Íris Neto: "Ser a Rainha do Carnaval de Porto Alegre tem um significado muito especial"
capa

Íris Neto: "Ser a Rainha do Carnaval de Porto Alegre tem um significado muito especial"

Bageense estará presente no Carnaval do Porto Seco neste final de semana

Por
Luciamem Winck

Jornalista Íris Neto é a rainha do Carnaval de Porto Alegre deste ano


publicidade

Aos 33 anos, a jornalista Íris Neto conseguiu, em 2020, realizar um sonho: ser rainha do Carnaval de Porto Alegre. E experiência não falta. Em Pelotas, ela já foi madrinha de bateria da escola de samba Unidos do Fragata, rainha de bateria da Banda Meta e rainha do Carnaval. Já na Capital também foi rainha da atual campeã do Grupo Ouro, Imperadores do Samba, e da Academia de Samba Praiana.

Natural de Bagé, mudou para Pelotas em 2008 para cursar Comunicação Social - Jornalismo na Universidade Católica de Pelotas, onde formou-se em 2012. O diploma foi o passaporte para tentar a sorte em Porto Alegre. "Moro sozinha desde 2009. Sempre trabalhei e estudei ao mesmo tempo, e dei aula de dança para complementar renda. Tenho familiares e amigos leais que moram aqui e me dão todo apoio", comentou.

A dança sempre esteve presente na vida de Íris. Fez Ballet clássico dos 3 aos 17 anos. Depois, jazz, contemporâneo e danças urbanas até os 26 anos. E nessa mesma época, danças folclóricas brasileiras entraram para o currículo. Extrovertida, não hesitou ao responder sobre o estado civil: "A rainha está sem rei no momento".

Correio do Povo - O que significa para você fazer parte da Corte do Carnaval de Porto Alegre?
Íris Neto - Gratificante. Ser a Rainha do Carnaval de Porto Alegre tem um significado muito especial, pois é a representatividade de uma cultura popular rica em tradição, história, alegria e principalmente feita por pessoas completamente apaixonadas. Somos porta-vozes dessa festa incrível e, por isso, temos a missão de mostrar a todos o quanto o nosso Carnaval é encantador.

CP - Por que você se candidatou para o concurso de rainha do Carnaval? Era um sonho de criança?
Íris - Sempre fui envolvida com dança, participei de concursos e festivais. O samba para mim é uma expressão artística especial. Concorri porque adoro estar em cena, seja no palco, na passarela ou até mesmo na rua, pois através da minha dança transmito o melhor de mim. Sambo desde criança, mas os concursos de Corte de Carnaval entraram na minha vida mais tarde.

CP - O que foi mais difícil no dia do concurso? Enfrentar os jurados, as torcidas, sambar ou responder as perguntas?
Íris - O mais difícil é manter o equilíbrio emocional para enfrentar todos os obstáculos e manter uma participação linear: sambar bem, encantar os jurados e responder as perguntas de acordo com o que estudei. Cada uma das fases tem suas dificuldades, mas graças a Deus consegui fazer um bom trabalho.

CP - Você recebeu apoio das pessoas próximas para participar da Corte?
Íris - Família e amigos íntimos foram essenciais nessa caminhada, pois sempre me apoiaram artisticamente. Contar com a energia positiva das pessoas foi muito importante.
 
CP - Já fez parte da Corte do Carnaval em outros anos?
Íris - Tive o prazer de ser Rainha do Carnaval de Pelotas em 2014, meu primeiro título.

CP - O que você espera desta Carnaval?
Íris - A expectativa de um ótimo Carnaval é muito positiva. Ano passado foi o Carnaval da Resistência. Neste ano será o Carnaval da Reestruturação. Temos duas noites de desfiles com as escolas dos grupos Bronze, Prata e Ouro. Com certeza serão repletos de momentos especiais na avenida.

CP - Já consegue imaginar como será desfilar no Complexo Cultural Porto Seco e acolher todas as agremiações?
Íris - Quando a sirene tocar, meu coração vai disparar com toda a certeza. Não vejo a hora de olhar a passarela e agradecer por ser anfitriã dessa festa. Confesso que sonho acordada pensando nos abre-alas das escolas. Quero sentir a energia dos foliões cantando os sambas, dançando e se divertindo.

CP - Já participou de algo parecido?
Íris - Sim, em Pelotas. Mas cada Carnaval tem a sua peculiaridade. Tenho certeza de que será incrível, como se fosse a primeira vez.
 
CP - Qual é a característica que não pode faltar em uma rainha?
Íris - Envolvimento e respeito à cultura carnavalesca em suas diversas manifestações. Além do samba no pé, creio que seja primordial ter postura, dedicação e amor pelo que faz. Saber o porquê de estar ocupando este cargo, se apropriar dele com carinho, pois lidamos com pessoas que exigem nossa melhor versão. Trata-se de um cargo popular e estamos sempre em evidência, servindo como referência para muitas pessoas.
 
CP - Você se preocupa com a opinião dos outros?
Íris - Nós estamos sempre em contato com o público que, por sua vez, tem as suas opiniões sobre tudo o que envolve o Carnaval, uma cultura feita pelo povo e para o povo. Naturalmente, ouvimos opiniões de diversas perspectivas. Elogios sempre são bem-vindos por serem o feedback positivo, mas nada é perfeito. De minha parte, preocupação não seria a palavra, mas acredito ser necessário levar em consideração as críticas construtivas para poder fazer um bom trabalho.

CP - Como você se preparou fisicamente para o Carnaval?
Íris - Na verdade minha preparação foi para além da física, pois temos que estudar sobre a história do Carnaval gaúcho, brasileiro e mundial. O pré-concurso foi composto por palestras com profissionais de diversas áreas, incluindo nutricionistas, professores de dança, maquiadores e historiadores.

Particularmente, além dos ensaios de samba no pé para aprimorar a dança, quando possível toco instrumentos de percussão - caixa, surdo, chocalho e repique - para estudar a musicalidade e afinar o "ouvido musical".  E na parte cultural, histórica e teórica, estudo e faço parte da Confraria da Folia, uma mídia carnavalesca dirigida pelo jornalista e temista Édy Dutra e composta por grandes nomes do Carnaval de Porto Alegre. Fazemos análises de temas e samba-enredo, entrevistamos personalidades do samba, e realizamos transmissões de eventos e desfiles de Carnaval.

CP - De que forma a Academia de Samba Praiana, escola que você representou no concurso, contribui com a tua vida?
Íris - A querida Praiana tem meu carinho e respeito. Essa escola que faz 60 anos de história implementou o formato de desfile que utilizamos até hoje, contribuindo com nosso Carnaval gaúcho. O pavilhão verde e rosa tem uma importância ímpar na minha vida, pois me proporcionou realizar o sonho de ser Rainha do Carnaval de Porto Alegre.


CP - Qual o seu sonho?
Íris - Ver nosso Carnaval, que está se reestruturando, crescer cada vez mais, com os profissionais de diversas áreas (gestão e artística) valorizados.  Que os amantes do Carnaval sintam orgulho do que fazemos, pois tem muito amor envolvido.