Que os Defensores não nos decepcionem
capa

Que os Defensores não nos decepcionem

Por

publicidade

Uma das principais apostas da Netflix para este ano estreia nesta sexta-feira, depois de uma divulgação gigante nas redes sociais que impossibilita não criar expectativas. Com oito episódios, a primeira temporada de “Os Defensores” vai mostrar a reunião de um quarteto de heróis “lado B” da Marvel: Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro. Todos já foram devidamente apresentados em suas séries solo (Demolidor já tem duas temporadas exibidas, inclusive) e agora vão formar um supergrupo, não tão badalado quanto os Vingadores mas que também se propõe a abalar Nova Iorque para salvar o dia.



No seriado criado por Douglas Petrie e Marco Ramirez, Charlie Cox volta a viver Matt Murdock ou o Demônio de Hell’s Kitchen, Krysten Ritter reencarna a detetive sabe-tudo Jessica Jones, Mike Colter retorna à pele indestrutível do ex-presidiário íntegro Luke Cage e Finn Jones ganha uma nova chance para mostrar a que seu Danny Rand com punho brilhante veio. Cada um dos problemáticos heróis de rua da Marvel, por sinal, terá sua personalidade e seu estilo bem marcado na série, já que a fotografia valorizará a cor e a estética que mais se assemelham com eles. Então, por exemplo, com Luke tudo é mais puxado para o amarelo, característico do herói nos quadrinhos, e com Demolidor, o tom sombrio com vermelho invade a tela.

Mas como eles são e o que fazem sozinhos a gente (que já viu as outras quatro produções da parceria entre Marvel e Netflix) já sabe. Claro que depois de 65 episódios (somando as cinco temporadas que já foram pro ar) será no mínimo interessante ver uma Jessica sem Killgrave e sempre relutante ao rótulo de heroína, um Matt sofredor e tentando deixar a função de Demolidor de lado, um Luke se redescobrindo após passar mais um tempo na prisão e um Danny sendo finalmente o Punho de Ferro depois do desaparecimento de K’un-Lun. Contudo, não dá nem pra disfarçar: o mais urgente agora é descobrir como eles se comportam juntos, o que, apesar de bastante aguardado, não será logo de cara. :(

Não encare isso como um spoiler, já que em uma recente entrevista ao The Wrap, a produtora S.J. Clarkson até justificou que a reunião não ocorre no primeiro episódio para que quem não tenha visto os seriados individuais consiga conhecer melhor os personagens. “Eu espero que pessoas que não viram as outras séries assistam e aproveitem ‘Os Defensores’. Essas pessoas não têm pressa, elas não conhecem os personagens. Então você precisa tempo para reapresentar os personagens e passar um tempo com eles, para entender quem eles são e onde eles estão, para quando o encontro acontecer, a recompensa ser maior porque você teve tempo com eles. Eu quis que as pessoas os conhecessem pela primeira vez, mas também que se sentissem conversando com um velho amigo se já estivessem acostumadas com eles”, explicou.

Ou seja: não espere que o quarteto comece a temporada lutando junto contra o Tentáculo, que mais uma vez será o grande mal a ser combatido, só que dessa vez na figura da vilã Alexandra (Sigourney Weaver). A ideia, pelo que S.J. Clarkson diz, é justamente construir a trama a partir da apresentação dessa figura misteriosa e da contextualização da situação de cada um dos heróis, deixando todo mundo ambientado. A intenção é boa e bastante justa, porém não podemos negar que também traz um certo medo. E o motivo principal é “Punho de Ferro”, o último lançamento da parceria e o mais criticado até aqui (entrou até pra várias listas das piores séries já produzidas Netflix), principalmente por ser um enredo extremamente arrastado - nem vamos citar o problema das cenas de lutas, etc.



O medo é real, mas ainda não sabemos detalhes sobre como será a ação, na prática. E é daí que esperamos que parta a evolução da série e toda e qualquer comparação fique para trás. Se é fato que vamos ter que esperar todo um desenrolar pra ver os heróis juntos, também é fato que não queremos repetir a experiência de “Punho de Ferro”. Portanto, fica a torcida para que “Os Defensores” cresça ao longo dos oito episódios e nos lembre mais “Demolidor” (a mais elogiada) e “Jessica Jones” - e, se não for pedir demais, que se inspire na trilha sonora de “Luke Cage”. De “Punho de Ferro”, que venha apenas a “redenção” do personagem de Finn Jones.

E isso tem bastante chance de acontecer quando consideramos que Danny e Matt já tiveram contato com o Tentáculo e tem motivações pessoais para encarar o grupo novamente. A construção dessas tretas que eles passaram tem tudo para ser interessante, especialmente porque ocorre com a inserção de outros personagens que retornam. Além dos heróis, teremos novamente nomes como Foggy Nelson (Elden Henson), Karen Page (Deborah Ann Woll), Claire Temple (Rosario Dawson), Trish Walker (Rachael Taylor), Jeri Hogarth (Carrie-Anne Moss) e Elodie Yung, a Elektra Natchios (SIM, ELA!).



O que mais se sabe até o momento? Vai ter romance continuando, vai ter muita luta, vão ter tensão nível hard, vai ter mais conflitos pessoais e também vai ter bastante piadinhas... O cenário é Nova Iorque, onde a temporada foi gravada, majoritariamente nas ruas. Pela cronologia, a trama se passa logo após os acontecimentos de "Punho de Ferro", servindo de sequência também para o segundo ano de "Demolidor".

É... Tem o que render! Principalmente porque Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro não são heróis convencionais, o que por si só já chama a atenção. Colocá-los para lutar lado a lado sendo que eles são tão diferentes e tão acostumados a tentar resolver tudo sozinhos traz ainda mais curiosidade, independentemente de como seja a história. E é isso que boa parte da crítica internacional que já assistiu aos quatro primeiros episódios garante: é a evolução dos quatro em cena que prende o espectador e o leva imediatamente ao próximo capítulo. Veremos, a partir de sexta. E como o título já diz: não nos decepcione (novamente), Netflix! ;)