Preconceito é tema de espetáculos pelo Porto Verão Alegre

Preconceito é tema de espetáculos pelo Porto Verão Alegre

“Sobrevida” fala do drama vivido pelos portadores do HIV e “Velha D+”, da passagem da idade para as mulheres e a cobrança social

Correio do Povo

Lincoln Camargo e Xandre Martinelli em cena de “Sobrevida”

publicidade

Após cumprir residência artística no Centro Cultural da Diversidade e se apresentar no 29º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade (SP), a peça gaúcha “Sobrevida” estreia no Teatro Bruno Kiefer (Andradas, 736),  de hoje a domingo,  às 20h, pelo Porto Verão Alegre. Escrito e dirigido por Jaques Machado, o texto transforma em dramaturgia situações reais no enfrentamento ao HIV.

“São 10 anos convivendo com o vírus e só agora consegui falar abertamente sobre o assunto. Escolhi fazer isso através do teatro para que o assunto possa chegar a mais pessoas de uma forma mais direta e descontraída. Falar sobre o HIV ajuda a combater o preconceito e pode salvar a vida de muita gente que, por medo, não se previne, não se testa e quando descobre a sorologia ignora o tratamento e acaba morrendo”, destaca Jaques. A peça retrata a vida de um ator, que ao revelar seu diagnóstico positivo para HIV, conduz a plateia por um passeio através de suas memórias e medos. Nesse trajeto, revive o conflito de compartilhar sua situação de risco com amigos, família e paixões. Os atores Lincoln Camargo e Xandre Martinelli vivem a mesma personagem em diferentes momentos de vida e ainda pessoas importantes na história. 

No Instituto Ling (João Caetano, 440), Fernanda “Fera” Carvalho Leite apresenta  “Velha D+”, às 20h desta sexta e sábado. A peça trata de questões da mulher relacionadas ao preconceito de idade, da escolha de não ser mãe e tantas outras pressões enfrentadas em uma sociedade machista e etarista. Ella tem 43 anos e em casa, ao achar uma carta escrita pela avó,  mergulha em seu passado, na história da sua família e ali reexamina tudo: a passagem do tempo,  o julgamento social sofrido pelas mulheres, o amor pelo circo e o teatro.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895