Dersu Uzala

Dersu Uzala

Longa mostra a amizade improvável de um militar e um caçador na Sibéria

Chico Izidro

Filme “Dersu Uzala” é baseado no diário de viagem do explorador e topógrafo do exército tzarista russo Vladimir Arsemiv

publicidade

Filme do mestre japonês Akira Kurosawa, “Dersu Uzala” (1975) é o único do cineasta filmado fora do Japão, e se passa na Sibéria, todo ele falado em Russo. O roteiro, do soviético Yuri Nagibin, é baseado no diário de viagem do explorador e topógrafo do exército tzarista russo Vladimir Arsemiv.

A obra mostra a improvável amizade do capitão Vladmir Arseniev, homem culto e civilizador, e do nativo Nainai Dersu Uzala, um caçador das estepes siberianas, que detém o conhecimento da vida na natureza, empregando-o não para subjugá-la, mas para sobreviver junto a ela, numa harmonia homem-natureza.

Os dois se cruzam em uma noite quando Dersu Uzala (Maxim Munzuk, 1912-1999) aparece no acampamento do exército russo comandado por Arseniev (Yury Mefodievich Solomin), e que percorre a Sibéria em missão cartográfica.

Os soldados da companhia encaram o caçador como um tipo maluco, mas Arseniev cria empatia com ele e convida-o para ser o seu guia, já que Dersu estava familiarizado com a região. É assim que se cria a ligação entre os dois homens, uma incrível amizade que ultrapassará vários anos – a trama se inicia em 1902 e vai até o final desta década.

Dersu é um solitário, após ter perdido a mulher e os filhos para a varíola. Ele percorre as florestas totalmente integrado a vida selvagem; fala com os animais e, mesmo sendo caçador, só mata os animais que lhe forem estritamente necessários para sobreviver.

Durante o transcorrer do tempo, Arseniev vai se encantando mais e mais com o pequeno homem, que não tem a mínima noção de sua idade. E que lhe salva a vida durante um terrível temporal.

Os dois amigos acabam se separando após o término da missão do russo. Mas irão se reunir cinco anos depois novamente. Mas o tempo foi cruel com Dersi, que não possui mais a destreza e a visão para atirar – atributos imprescindíveis para um caçador. Arseniev então o convida para ir morar na cidade, com sua família, que se encanta com o pequeno homem. Mas Dersu não irá se adaptar, pois como um espírito livre como o dele pode viver cerceado pelas leis e costumes da cidade? Não pode portar armas, nem  praticar tiros, não pode dormir em uma barraca. Acaba vivendo triste, pois não se encontra naquele estilo de vida. Então toma a decisão de retornar a Sibéria e o de morrer em seu habitat.

“Dersu Uzala” é um belo filme, com uma linda história de amizade, fraternidade, igualdade e solidão. E também um tema para reflexão, para pensarmos que podemos viver com pouco, muito pouco. Apaixonante. O filme foi o vencedor do Oscar 1976 de Melhor Filme Estrangeiro, e era uma encomenda de um embaixador russo, que pediu ao japonês Akira Kurosawa que dirigisse um filme russo para os russos, pois, de acordo com o embaixador, naquela época, o país não tinha bons roteiristas nem diretores para a tarefa.

A obra está disponível no Belas Artes à La Carte.

Leia demais posts do blog

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895