Política e meio ambiente são temas de peças que entram em cartaz em Porto Alegre
capa

Política e meio ambiente são temas de peças que entram em cartaz em Porto Alegre

Em "Khopeelya", o Ballet da Ufrgs confronta o conservadorismo e o revolucionário

Por
Correio do Povo

Ballet da Ufrgs fará apresentação neste sábado e tratá como tema a luta contra o conservadorismo no Brasil

publicidade

Política e meio ambiente entram em cena em Porto Alegre a partir desta sexta-feira. Entre montanhas de lixo e planetas exóticos, o Efêmeros Teatro de Grupo fala de ecologia, em “A Criança do Futuro”, dirigida por Juliano Rabello. A estreia ocorre hoje, às 19h, no Teatro de Arena (altos do viaduto da Borges de Medeiros), onde fica neste sábado e domingo, às 15h. 

Bia, uma inventiva menina, recebe a inesperada visita de Augustus, um ser do futuro que vem lhe pedir ajuda para salvar a Terra, destruída pela ação humana. Em meio a aventuras no tempo e espaço, eles descobrem que o meio ambiente está além das plantas, da água e dos animais. São as pessoas que o fazem e que, longe ou perto, sempre inspiram e educam alguém. 

Já o Ballet da Ufrgs apresenta “Khopeelya”, com direção coreográfica, roteiro e ambientação de Rui Moreira, e apresentação única e gratuita hoje, às 20h30min, no Salão de Atos da Ufrgs (Paulo Gama, 110). Inspirado livremente no libreto do balé “Coppélia”, mescla ballet clássico e dança contemporânea. Dez bailarinos situam os personagens em um contexto que confronta o conservadorismo e o revolucionário. De forma poética, traz questões que o atual momento social-político brasileiro discute.

Visita ao passado

No Instituto Ling (João Caetano, 440), sextas, às 14h e sábados, 16h, até o dia 26, a Cia Teatro Lumbra estreia “Criaturas da Literatura”. Usando retroprojeções, sombras, efeitos de luz, telas, filtros de cor e objetos lúdicos, faz releituras de cenas icônicas das clássicas: “Dom Quixote”, “Moby Dick”, “Alice no País das Maravilhas”, “As Aventuras de Pinóquio”, “Drácula” e “O Pequeno Príncipe”.

A Cia. Rústica, por sua vez, leva “Boca no Mundo” à Sala Álvaro Moreyra (Erico Verissimo, 307), de hoje a domingo, 20h, o solo do ator Carlos Mödinger, que se inspira em histórias de vida e da arte para compor a dramaturgia apresentada em cena. Do menino que amava os livros ao adulto que revisita memórias de família e pesquisa a história do Brasil, surge o personagem que dialoga com a plateia, olho no olho. Memória e biografia se fundem na abordagem que mescla temas pessoais, sociais e políticos também.