capa

Quando fazíamos tudo

publicidade

Somos de uma geração que viveu uma passagem, saiu de um ciclo e entrou em outro, assim, muito rapidamente. Esteve nos dois mundos. Nossos pais faziam tudo, inventavam, criavam, produziam porque era necessário. Não havia supermercado na esquina. Nossos filhos compram tudo pronto, pegam nas gavetas produtos industrializados. Está tudo lá, pronto para comer, na geladeira. Nossos avós, plantavam o que comiam, amansavam cavalos, bois de canga, construíam seus ranchos com leivas, taquara e capim santa-fé.  Foi meu colega João Luis Xavier que me alertou sobre isso, dia desses. "Mas isso era no tempo em que se fazia dobradiça de couro e muito pai recusava genro só por este ter a mão lisa", brincou o João, que, como eu, nasceu nas barrancas do rio Ibicuí. Porque isso significava que o índio não era trabalhador, não era confiável.

Era uma época com outros valores, muito mais simples,  bem menos elaborados que os de hoje. Atualmente, qualquer um de nós que vive na cidade não iria mais arrumar casamento, pois só lidamos com computador. E esses, como se sabe,  não fazem calos nem na ponta dos dedos. Meu avô era um conhecido marceneiro lá pra os lados de Cacequi. Especialista em roda de carreta, dizem que também fazia excelentes carroças e carroções. Além de cabeceiras de cama, mesas torneadas e outras artes em madeira. Seu Orcy, nosso vizinho na Vila Rica, era um descendente de italianos colorado e engenhoso. Fabricava chinelas de borracha aproveitando velhos pneus,  fazia seu próprio vinho, tinha uma linda horta onde produzia todo tipo de verdura e legumes, pomar e, um dia, sem mais nem menos, apareceu andando numa bicicleta de ferro que ele mesmo projetou e construiu. Eu o admirava muito, primeiro por ser pai do Clécio, meu melhor amigo de infância, e, segundo, por engendrar tantas coisas.

Minha mãe era uma doceira de mão cheia, Sabia fazer pão e ótima comida, mas suas rapadurinhas de leite, geleias, peradas, figadas e goiabadas. só ela fazia daquele jeito. Gostava de começar cedo, com calma, desde o preparo das frutas, descascando com jeito e deixando as cascas sobre o vestido, com um pote ao lado. Depois cozinhava, moía a massa, colocava o açúcar, outras iguarias que eram segredo seu, e depois fervia até o ponto certo no velho tacho de bronze, que ganhou de sua mãe e que trouxera  lá da Serra das Encantadas, onde nasceu e se criou. Das sacas de farinha de trigo, ela fazia roupa de cama e até algumas peças de roupa. Lavava bem o tecido, cortava e costurava numa pequena máquina de costura manual durante as noites quentes de verão.

Guardo ainda até hoje uma admiração por essas pessoas que faziam o que precisavam. Eram autossustentáveis, ecológicos e modernos, embora alguns os chamem de antigos. Na verdade, estavam a frente de seu tempo, Mas a geração que os sucedeu não teve nem conservou essa visão. Ficamos preguiçosos, arrogantes e quase inúteis. Muitas vezes, os "velhos" são motivos de chacotas ou no máximo chamados de estranhos. Minha literatura tem um pouco desses inventivos por natureza, pois "o sapo não pula por boniteza, mas, sim, por precisão".

compartilhe