Correio do Povo

Porto Alegre, 23 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
19ºC
Amanhã
13º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

22/02/2014 13:03 - Atualizado em 22/02/2014 13:12

PF apreende mais de R$ 2 milhões em apartamento de advogado foragido

Interpol foi acionada para auxiliar nas buscas ao suspeito de lesar 30 mil clientes

Interpol foi acionada para auxiliar nas buscas ao suspeito<br /><b>Crédito: </b> Divulgação / PF / CP
Interpol foi acionada para auxiliar nas buscas ao suspeito
Crédito: Divulgação / PF / CP
Interpol foi acionada para auxiliar nas buscas ao suspeito
Crédito: Divulgação / PF / CP

A Polícia Federal divulgou neste sábado o valor total apreendido durante a Operação Carmelina, deflagrada nessa sexta-feira, com o apoio do Ministério Público Estadual, em Passo Fundo e Bento Gonçalves. Um total de R$ 1,2 milhão, 23,5 mil dólares e 14,3 mil euros, somando o equivalente a mais de R$ 2 milhões, foram apreendidos em uma das propriedades do advogado suspeito, na cidade do Norte gaúcho. Na residência, ainda foram encontrados, em um compartimento secreto, cabeças empalhadas de leão e de tigre, patas de elefante e munição de fuzil.

Conforme o delegado federal Mario Vieira, em razão disso, o advogado, que teve a prisão preventiva decretada por suspeita de se apropriar de dinheiro de um número estimado de 30 mil clientes durante 15 anos, também deve ser indiciado por crime ambiental. As vítimas não receberam os repasses do escritório de advocacia, depois de terem entrado com processos judiciais contra a CRT, comprada pela Brasil Telecom no Rio Grande do Sul.

A Polícia Federal já solicitou o auxílio da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) com o objetivo de prender o suspeito, localizado em um apartamento no litoral dos Estados Unidos. A investigação começou há dois anos após uma representação do Ministério Público Federal e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). 

A Operação Carmelina, que desarticulou o esquema, tomou emprestado o nome de uma das vítimas do advogado. Ela morreu de câncer no intestino sem ter acesso ao dinheiro que ganhou depois de contratar o escritório do advogado. A investigação mostrou que a quadrilha comandada pelo foragido havia se apropriado do valor, de cerca de R$ 125 mil.

Bookmark and Share

Fonte: Stephany Sander/Rádio Guaíba







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.