Porto Alegre, quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

  • 23/06/2014
  • 11:58
  • Atualização: 12:06

Sudanesa cristã condenada a morte é libertada

Mulher, filha de um muçulmano, foi condenada pela lei islâmica que proíbe as conversões

Mulher, filha de um muçulmano, foi condenada pela lei islâmica que proíbe as conversões | Foto: STR / AFP / CP

Mulher, filha de um muçulmano, foi condenada pela lei islâmica que proíbe as conversões | Foto: STR / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Uma sudanesa cristã que foi condenada à morte por negar o Islã foi libertada depois de dar à luz na prisão, informou um de seus advogados nesta segunda-feira. "Meriam foi libertada há cerca de uma hora", afirmou o advogado Mohamad Mustafa em Cartum, capital do Sudão.

A condenação à forca de Meriam Yahia Ibrahim Ishag em 15 de maio provocou fortes críticas de vários governos ocidentais e grupos de direitos humanos. A mulher, filha de um muçulmano, foi condenada pela lei islâmica que proíbe as conversões, depois de ter se casado com um cristão com quem já tinha um filho de 20 meses.

Ela também foi condenada a 100 chicotadas por adultério, já que, segundo a interpretação sudanesa da sharia, as uniões entre uma muçulmana e um não-muçulmano são consideradas traição conjugal. Quando foi condenada, a mulher estava grávida e deu à luz uma menina 12 dias depois do veredicto.

Depois do parto, foi levada da cela que dividia com seu primeiro filho e outras mulheres para o hospital da prisão. Mustafá e outro quatro advogados especializados em direitos humanos se encarregaram da defesa da jovem gratuitamente. Vários líderes políticos e religiosos europeus pediram que se revogasse a "sentença desumana" pronunciada contra ela.

Bookmark and Share