Durante a pandemia, gospel apresenta crescimento no Brasil

Durante a pandemia, gospel apresenta crescimento no Brasil

Momento de isolamento social aumentou a busca e consumo de artistas e músicas do estilo, que é um dos que mais cresce no país

Helder Maldonado, do R7

Isaias Saad é um dos mais ouvidos do Brasil em 2020

publicidade

O consumo de música por meio de plataformas digitais durante a pandemia é um sucesso de forma geral. As lives realizadas pelos artistas dos mais variados gêneros é uma prova de que essa tem sido uma alternativa popular e acertada de continuar a promover o mercado musical em um momento no qual é impossível realizar eventos com aglomerações.

Um gênero, no entanto, tem se destacado nesse momento: o gospel. O filão de música cristã (que abriga de heavy metal à adoração) é um dos que mais cresceu nos últimos meses.

De acordo com dados fornecidos pela Deezer, a playlist Top 50 Gospel — principal do gênero na plataforma — cresceu 37% em relação a fevereiro, quando a quarentena ainda não havia começado no Brasil. Nos meses posteriores, a ascensão se manteve. Ao comparar março, abril e maio com os três meses anteriores, é possível perceber que a seleção cresceu 23% em reproduções e 11% em ouvintes.

Já no Spotify a tendência já era observada antes mesmo da pandemia. Em 2019, o estilo cresceu 44% no número de ouvintes, percentual menor apenas que o do sertanejo. Por lá, as playlistas mais populares são Sucessos Gospel e Louvor e Adoração (essa mais dedicada à worship music). No Google, as buscas relacionadas a esse tipo de música cresceram 200% no ano.

André Valadão, um dos pastores e cantores mais populares do gospel, dono até mesmo de uma grife de roupas que leva o nome dele, acredita que o momento delicado da crise sanitária faz com que as pessoas procurem conforto em músicas com mensagens mais positivas. "A realidade do que realmente importa na vida começou mais do que nunca a aparecer. Sem dúvida a mensagem da música gospel fala muito disto", aposta ele.

Empresário musical no setor digital, João Mendes acredita que a pandemia também proporcionou para muitos o primeiro contato com as plataformas digitais. "A adesão ao mercado digital na pandemia foi o momento em que muita gente experimentou o consumo de música dessa maneira pela primeira vez. Nada será substituído. Cada um terá importância própria, mas em proporções diferentes", acredita.

João ainda confia que o formato de lives veio para ficar e se tornar mais um produto para os artistas, mas nunca irá excluir a importância de divulgação de bons clipes e singles. "O digital não passará por grandes dificuldades e sim por grandes transformações. Os grandes investidores estão vendo que a internet tem muitas possibilidades, vão aproveitar para explorar e gerar mais receitas. Uma boa live sempre terá seu espaço, mesmo após a pandemia."

Mas apesar do panorama positivo na internet, a maioria dos cantores, que representam ministérios e templos, estão impossibilitados de realizar shows e divulgar discos. Isso, claro, afeta financeiramente o trabalho, embora a maioria dos artistas do ramo reforce que o objetivos dos trabalhos musicais tenha outros focos além desse.

Deive Leonardo, uma das estrelas pop em ascensão do gospel, querido por jogadores de futebol e sondado até pela Netflix para estrelar uma série, diz que trata-se de um momento oportuno para ajudar o próximo, inclusive através da música. "Nunca fomos tão úteis como agora. Mas a carreira é o que menos importa no momento. As pessoas estão em momentos muito difíceis, pois quando atinge um irmão, atinge diretamente a gente, nos causa empatia. Não temos o controle de absolutamente nada no momento, por isso a música é refúgio. Não enxergo o que faço como carreira e nem mercado e, sim, como ministério, como propósito de vida", garante.

Samuel Mizrahy, cujo canal tem mais de 2 bilhões de visualizações e é um dos sucessos do gospel infantil, tem produzido para essa plataforma porque entende que shows presenciais ainda demorarão para voltar e o digital é a saída do momento. "Penso que os shows presenciais vão levar tempo para aquecer e que as normas de distanciamento serão algo presente", reconhece. "Nós já tínhamos uma boa presença no digital, pois trabalhamos com muito carinho e lançamos todas as semanas um conteúdo novo para quem nos segue. Continuamos com as novidades e isso manteve o nosso crescimento", explica.

Secular também mira gospel

Além de artistas que trabalham exclusivamente com o estilo, durante a quarentena famosos de outras áreas também flertaram com a música religiosa de forma bem-sucedida.

Anitta, por exemplo, realizou uma live apenas com sucessos do gospel. A funkeira, que começou a carreira cantando em igrejas na região de Honório Gurgel, no Rio de Janeiro, foi elogiada por resgatar os sucessos religiosos que ela interpretava na infância e adolescência.

"Eu e o Enzo (Celulari) tivemos a ideia de cantar essas músicas, pois elas me ajudaram a aprender a cantar. Será um repertório emocionante para mim, porque eu vou reviver muitas coisas", disse, antes de realizar a live, em abril.

Ex-apresentadora do Bom Dia e Cia, do SBT, Priscilla Alcântara realizou um dueto com Whindersson Nunes na música Girassol, que foi uma das mais tocadas do gospel no YouTube e plataformas de streaming em abril.

Em lives, cantores como Dilsinho e Mateus e Kauan não deixaram o estilo de fora e até o festival Villa Mix, famoso pelos shows de pop e sertanejo, se rendeu ao estilo religioso e fez uma live no dia 30 de maio.

Isaias Saad, cantor do gênero e que não tem restrições de aparecer em espaços seculares, como o programa Encontro, de Fátima Bernardes, enxerga com bons olhos essa quebra de preconceito com o estilo, que aos poucos perde o estigma de ser algo inerente apenas aos interiores dos templos. "Gospel cresceu e continuará crescendo. É muito raro você ouvir o gospel em novela, tocando numa loja. Mas tem cantores, produtores e instrumentistas incríveis. Então, sim, ainda enfrentamos várias barreiras, mas já temos um espaço bem legal", explica.

Estrelas pop

Embora o sertanejo e o funk ainda dominem as paradas de sucesso no Brasil, artistas do gospel têm números típicos de estrelas pop internacionais.

No Spotify, 15 artistas gospel brasileiros possuem mais de 1 milhão de ouvintes mensais. São eles: Bruna Karla, Midian Lima, Gabriela Rocha, Fernandinho, Aline Barros, Preto no Branco, Casa Worship, Isaias Saad, Kemuel, Isadora Pompeo, Priscilla Alcantara, Ton Carfi, Luma Elpidio, Gabriel Guedes e Ministério Zoe.

Presente nessa seleta lista, Isaias explica que o crescimento continua. "Antes da pandemia, eu tinha 800 mil reproduções mensais no Spotify, hoje tenho 1,2 milhão, para você ter uma ideia", explica.


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895