Espetáculo foca a arte em um futuro distópico

Espetáculo foca a arte em um futuro distópico

“Codinome Madame” tem apresentações gratuitas, aos sábados, domingos e segundas-feiras, até 31 de maio

Correio do Povo

Bia Toledo interpreta Madame, uma ex-atriz que acolheu artistas perseguidos, recolheu obras de artes, instrumentos musicais e livros e passou a viver clandestinamente

publicidade

Em um futuro distópico, a liberdade de expressão é controlada com mãos de ferro, o estado laico não existe e os artistas foram banidos da sociedade. Esta é a premissa de “Codinome Madame”, segundo espetáculo da trilogia “Madame” da Nossa Companhia (São Paulo), que estreia neste final de semana, 21h, com sessões de sábados a segundas, até 31 de maio. Para assistir, é necessário fazer um cadastro com um codinome no site #codinomemadame, onde notícias contextualizam o tempo no qual a peça se passa. O link da transmissão será enviado pelo WhastApp cadastrado.

Com texto e direção de Tati Bueno, codireção de André Grecco e atuação de Bia Toledo, conta a saga de Madame, uma ex-atriz que acolheu artistas perseguidos, recolheu obras de artes, instrumentos musicais e livros e passou a viver clandestinamente. A peça aborda os desdobramentos emocionais da protagonista e conduz o espectador pelos caminhos tortuosos da memória da personagem. Revisitando obras de Rimbaud, Brecht, Goethe, Clarice Lispector, Oscar Wilde, Fernando Pessoa, entre outros, evidencia que as artes colaboram com a construção da memória coletiva e a história de um povo. O processo da peça começou em abril de 2019, muito antes do isolamento social imposto pela pandemia, mas o texto aborda os efeitos desse confinamento na saúde mental e, no caso de Madame, a arte que tem salvado muita gente, está proibida. 

Na jornada de Madame, acompanhamos o seu renascimento, ou o ressurgimento da arte, como um respiro em meio ao caos. Tanto artistas como amantes da arte encontram espaço para manter vivo o teatro, a música, a poesia, as liberdades, nos dando a oportunidade de refletir sobre nossa relação com a arte e como ela é necessária.


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895