O nome da taça? Felipão

O nome da taça? Felipão

A verdade verdadeira é que o brasileiro jamais digeriu Felipão, flor de rusticidade

publicidade

O genial Nelson Rodrigues abre assim uma das suas crônicas:
"Se e perguntassem qual a mais feia impostura da nossa época, eu daria a seguinte e fulminante resposta: — é a cínica promoção que se faz do jovem. 
Não há mais, como no passado, o conflito das gerações. Até os velhinhos nostálgicos, espectrais, da porta da Colombo, adulam a juventude. E, ainda ontem, um rapaz da PUC bate o telefone para mim. Atendo e sou interpelado: — “O senhor é contra o jovem?”. Ao ouvir falar em “o jovem”, respondi, com a mais singela e casta boa-fé: — “Nem conheço”. Realmente, não conheço “o jovem”, como não conheço “o artista”, como não conheço “o judeu”. 
Lendo Tostão, na Folha, me deparo com este texto:
"No fim de semana assisti a várias partidas. O Athletico, com Felipão, e o Inter, com Mano Menezes, dois treinadores que já foram rotulados de ultrapassados, não muito bem no Brasileirão. As Séries A e B mostram que treinador bom não tem nacionalidade nem idade".
Ontem completou 20 anos do pentacampeonato mundial.
Este colunista estava em Yokohama.
O título tem nome e sobrenome: Luiz Felipe Scolari. Alguém dirá que ele comandava um timaço do meio para frente. A Seleção de 86 era ótima e não deu caneco.
Felipão afrontou o país e peitou a CBF ao não levar Romário para aquela Copa.
Escanteou também Djalminha.
Não voltasse campeão e seria expatriado. Voltou com a taça e não cometeu a frase de Zagallo: "Vocês vão ter que me engolir".
A verdade verdadeira é que o brasileiro jamais digeriu Felipão, flor de rusticidade.
Para o torcedor brasileiro, Felipão está ultrapassado desde guri, dos tempos em que, zagueiro, desfilava um futebol ausente de qualquer refinamento no estádio Alcides Santarosa, na minha querida Garibaldi. 
Os títulos deste passo-fundense não caberiam nesta coluna.
O rótulo de ultrapassado vem acompanhado de uma inveja mortal.
 Numa frase feita, diria que estamos diante do treinador veteranos mais moderno do país.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895