Cine África reúne filmes de diretoras em mostra online e gratuita

Cine África reúne filmes de diretoras em mostra online e gratuita

Evento gratuito tem início nesta quinta e apresenta filmes inéditos, entrevistas, curso, entre outras atividades

Lou Cardoso

Filme “Fronteiras” acompanha quatro mulheres que fazem uma perigosa viagem do Senegal à Nigéria

publicidade

A nova edição do Cine África trará filmes de três diretoras na mostra que ocorre de forma online e gratuita no site da plataforma Sesc Digital. São elas: Apolline Traoré, Philippa Ndisi-Hermann e Hermon Hailay. No total, são 10 longas-metragens e dois programas de curtas - legendados em português - que farão parte da programação que contará com produções de Burkina Faso, Camarões, Egito, Etiópia, Nigéria, Quênia, Senegal e Sudão, entre outras atividades.

Todas as quintas, a partir do dia 10 de setembro, a mostra estreia um filme novo, que ficará disponível por uma semana na plataforma, acompanhado de uma entrevista exclusiva com seu diretor ou diretora. 

Segundo a curadora da mostra, Ana Camila Esteves, o recorte curatorial atende à demanda por filmes recentes produzidos na África e sua diáspora nos últimos cinco anos: “A curadoria para este formato online privilegia filmes africanos contemporâneos que já tiveram suas trajetórias em festivais internacionais encerradas, mas que permanecem relevantes e, em sua maioria, não exibidos no Brasil”.

Ela destaca também os programas de curtas exclusivos “Beyond Nollywood”, com curadoria da produtora Nadia Denton, que foca em narrativas da Nigéria atual, e “Quartiers Lointains”, com curadoria da jornalista franco-burquinense Claire Diao e o tema Afrofuturismo. 

Filmes das diretoras

O filme de abertura é o drama “Fronteiras” (2017), da diretora Apolline Traoré. Produção de Burkina Faso, acompanha quatro mulheres que fazem uma perigosa viagem do Senegal à Nigéria. 

A mostra ainda terá "Lua Nova", documentário da diretora queniana Philippa Ndisi-Herrmann, onde ela embarca em uma espontânea jornada para entender os caminhos da sua própria fé. Neste filme, acompanhamos a cineasta na descoberta de uma nova espiritualidade e no confronto às contradições e complexidades da religião que escolheu para si. 

Já em “O Preço do Amor”, de Hermon Hailay, um jovem taxista de Addis Ababa, da Etiópia, vive uma história de amor com uma prostituta, confronta com seu passado e descobre o preço do amor.

Curso

Com duração de três meses, a atividade oferece um panorama sobre os cinemas africanos. As inscrições são gratuitas e podem ser acessadas neste link, a partir do dia 10 de setembro e são oferecidas 35 vagas.  

Debate 

No dia 2 de outubro, ocorre o Cinema de Vela trazendo o tema Cinemas africanos em contextos digitais para debate com os participantes Ana Camila Esteves (Brasil), Marina Gonzaga (Brasil/França) e Jorge Cohen (Angola), no canal do Cinesesc no YouTube. 

Confira a programação completa

Setembro

10/09: “Fronteiras”, de Apolline Traoré (Burkina Faso, 2017)
17/09: “O Enredo de Aristóteles”, de Jean-Pierre Bekolo (Camarões, 1996) 
24/09: “aKasha”, de hajooj kuka (Sudão, 2019) 

Outubro

01/10: “Lua Nova”, de Philippa Ndisi-Hermann (Quênia, 2019) 
08/10: “O Fantasma e a Casa da Verdade”, de Akin Omotoso (Nigéria, 2019) 
15/10: “Rosas Venenosas”, de Fawzi Saleh (Egito, 2018) 
22/10: “Madame Brouette”, de Moussa Sene Absa (Senegal, 2002) 
29/10: “Beyond Nollywood - Sofrendo e Sorrindo” (Nigéria) - Programa de curtas 

Novembro

05/11: “Nada de errado”, de vários diretores (Suíça, 2019) 
12/11: “O Preço do Amor”, de Hermon Hailay (Etiópia, 2015) 
19/11: “Quartiers Lointains - Afrofuturismo” - Programa de curtas
26/11: “Supa Modo”, de Likarion Wainaina (Quênia, 2018) 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895