A compra de poetas em debate na Feira

A compra de poetas em debate na Feira

Mesa com o português Afonso Cruz às 18h desta quinta-feira trata do tema abordado no seu livro em um futuro não muito distante

Afonso Cruz é autor de mais de 30 livros, ilustrador, músico e cineasta

publicidade

A principal mesa da 66ª Feira do Livro de Porto Alegre terá lugar às 18h desta quinta-feira, pela plataforma feiradolivropoa.com.br. Sob o título “Vendem-se Poetas e Artistas em Geral”, com o escritor português Afonso Cruz e os autores gaúchos Rafael Guimaraens e Reginaldo Pujol Filho. A novela “Vamos Comprar um Poeta”, lançada pela Dublinense em 2020, de Afonso Cruz, é o ponto de partida para uma conversa sobre o papel da cultura e da valorização dos profissionais do setor. Com participação do jornalista Rafael Guimaraens (“A Dama da Lagoa” / Libretos, 2020) e mediação de Reginaldo Pujol Filho (“Não, Não é Bem Isso” / Não Editora, 2019), a mesa trata deste futuro meio distópico (talvez mais real hoje em dia) no qual o materialismo é mais importante do que outros aspectos. As pessoas são chamadas por números (não por nomes) e as famílias têm artistas em vez de animais de estimação. Na novela, cada espaço tem um patrocinador, cada passo é medido com exatidão, e até a troca dos afetos é contabilizada, é que uma menina pede ao pai um poeta. Com humor e leveza, Afonso conduz uma narrativa para fazer pensar sobre o utilitarismo e o papel da arte em um mundo onde tudo precisa ser mensurado. Ele nasceu em 1971, na Figueira da Foz e, além de escritor, é também ilustrador, músico e cineasta. Publicou mais de 30 livros, entre romances, teatro, não ficção, ensaio, álbuns ilustrados, novelas juvenis e ainda uma enciclopédia inventada, com sete volumes. 


A quarta-feira foi marcada por encontros com autores infantis e juvenis. Ontem à tarde, o bate-papo foi com o escritor e ilustrador André Neves (“Obrigado” / Pulo do Gato, 2020). “Eu sou um escritor e artista visual, penso primeiro nas imagens e depois nas palavras. Acho que a literatura não tem sido valorizada. Vivemos num país onde não se lê. Sinto que quem canta, dança, pinta, atua tem maior reconhecimento do que os escritores”, ressalta. 




publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895