Correio do Povo

Porto Alegre, 25 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
9ºC
Amanhã
17º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

18/02/2014 14:52 - Atualizado em 18/02/2014 15:11

Opositor foragido se entrega à justiça durante protesto em Caracas

Leopoldo López discursou a partidários antes de ser escoltado até veículo da guarda

Leopoldo López estava foragido há uma semana e apareceu por volta do meio-dia na Praça Brión, no bairro opositor de Chacaito<br /><b>Crédito: </b> Juan Barreto / AFP / CP
Leopoldo López estava foragido há uma semana e apareceu por volta do meio-dia na Praça Brión, no bairro opositor de Chacaito
Crédito: Juan Barreto / AFP / CP
Leopoldo López estava foragido há uma semana e apareceu por volta do meio-dia na Praça Brión, no bairro opositor de Chacaito
Crédito: Juan Barreto / AFP / CP

O líder do partido opositor Vontade Popular e procurado pela justiça venezuelana, Leopoldo López, se entregou nesta terça-feira à Guarda Nacional Bolivariana em uma praça de Caracas. O governo o acusa da morte de três pessoas durante os protestos no país. Foragido há uma semana, ele apareceu por volta do meio-dia na Praça Brión, no bairro opositor de Chacaito. Após um breve discurso a seus partidários, ele se entregou aos agentes, que o escoltaram até um veículo da guarda.

"Apresento-me à justiça injusta, a uma justiça corrupta", declarou , vestido de branco e com uma bandeira da Venezuela, sob os aplausos de milhares de partidários. Após discursar a seus seguidores e pedir para que se retirassem da praça de forma pacífica, López dirigiu-se aos guardas nacionais com uma flor branca. Já dentro do veículo da polícia, pediu para que os manifestantes ficassem calmos. "Liberdade, liberdade!", gritavam os manifestantes. "Se a minha prisão servir para despertar um povo, para despertar definitivamente a Venezuela e para que os venezuelanos e venezuelanas que querem mudanças construam um caminho de paz e democracia, valerá a pena", insistiu.

López, um jovem economista formado em Harvard e proibido pela justiça de exercer cargos públicos, afirmou que nunca deixará a Venezuela e pediu por uma "saída pacífica deste desastre", em um país que vive uma grave crise econômica, com uma inflação de 56,3% e uma severa falta de alimentos e produtos de primeira necessidade. A justiça venezuelana emitiu uma ordem de prisão contra López, acusando-o de ser responsável pela morte de três manifestantes na quarta-feira passada durante confrontos entre opositores e a polícia.

Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.