Dia de ficar livre de Trump

Dia de ficar livre de Trump

Biden assume para alívio do mundo

publicidade

      Acabou! Donald Trump sai de cena hoje.

Nunca um presidente dos Estados Unidos, desde a invenção da televisão, foi tão ruim. Possivelmente seja o pior da história. Ficam os filhotes de Trump. Morta a serpente restam os seus ovos. Trump encarna o pior da humanidade: ressentimento, racismo, xenofobia, homofobia, plutocracia, falta de escrúpulos, desonestidade intelectual, visão da política como vale-tudo pelo poder, falta de princípios morais universalizáveis. Por que ele conquistou tantos defensores no mundo? Justamente por ser o que é, como um chefe de gangue que atrai membros para a organização pela sua desfaçatez, por seu carisma maligno, por sua ousadia desconcertante, por sua liderança radicalizada golpe após golpe.

      A filosofia do trumpismo tem a simplicidade das piores ideias: ganhar sempre, em todos os campos, de qualquer modo, a qualquer custo. Levar vantagem em tudo por bem ou por mal. O neopopulismo trumpista usou a tecnologia de ponta – as redes sociais – para estabelecer um contato primitivo, sem mediações, com o seu “povo”. Está na raiz do fascismo essa ideia de conexão direta com os “esquecidos” do sistema, ainda que o conector, no caso, seja um bilionário nutrido no sistema e a favor dele. Durante muito tempo, pessoas com as ideias de Trump sentiram vergonha de expô-las ou não encontraram respaldo para disseminá-las. Com Trump no comando da maior potência mundial tudo se tornou permitido. Os ratos tomaram o navio. O ódio virou qualidade.

      Trump pretende voltar. Os Estados Unidos terão quatro anos para restaurar o vigor da democracia e impedir que essa tragédia aconteça. De Joe Biden não se espera qualquer revolução, mas que seja liberal, em economia e política, democrata, no sentido essencial dessa palavra, tolerante e humano. Donald Trump não é humano. Talvez seja pós-humano. O humano tem como principal característica a empatia, algo totalmente estranho à personalidade do homem que hoje deixa o poder pela porta dos fundos. Toda vez que um presidente não repassa por vontade própria o poder ao seu adversário é por ter fracassado sordidamente. A saída de Trump leva oxigênio aos Estados Unidos. Por extensão, ao planeta.

      Choram as viúvas de Trump inconformadas com a perda da referência. O mundo dos autoritários tinha um Norte poderoso. Não tem mais. Biden entrará em campo com a pauta oposta: medidas contra o aquecimento global, proteção ao meio ambiente, valorização da democracia, combate a fake news e destaque a direitos humanos. Parece que uma das características mais impressionantes do novo presidente dos Estados Unidos é o realismo: não vive em realidade paralela, não tem fatos alternativos, não fabrica notícias customizadas e não vê conspirações por todo lado. Se for verdade, está de bom tamanho.

      Como descrever a era Trump? Pesadelo, tragédia, distopia, grave acidente de percurso, surto psicótico coletivo, engavetamento, hecatombe, tempestade? Talvez palavrões facilitassem a hermenêutica. O mundo amanhece melhor. Já não é preciso gritar “fora, Trump”.

*

A Coronavac no Rio Grande do Sul tem nome e sobrenome: infectologista Fabiano Ramos e Hospital da PUCRS. Esses foram os parceiros do Instituto Butantan desde o primeiro dia para pesquisa e testes.


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895