A avicultura na guerra contra a PSA

A avicultura na guerra contra a PSA

Por Ricardo Santin*

Correio do Povo

publicidade

Algumas sinergias são notáveis no agro. A avicultura e a suinocultura do Brasil são expoentes neste contexto. As duas têm custos pautados pelo milho e a soja – e vivenciam custos sem precedentes. A China lidera as importações de carne de frango e de carne suína brasileiras. E a região Sul concentra a maior parcela destas cadeias produtivas.

Hoje, é consenso que, entre tantos diferenciais dos nossos produtores no mercado internacional, está o status sanitário. Para a avicultura, ser livre de Influenza Aviária — único país entre os grandes produtores a nunca registrar a enfermidade — permitiu que assumíssemos a dianteira do comércio global de frango – onde estamos até hoje.

Nesta mesma trilha está a carne suína. Livre de Peste Suína Africana (PSA) e de outras enfermidades, a suinocultura do Brasil ganhou espaço internacional e hoje está em 93 nações. Mais de 1 milhão de toneladas anualmente são exportadas. Nosso status sanitário fez nossas exportações quase dobrarem, em um mundo que vive grave crise sanitária.

A PSA não apresenta risco aos humanos, mas pode gerar perdas incalculáveis para a cadeia produtiva. Exatamente por isso, a suinocultura brasileira e do bloco das Américas entrou em estado de atenção quando a doença atingiu a República Dominicana, com mais de 90% da produção comprometida. Não demorou e o vizinho Haiti também foi atingido. De imediato, a ABPA iniciou forte mobilização. Uma grande campanha tomou o setor, reforçando a necessidade de blindar as granjas de suínos. Nosso mercado consumidor e as exportações seriam severamente impactados por uma ocorrência sanitária, com consequências severas em um momento com custos de produção elevados. Bilhões de dólares em prejuízos poderiam atingir tanto para produtores de suínos, como de aves.

Por isso, é fundamental que todos neste setor estejam conscientes. Evite visitas externas ao setor nas granjas. Oriente para não trazer alimentos à base de suínos do exterior. Unidos, produtores de aves e de suínos apoiarão o país a cuidar de nosso status sanitário, preservando nossa posição como grande fornecedor de alimentos para o mundo.

*Presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA)


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895