Museu suíço renuncia a 38 obras roubadas por nazistas ou sob suspeita

Museu suíço renuncia a 38 obras roubadas por nazistas ou sob suspeita

A coleção inclui telas de Renoir, Cézanne, Beckmann, Delacroix e Munch

AFP

O museu decidiu conservar 28 obras que, segundo rastreamento de sua origem, não são provenientes de apropriação nazista

publicidade

O Museu de Arte de Berna, que herdou a impressionante e polêmica coleção de Cornelius Gurlitt em 2014, declarou nesta sexta-feira(10) que vai renunciar a 38 obras roubadas pelos nazistas ou consideradas suspeitas. 

O colecionador germano-austríaco Cornelius Gurlitt, filho de um comerciante que servia ao regime de Hitler, morreu em maio de 2014 e nomeou por testamento o museu suíço como único herdeiro, decisão que "surpreendeu" a instituição cultural. 

Em novembro de 2014, o museu decidiu aceitar a herança, renunciando aos seus direitos de propriedade sobre as obras de arte que podem ter pertencido a judeus saqueados por nazistas, segundo um acordo firmado com a Alemanha. 

Desde então, um grupo passou a avaliar esses obras em um processo do qual participaram especialistas internacionais independentes.

Após vários anos de investigação sobre esta doação, com cerca de 1.600 obras, o museu de arte de Berna anunciou nesta sexta-feira que renunciou a nove "obras roubadas sob o regime nacional-socialista". 

Essas peças foram devolvidas aos seus proprietários pela Alemanha, segundo o Museu de Arte de Berna. 

O museu se recusa a “assumir a posse de obras de origem incerta, que contenham indícios e/ou circunstâncias suspeitas, ainda que faltem provas de apropriação pelos nazistas”, indica a decisão que afeta 29 peças. 

Dessas 29 obras, cinco telas já foram devolvidas à Alemanha, duas estão sujeitas a pedido de restituição e 22 permanecem no museu para uma investigação mais aprofundada de sua trajetória. 

O museu decidiu conservar 28 obras que, segundo rastreamento de sua origem, não são provenientes de apropriação nazista, além de outras 246 obras criadas por membros da família Gurlitt.

O museu também preservará cerca de 1.100 obras de origem incerta, mas para as quais "não há evidências de saques pelos nazistas ou de circunstâncias suspeitas". 

Por fim, o museu indica que cerca de 270 obras foram excluídas da investigação “por se tratarem de obras de portfólios desmembrados e outras peças realizadas em série”. 

Foi só em 2012 que o acervo de Cornelius Gurlitt, que morreu aos 81 anos, foi descoberto durante fiscalizações alfandegárias em suas residências em Munique (sul da Alemanha) e em Salzburg, na Áustria. 

A coleção inclui telas de Renoir, Cézanne, Beckmann, Delacroix e Munch.


Mais Lidas

Guia de Programação: a grade dos canais da TV aberta desta sexta-feira, dia 12 de julho de 2024

As informações são repassadas pelas emissoras de televisão e podem sofrer alteração sem aviso prévio

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895