Correio do Povo

Porto Alegre, 22 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
10ºC
Amanhã
18º 29º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

21/02/2014 09:38 - Atualizado em 21/02/2014 11:12

Quadrilha de advogados e contadores investigada por lesar 30 mil gaúchos

PF deflagrou operação Carmelina em Bento Gonçalves e Passo Fundo

PF defalgrou operação Carmelina em Bento Gonçalves e Passo Fundo<br /><b>Crédito: </b> Lucas Cidade / Rádio Uirapuru / Especial / CP
PF defalgrou operação Carmelina em Bento Gonçalves e Passo Fundo
Crédito: Lucas Cidade / Rádio Uirapuru / Especial / CP
PF defalgrou operação Carmelina em Bento Gonçalves e Passo Fundo
Crédito: Lucas Cidade / Rádio Uirapuru / Especial / CP

A Polícia Federal (PF), com apoio do Ministério Público gaúcho, desencadeou na manhã desta sexta-feira a operação Carmelina, com o objetivo de desarticular organização criminosa formada principalmente por advogados e contadores que pode ter lesado mais de 30 mil pessoas no Rio Grande do Sul em valores que superariam R$ 100 milhões.

Estão sendo cumpridos oito mandados de busca e apreensão em escritórios de advocacia e de contabilidade e em uma residência, nos municípios de Passo Fundo e Bento Gonçalves, além de um mandado de prisão preventiva.

A investigação iniciou há dois anos por representação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do Ministério Público Federal (MPF). Foi apurado que uma renomada banca de advogados, com sede principal em Passo Fundo, captava clientes e ajuizava ações contra uma empresa de telefonia. As ações eram julgadas procedentes e o valor recebido não era repassado aos clientes ou era pago em quantia muito menor da que havia sido estipulada na ação.

O líder da organização criminosa – que há 15 anos possuía patrimônio modesto – atualmente é proprietário de centenas de imóveis, avião a jato, automóveis de luxo e milhões de reais em contas bancárias.

“Carmelina” é o nome de uma senhora, lesada pelo grupo, que faleceu em decorrência de um câncer. Ela poderia ter um tratamento mais adequado se tivesse recebido a quantia aproximada de R$ 100 mil a que teria direito, valor que os criminosos nunca lhe repassaram.

Bookmark and Share


Fonte: Correio do Povo






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.