Correio do Povo

Porto Alegre, 21 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
12º 28º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

24/03/2014 23:14 - Atualizado em 24/03/2014 23:23

Operadora de satélites explica como localizou trajetória de avião malaio

Inmarsat usou "bips" automáticos para identificar provável área da queda no Oceano Índico

O anúncio dramático pôs fim a 17 dias de angústia<br /><b>Crédito: </b> Goh Chai Hin / AFP / CP
O anúncio dramático pôs fim a 17 dias de angústia
Crédito: Goh Chai Hin / AFP / CP
O anúncio dramático pôs fim a 17 dias de angústia
Crédito: Goh Chai Hin / AFP / CP

O vice-presidente do operador britânico de satélites Inmarsat, cujos dados permitiram chegar à conclusão sobre a queda do avião da Malaysia Airlines no oceano Índico, explicou nesta segunda-feira como foi a operação de rastreamento. A empresa e o Escritório britânico de Investigação sobre Acidentes Aéreos (AAIB, na sigla em inglês) "concluíram que o MH370 voou no corredor sul e que sua última posição se encontrava no meio do Oceano Índico".

"Para chegar a essas conclusões, levamos em consideração a velocidade do piloto automático - cerca de 350 nós - e o que sabíamos em termos de combustível e de autonomia do avião para atingir uma série de 'bips' que recebíamos", relatou o vice-presidente.

Embora os sistemas de comunicação do voo MH370 estivessem apagados, os satélites Inmarsat continuaram a captar, em todos os momentos, os "bips" provenientes do avião. Esses "bips" são enviados de uma estação terrestre para o satélite e, depois, para o avião, que reenvia automaticamente um "bip" em sentido inverso. A empresa Inmarsat mediu o tempo levado por esses "bips" entre o avião e o satélite. "Nós observamos o efeito Doppler que é a mudança de frequência devido ao movimento do satélite em sua órbita", detalhou. Efeito doppler é a mudança no comprimento das ondas conforme se afastam ou aproxima de objetos. "Isso nos deu uma trajetória possível para o corredor norte e uma outra para o corredor sul", completou.

"Nós reunimos os dados dos Boeing 777 da Malaysia Airlines, os remodelamos e os comparamos com os dados do corredor sul e do corredor norte, e descobrimos que o corredor sul é, sem qualquer dúvida possível, o que foi tomado", explicou a empresa. "Normalmente, você procura triangular os dados e, com frequência, você tem o GPS. Mas, como os aviões nessa região não enviam sinais de sua localização, nós trabalhamos às cegas", acrescentou.

O anúncio dramático pôs fim a 17 dias de angústia para os familiares das 239 pessoas a bordo do Boeing, entre eles 153 chineses. A empresa não respondeu, porém, a nenhuma pergunta sobre o cenário que teria precipitado o Boeing na região inóspita.


Bookmark and Share 

Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.