Caren Miesenberger promove na Feira do Livro debate sobre feminismo e mídia

Caren Miesenberger promove na Feira do Livro debate sobre feminismo e mídia

Encontro será no Auditório Barbosa Lessa do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, às 18h

Correio do Povo

Miesenberger é jornalista alemã e discutirá feminismo na Feira do Livro

publicidade

Cerca de 90% dos postos de comando do jornalismo ocupados por homens, salários pagos às mulheres na profissão em torno de 20% mais baixos e predominância de mulheres brancas e de classe média nas redações. Este é o panorama que a jornalista Caren Miesenberger vai traçar nesta quinta-feira, às 18h, em encontro no Auditório Barbosa Lessa do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, durante a 65ª Feira do Livro de Porto Alegre. O debate tem como título a resistência feminista nas mídias brasileira e alemã e será mediado por Carol Anchieta.

Os números apresentados por Caren se referem à presença de mulheres em jornais oficiais da Alemanha, onde a jornalista reside. Segundo ela, nas grandes cidades o índice de mulheres empregadas na imprensa que ocupam cargos de liderança é um pouco maior, mas mesmo assim ainda não reflete a realidade social. “Nos jornais pequenos de cidades do Interior, chega a 95% o número de cargos de chefia ocupados por homens. Isto não combina com o potencial exibido pelas mulheres e nem com os avanços sociais”, diz.

A jornalista destaca que os índices apurados na Alemanha referem-se apenas à questão de gênero, não havendo dados sobre as diferenças raciais nas redações, que acredita sejam muito maiores.

Sociedade em foco

Caren Miesenberger, de 30 anos, morou no Brasil entre 2015 e 2018, trabalhando no Rio de Janeiro, o que lhe garante o domínio do português. Hoje, atua como freelancer e como editora de mídias sociais da rádio Deutschlandfunk Kultur, em Berlim. Já publicou artigos em português para a Fundação Heinrich Böll− vinculada à ecologia, sustentabilidade, democracia, direitos humanos, autodeterminação e justiça social −, para as Blogueiras Feministas e para o site Não Me Kahlo.

Costuma abordar temas como sociedade, cultura popular, feminismo queer, digitalidade e mobilidade. Ela também é fundadora da Meme School Feminist, onde ensina as mulheres a transformarem em memes situações do cotidiano. “É uma forma de transformar em humor as abordagens inadequadas que ainda precisamos enfrentar”, define.


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895