TAG cria projeto para divulgar pequenas livrarias durante a pandemia

TAG cria projeto para divulgar pequenas livrarias durante a pandemia

Projeto procura ajudar na divulgação virtual e na criação de uma plataforma colaborativa

Camila Souza *

Livraria divulgada no projeto, a Banca Tatuí, no centro de São Paulo, precisou se reinventar para a venda on-line

publicidade

Portas fechadas, sentimento de incerteza, ruas vazias e comerciantes preocupados. Esse é o cenário visto no mundo nos últimos meses devido à pandemia do novo coronavírus. Em um momento tão difícil, é necessário encontrar soluções para manter os negócios funcionando, o que, para as pequenas livrarias, pode ser um desafio. Pensando nisso, a TAG, um dos maiores clubes de assinatura de livros do Brasil, lançou um projeto chamado “#PequenasGrandesLivrarias”.

A ideia é divulgar 30 livrarias independentes de todo o país que se adaptaram ao formato de venda on-line para conseguir manter sua estrutura física. A divulgação será feita durante 30 dias no Instagram do clube, que conta com um público de mais de meio milhão de seguidores. Também integra o projeto uma lista colaborativa criada em uma plataforma on-line, na qual os leitores podem incluir outras indicações de livrarias.

A campanha foi lançada no Dia Mundial do Livro, 23 de abril. A analista de conteúdo da TAG, Luise Spieweck, explica que a ideia surgiu de uma preocupação com a situação do mercado editorial durante a pandemia. “Para nós, apoiar as livrarias significa também apoiar, indiretamente, os editores. A gente valoriza bastante esses agentes do mercado do livro, que são fundamentais para a TAG e para a leitura. Então, com esse projeto queremos ajudar um pouco da forma que a gente consegue.” A escolha das livrarias que serão divulgadas no Instagram é feita com base na lista colaborativa, dando espaço para diversas regiões do país.

A Livraria Taverna, localizada no centro de Porto Alegre, foi uma das participantes do projeto da TAG. André Günther, um dos responsáveis, conta que a Taverna começou no ambiente virtual, mas depois de inaugurar a loja física, as vendas on-line ficaram em segundo plano. “Parece que voltamos para o começo, precisamos olhar para o ambiente virtual como uma prioridade.” Para a equipe da livraria, o que mais faz falta é o contato com os leitores. “O site tem nos ajudado bastante, mas não é o mesmo que estar com a livraria aberta. Sentimos falta da relação com as pessoas, porque no nosso trabalho tem muita troca e conversa”, explica André. Ele enfatiza a importância de projetos de apoio. “As pessoas poderiam estar comprando de grandes monopólios e as livrarias independentes poderiam ser esquecidas nesse momento. Estamos surpresos com a quantidade de leitores que nos procuram e a gente sabe que isso vem de estímulo de ações como as da TAG.”

Outra livraria divulgada no projeto é a Banca Tatuí, localizada no centro de São Paulo. Apesar de já trabalhar no ambiente virtual, a equipe precisou se reinventar e desenvolver estratégias para a venda on-line. “Lançamos a campanha ‘Tatuí em Casa’, oferecemos descontos, fizemos entregas grátis para as vendas de abril e um sorteio de três kits de editoras. Foram pequenas ações para manter a loja virtual ativa”, explica Cecilia Arbolave, responsável pela banca. Ela destaca que neste momento é importante que os agentes do mercado literário estejam unidos. “Temos que pensar que estamos todos juntos, editores, livreiros e autores. Quanto mais ações tiverem para a gente se ajudar, é melhor. Temos muito apoio de pessoas que estão nos divulgando, comprando livros para contribuir e isso é muito bonito, é uma rede que vai se formando”, explica Cecilia.

Os livros, mais do que nunca, se mostram essenciais. É tempo de se refugiar nas suas histórias e contribuir com as pequenas livrarias que lutam para sobreviver a esse período difícil. Para conhecer e divulgar outras livrarias independentes, basta acessar a lista colaborativa criada pela TAG em parceria com a Editora Todavia.

* Sob a supervisão do editor Luiz Gonzaga Lopes


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895