Correio do Povo

Porto Alegre, 31 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
22ºC
Amanhã
16º 26º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

08/04/2014 23:55 - Atualizado em 09/04/2014 00:04

Governo e oposição venezuelana definem diálogo

Negociação para tentar por fim na violência será supervisionada pela Unasul

 O governo da Venezuela e a opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) decidiram na noite desta terça-feira iniciar nas próximas horas um diálogo sob a supervisão de facilitadores da Unasul e do Vaticano visando superar a onda de protestos que há dois meses sacode o país.

"Há alguns acordos que alcançamos e um se refere à decisão de dialogar em termos de respeito mútuo e de igualdade, e de fazê-lo diante de todo o país", disse à imprensa o secretário-executivo da MUD, Ramón Guillermo Aveledo, após uma reunião preparatória promovida pelos chanceleres da Unasul, da qual participou o presidente Nicolás Maduro.

"Aspiramos que nas próximas horas ocorra uma reunião formal e pública, a qual os venezuelanos poderão ver e compartilhar", disse o vice-presidente, Jorge Arreaza, que participou do encontro preparatório - de mais de quatro horas - realizado na sede da Chancelaria em Caracas. Além de Maduro e Arreaza, participaram da reunião o chanceler Elías Jaua, o governador opositor Henry Falcón e chanceleres da União das Nações Sul-Americanas (Unasul).

Arreaza e Aveledo explicaram que o diálogo terá como facilitadores os chanceleres de Brasil, Luiz Alberto Figueiredo; Colômbia, María Angela Holguín, e Equador, Ricardo Patiño, além de um representante do Vaticano. Aveledo estimou que o representante do Vaticano pode ser seu secretário de Estado, Pietro Parolin. "Acertamos a presença de um terceiro de boa fé para que nos ajude neste difícil caminho que estamos prontos para traçar", declarou.

Segundo Arreaza, "todos estão convencidos da necessidade de respeitar todos os princípios e disposições da nossa constituição, de rejeitar a violência, de superar a intolerância e de avançar" em busca de uma solução para a crise. A Venezuela é sacudida há dois meses por uma onda de protestos que já deixou 39 mortos, 600 feridos e mais de 100 opositores detidos, entre eles dois prefeitos e Leopoldo López, dirigente do partido Vontade Popular.

Maduro propôs um diálogo nacional no final de fevereiro, mas a MUD rejeitou participar por considerar que não havia condições equilibradas para as negociações.

Bookmark and Share

Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.