A sigla agora é ESG

A sigla agora é ESG

Environmental, Social, Governance

publicidade

      A sigla da moda no planeta atualmente é esta: ESG. Já ouviu falar? Significa Environmental, Social, Governance. Ou, para nós, Ambiental, Social e Governança, o que daria ASG. Mas não vamos brigar por isso. Deveríamos dizer ADN. Não abrimos mão de DNA. Questões linguísticas deixadas de lado, o papo é de sustentabilidade. Empresas politicamente corretas não podem mais dispensar esse tripé. O meu problema com a sigla ESG é que me faz pensar em Escola Superior de Guerra. Matriz do regime militar brasileiro de 1964. Tenho um amigo que quando ouve ESG faz ASG! Sei que não é um grande trocadilho. Nenhum é. A natureza do trocadilho é ser infame. Ou nem ser. Sendo.

      Em tempos duros, rir é melhor do que ansiolítico. Essa era uma boa terapia antes da ditadura do riso na internet. Vídeo que não faça rir não “monetiza” nem “performa”. Entramos na era TikTok da comunicação. Esse negócio de Era já era. Mas, bem pensado, não era. Ainda é. O twitter saltou de 140 caracteres para 280 e permite fios que alongam as postagens. O TikTok é o reduto mais dogmático e purista do curto, leve e engraçado. Nunca o besteirol foi levado tão a sério. Faz sentido. Houve um tempo em que intelectuais sisudos podiam classificar os bens culturais conforme uma régua definida por eles. Acabou. Hoje, só vale para a bolha de cada um. Pode-se gostar de algo. Já não se pode menosprezar o gosto do outro, mesmo que seja indústria cultural em estado bruto. Se fizer, sofre cancelamento imediato. A ESG é blindagem contra rejeição. Tudo é produto e estamos conversados.

      Se, como alguém importante disse, cujo nome não consigo lembrar, é mais fácil pensar no fim do mundo do que no fim do capitalismo, a EGS veio para ficar. Segundo Aron Belinsky, da Fundação Getúlio Vargas, o lema da ESG é: “bom para os negócios, bom para o planeta e para os indivíduos”. Tem isso? Se tem, a utopia deixa de ser um lugar que não existe. O especialista questiona: será que animais em extinção e pessoas idosas sem poder de consumo entrarão na agenda das empresas? Enquanto a resposta não vem, dá para dizer que algo se move. Resta saber se a EGS terá profundidade ou será apenas mais um TikTok.

      Li também que a Amazon está mais protegida do que a Amazônia no cenário internacional. Madeireiros e garimpeiros desconhecem a ASG. Os militares encarregados de proteger a floresta só lembram da velha ESG. Eu sou a favor de tudo que dá um passo para a frente, mesmo que seja um passinho de inclusão. Socialdemocrata ou social liberal, conforme o ângulo abordado, acredito em empresas responsáveis e de olho no futuro. Não se pode matar a galinha dos ovos e dividendos. Duvido um pouco de siglas que chegam aos trending topics do imaginário dos negócios. Sobem e descem com rapidez de certas ações na bolsa. A ESG, no dizer de Gilles Lipovestsky, é a mais nova fase da economia com responsabilidade social. Só não se pode se contentar em ser uma fachada de marketing. Precisamos de mais ASG e de menos ESG. Já é.

 

 

 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895