Porto Alegre, sábado, 25 de Outubro de 2014

  • 02/06/2014
  • 22:28
  • Atualização: 23:02

Municipários antecipam assembleia para discutir fim da greve

Simpa vai analisar nesta quarta proposta de reajuste formalizada pela prefeitura

Encontro de Sindicato de Municipários foi remarcado para quarta-feira | Foto: André Avila / CP

Encontro de Sindicato de Municipários foi remarcado para quarta-feira | Foto: André Avila / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Os servidores em greve da Prefeitura de Porto Alegre decidiram antecipar, na noite desta segunda-feira, a assembleia da categoria que estava marcada para a tarde de quinta-feira. A fim de avaliar a proposta de reposição da inflação em uma parcela única, na folha de junho, o Sindicato dos Municipários (Simpa) remarcou o encontro para quarta-feira, a partir das 10h no Largo Zumbi dos Palmares. O prefeito José Fortunati entregou uma carta formalizando a oferta horas após o inicio da paralisação por tempo indeterminado, deflagrada na manhã desta segunda.

“Nós entendemos que mesmo que ela não seja aquela que queremos, a proposta é um fato novo e merece ser avaliada pela categoria”, frisou a diretora do Simpa, Carmen Padilha. Em entrevista ao Guaíba Revista, Carmen Padilha reforçou que os municipários exigem além da reposição de inflação nos vencimentos, reajuste no vale refeição, fim do assédio moral e isonomia salarial. Ela também frisou haver servidores ganhando menos do que um salário mínimo.

Anteriormente, a Prefeitura havia oferecido 2,5% de reposição salarial agora e o restante em janeiro, e reajuste de R$ 1 no vale-alimentação, hoje de R$ 15. Os trabalhadores pedem 20% de aumento e vale-alimentação de R$ 23, além de isonomia salarial, valorização dos servidores e melhores condições de trabalho.

A diretora do Simpa salientou que o piquete montado em frente ao Hospital de Pronto Socorro levou as pessoas a procurarem atendimento em outras unidades. Os pacientes internados, porém, seguem sendo assistidos. Conforme Carmen Padilha, a adesão a greve é satisfatória, uma vez que os serviços no Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) estão parados, assim como os da Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) e da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam). A sindicalista estima que 90% da rede de ensino esteja prejudicada e que parte dos serviços também tenha sido afetada no Departamento Municipal de Habitação (Demhab).

Bookmark and Share