Famosos aderem à luta antirracista
capa

Famosos aderem à luta antirracista

Estopim do movimento aconteceu com morte de George Floyd nos EUA e de João Pedro no Brasil; diversas celebridades se posicionaram

Por
R7

Artistas deixaram bem clara suas posições ao se declararem antifascistas e antirracistas


publicidade

Com a morte de George Floyd nos Estados Unidos, aconteceu um estopim de manifestações espalhadas pelo país contra o racismo e o fascismo. Além de diversas celebridades internacionais se manifestarem sobre o assunto, famosos do Brasil também deixaram bem clara suas posições ao se declararem antifascistas e antirracistas. Muitos também relembraram da morte de João Pedro, no Rio de Janeiro. Confira, a seguir, quem apoia o movimento.

Anitta usou a imagem "sempre antirracista, sempre antifascista" para mostrar o que pensa. A artista recebeu diversos elogios nas redes sociais.

O casal Lázaro Ramos e Tais Araújo também é conhecido por levantar a bandeira do movimento negro. O ator, inclusive, já lançou o livro Na Minha Pele para falar sobre o racismo. Nesta quarentena, a atriz está realizando diversas lives para discutir o tema em suas redes sociais.

Bruna Marquezine também se posicionou. Em suas redes sociais, ela levantou algumas bandeiras como "feminista antifascista", "João Pedro, presente!" e "Vidas Negras Importam".

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank têm dois filhos negros, Titi e Bless. O casal, que já processou diversas pessoas por racismo, também se pronunciou nas redes sociais sobre o assunto. Giovanna, inclusive, chegou a publicar um longo desabafo nas redes sociais. 

"Você está cansada? Eu também. Exausta. Assistimos diariamente a violação da vida, do respeito, da dignidade humana. Um pai de família é estrangulado à luz do dia. Um casal é arrancado de seu carro e preso sem motivos. Um menino é fuzilado dentro de casa e seu corpo sequestrado. Um repórter é algemado ao vivo. Em comum a cor da pele e a ação violenta do Estado. As câmeras registram o racismo nosso de cada dia. O estômago embrulha, a preocupação com o futuro dos filhos é inevitável e um grito de revolta fica entalado na garganta. Quando conversamos com amigos e familiares, a sensação é a mesma. Todos fartos de ver uma estrutura que tortura pessoas pobres e pretas, que silencia ideias, que persegue e intimida cidadãos. Até o dia que o copo transborda e surge uma resposta à essa violência. O povo preto toma as ruas", escreveu.

Camila Pitanga se declarou antifascista por meio das redes sociais e lamentou: "Infelizmente vivemos em um mundo onde ainda é importante declarar-se antifascista! Sou artista, sou feminista, sou antifascista".

Criolo é conhecido por letras fortes que tratam, em sua maioria, de racismo e classe social. Também por meio das redes sociais, o rapper se declarou "sempre antirracista, sempre antifascista" e relembrou a letra da música Boca de Lobo, a qual escreveu: "Agora, entre o meu ser e o ser alheio, a linha de fronteira se rompeu".

O rapper Djonga também usou as redes sociais para se posicionar. Ele publicou nas redes sociais uma imagem que dizia "periferia antifascista".

Jonathan Azevedo também costuma se posicionar sobre o racismo. Antes de legendar com "luz na caminhada e paz sempre", o ator publicou uma imagem que também dizia "antifascista".

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Iza e Marcelo Falcão publicaram nas redes sociais "vidas negras importam" para apoiar o movimento.

Gabriel O Pensador publicou uma longa mensagem nas redes sociais e chamou atenção para o tema. "Escrevi essa letra antes de gravar meu primeiro disco", relembrou da música Racismo É Burrice que escreveu e aproveitou para questionar os seguidores. "E você? Vai continuar aceitando como algo normal, ou quem sabe até praticando passando de pai pra filho essa m****?", perguntou.


Marina Ruy Barbosa também se posicionou à favor do movimento antirracista e compartilhou uma publicação que explicava "como ser um aliado". Ela também frizou que "vidas negras importam".