Kléber Mendonça Filho vai competir pela Palma de Ouro no Festival de Cannes
capa

Kléber Mendonça Filho vai competir pela Palma de Ouro no Festival de Cannes

"Bacurau", codirigido por Juliano Dornelles, está sendo finalizado na França para sua estreia mundial

Por
Correio do Povo

Longa é uma mescla de gêneros como faroeste e ficção científica em torno de um pequeno povoado do sertão

publicidade

O Festival de Cinema de Cannes anunciou nesta quinta-feira parte de seus filmes para sua edição de número 72, que será "romântica e política", de acordo com Thierry Frémaux, delegado geral do evento. Quatro obras brasileiras vão participar da importante mostra francesa.

O diretor pernambucano Kléber Mendonça Filho, que já exibiu em Cannes "Aquarius", em 2016, competirá novamente pela Palma de Ouro com seu novo longa, "Bacurau", em codireção com Juliano Dornelles. "O Traidor", coprodução entre Itália, França, Alemanha e Brasil dirigida por Marco Bellocchio também compete. Fora da disputa pelo prêmio máximo estão "A Vida Invisível de Eurídice Gusmão", de Karim Ainouz, e "Port Authority", de Danielle Lessovitz.

• Pôster oficial do festival de Cannes homenageia Agnès Varda

"Bacurau" fará sua estreia na França e foi descrito como uma mescla de gêneros como faroeste e ficção científica em torno de um pequeno povoado do sertão cuja tranquilidade é ameaçada após a morte, aos 94 anos, de Dona Carmelita, uma mulher forte e que inspirava a comunidade. Dias depois, os moradores percebem que o local não consta mais nos mapas.

O elenco é encabeçado por Sonia Braga e pelo alemão Udo Kier. Segundo Frémaux, a obra "deriva da tradição dos filmes de cangaceiros, mas tem um traço autoral particular, extremamente político". O longa foi rodado no Sertão do Seridó, divisa do Rio Grande do Norte com a Paraíba, e as cidades de Parelhas e Acari serviram de base para a produção.

Pelo Facebook, Mendonça Filho agradeceu às felicitações. "Obrigado a todos pelas centenas de mensagens já, BACURAU estará em Competição no Festival de Cannes, três anos depois de AQUARIUS, 14 anos depois de VINIL VERDE (na Quinzaine). Eu e Juliano Dornelles estamos em Paris, trabalhando dez horas por dia para terminar o filme. 'Bacurau' ira representar o Brasil internacionalmente num dos palcos mais prestigiosos do mundo da Cultura. Essa é uma representação que, felizmente, o dinheiro nao compra.

A Cultura Brasileira é de extrema importância para o nosso pais, seja como alimento para quem somos, seja como mercado. 'Bacurau' e 'Vida Invisível'; de Karim Ainouz, grande cineasta brasileiro, representam essa nossa cultura ao lado do novo filme do Marco Bellochio, co-produçao brasileira. Ainda teremos as seleções prestigiosas da Quinzaine des Realisateurs e da Semaine de la Critique, fico na torcida para que a Cultura Brasileira também nesses espaços", escreveu.

"O Traidor" teve parte das gravações no Rio de Janeiro, com a atriz Maria Fernanda Cândido. O longa trata da "vida real de Tommaso Buscetta o chamado 'chefe dos dois mundos', primeiro informante da máfia na Sicília de 1980", que se refugiou no Brasil. Os filmes enfrentarão nomes de peso na disputa pela Palma de Ouro: Pedro Almodóvar ("Dolor y GLoria"), Terrence Malick ("A Hidden Life"), Xavier Dolan ("Matthias e Maximo"), Ken Loach ("Sorry we missed you"), os irmãso belgas Jean-Pierre e luc Dardenne (Le Jeune Ahmed") e Elia Suleiman ("It must be heaven").

Já o novo filme de Karim Aïnouz, “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” foi selecionado para a mostra "Un Certain Regard". Trata-se de uma crônica sobre a condição feminina no Rio de Janeiro dos anos 1950 que acompanha as irmãs Guida e Eurídice. Um dia, com 18 anos, Guida foge de casa com o namorado. Ao retornar grávida, seis meses depois e sozinha, o pai, um português conservador, a expulsa de casa de maneira cruel. Elas, então, são separadas para sempre e passam suas vidas tentando se reencontrar, como se somente juntas fossem capazes de seguir suas vidas.