, Unesco