Correio do Povo

Porto Alegre, 17 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
12ºC
Amanhã
14º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

20/04/2014 14:32 - Atualizado em 20/04/2014 14:36

Policiamento é reforçado em frente à casa do pai de Bernardo

Casa onde o garoto vivia recebe homenagens de vizinhos e amigos da família

A Brigada Militar de Três Passos, no Noroeste gaúcho, reforçou, por tempo indeterminado, o policiamento em frente à casa do médico Leandro Boldrini, preso na segunda-feira passada como um dos suspeitos de ter matado o filho, Bernardo, de 11 anos. Na casa, além dos dois, viviam a madrasta do garoto, Graciele Ugulini, e a meia-irmã dele, de um ano e três meses. Ontem, a Polícia Civil repassou à BM a informação de que moradores tinham planos de incendiar a casa em represália à morte da criança. O imóvel, que fica no Centro da cidade, está vazio e ainda à disposição da perícia. A principal preocupação é com a segurança dos vizinhos, explica o comandante do 7º BPM, major Diego Munari.

PMs do setor administrativo foram destacados para a tarefa. Pelo menos dois soldados serão mantidos em frente à residência, monitorando o entorno, até que a inteligência policial considere necessário. Em frente à casa, moradores afixaram cartazes com ofensas aos suspeitos e montaram uma espécie de altar, com velas.

Hoje, à Igreja da Matriz de Três Pasos sedia uma missa em homenagem a Bernardo, a partir das 19h. Nessa manhã, cerca de 800 pessoas participaram da celebração em Santa Maria, na região Central, onde vive a avó do menino. Jussara Uglione, porém, não compareceu à cerimônia, na Basília Nossa Senhora da Medianeira. Ela foi representada pela sobrinha Fátima Uglione, o marido dela, Roberto Maia, e a filha do casal, Tuane Uglione Maia. Segundo a família, Jussara ficou em casa por orientação médica.

O advogado dela, Marlon Adriano Taborda, esteve na missa, que foi celebrada pelo padre Rubens Natal Dotto. A partir de terça-feira, ele vai entregar documentos à Justiça sobre os processos movidos contra o médico em 2010 e 2011. Segundo o defensor, Leandro Boldrini não permitia à avó conviver com o neto. Taborda também deve solicitar uma avaliação psiquiátrica dos suspeitos, para que se tente esclarecer quem está mentindo.

Com informações do repórter Renato Oliveira/Correio do Povo

Bookmark and Share


Fonte: Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.