"Hoje é fácil achar um teto de vidro para críticas", diz responsável por comercial com Elis

"Hoje é fácil achar um teto de vidro para críticas", diz responsável por comercial com Elis

Propaganda emocionou alguns internautas, outros enxergaram os perigos da tecnologia

AE

Comercial que comemora os 70 anos da Volkswagen no Brasil trouxe a cantora Elis Regina fazendo um dueto ao lado da filha, Maria Rita

publicidade

O comercial que trouxe a cantora Elis Regina fazendo um dueto ao lado da filha, Maria Rita, segue gerando debates nas redes sociais sobre a utilização da voz e imagem de artistas que já morreram através da inteligência artificial. Nesta sexta-feira, 7, o responsável pela campanha da Volkswagem rebateu as críticas.

Enquanto a propaganda emocionou alguns internautas, outros enxergaram os perigos da tecnologia e alegaram desrespeito a memória da artista. No entanto, Marco Gianelli, um dos líderes da área de criatividade da agência AlmapBBDO e responsável pelo comercial, afirmou que a ideia foi aprovada pelos filhos de Elis.

Em entrevista ao Uol, Marco explicou que a aprovação aconteceu logo no início, no processo de negociação: "Primeiro, precisaríamos encantar a Maria Rita, porque queríamos que ela participasse, e seus dois irmãos (Pedro Mariano e João Marcello Bôscoli), que também respondem pela imagem da Elis. Ela se encantou pela ideia, os irmãos também, e todas as aprovações passaram pelos três".

"Se a filha está confortável e feliz, se a reação da família e das pessoas ao redor é uma coisa linda, passa essa tranquilidade de estar no caminho certo. Acho que tudo precisa ser discutido. É um direito não gostar, de se manifestar", afirmou o publicitário.

Gianelli explicou que, para o desenvolvimento da campanha, houve um olhar sensível para o legado de Elis Regina. "Acho que tudo parte também da delicadeza e do que a gente vai fazer. Eu nunca colocaria a Elis em um comercial de feirão da VW", disse.

"Hoje é fácil achar um teto de vidro, um suposto teto de vidro, ou clickbait (caça-cliques) para críticas (...) Sempre existem os arquitetos do caos, passamos por isso. Independentemente do trabalho, sempre podemos ter problemas (...) Quase sempre seremos contestados, mas prefiro assim do que se não pudéssemos falar nada", reiterou.

Ideia da campanha

A publicidade celebra os 70 anos da montadora no Brasil e usou deep fake, uma técnica de sobreposição de voz e expressões, para compor o dueto cantado por mãe e filha na música "Como nossos pais", de Belchior, um clássico dos anos 70.

A peça começou a ser divulgada nesta segunda-feira, 3, e marca a volta da Kombi ao mercado após 10 anos. O comercial mostra Maria Rita e Elis Regina dirigindo dois modelos diferentes do carro - a filha, com a versão elétrica que está sendo lançada pela Volkswagen, chamada de ID.Buzz. Já a mãe, aparece na tradicional "perua" da marca alemã.

Segundo Marco, a ideia da campanha surgiu em setembro do ano passado e a equipe tinha como objetivo retratar o passado e futuro: "Todo mundo tem uma história com algum carro da marca, em um Fusca, Brasília, em uma Kombi ou em um Gol (...) Ao mesmo tempo, a marca está em um momento diferente, de eletrificação, de carros híbridos, de um investimento muito grande para os próximos anos".

"Nesse processo criativo, nos perguntamos qual era o nome mais icônico da música brasileira e chegamos ao de Elis. Aliado a isso, ainda temos a Maria Rita, filha dela, que deu continuidade à essa história. Foi aí que pensamos em unir as duas", revelou.

Com o intuito de "tocar o coração das pessoas", o publicitário e sua equipe levaram o roteiro do vídeo para a marca, que aprovou, e, depois, para os filhos de Elis.

"Hoje, o comercial parece relativamente simples, mas para as poucas pessoas que contamos o processo, as pessoas se arrepiavam. Foram 9 meses de gestação mesmo. O processo foi exaustivo, mas foi um tempo extremamente prazeroso", afirmou.


Mais Lidas

Guia de Programação: a grade dos canais da TV aberta desta terça-feira, dia 23 de abril de 2024

As informações são repassadas pelas emissoras de televisão e podem sofrer alteração sem aviso prévio

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895