Osmar Terra entre os fatos e a ideologia
capa

Osmar Terra entre os fatos e a ideologia

Ministro recusa pesquisa que contraria sua visão das drogas

publicidade

Há quem defenda atualmente que a Terra é plana. O ministro da Cidadania, o gaúcho Osmar Terra, também adotou uma maneira original de tratar as coisas. Se a realidade não corresponde à sua ideologia, ele manda negar a realidade. Os fatos que se ajeitem. Segundo Terra, há uma epidemia de consumo de drogas no país. A Fiocruz foi contratada para fazer uma pesquisa sobre o tema. Quinhentos profissionais, de 2014 a 2017, ouviram 16 mil pessoas. A conclusão é que, embora a situação seja delicada, não existe a tal epidemia. O ministro não gostou do resultado e proibiu a divulgação dos dados completos do levantamento. Deu ruim.

      Terra foi categórico: “A Fiocruz tem o viés de defender a liberação das drogas. A Fiocruz trabalha há muitos anos para provar que não é problema o consumo de drogas. A Fiocruz tem um papel extraordinário nas pesquisas sobre vacinas, sobre medicamentos, mas infelizmente na área de pesquisa sobre drogas é um grupo totalmente comprometido com a liberação, que quer mostrar que não tem epidemia”. Enquanto uma parte do mundo, com os Estados Unidos à frente, busca uma nova maneira de tratar a questão do consumo de drogas, flexibilizando normais legais em relação à maconha ou simplesmente legalizando o seu plantio e consumo, Terra aposta no endurecimento da repressão e até na internação involuntária de dependentes.

      Para o ministro, a metodologia da pesquisa da Fiocruz é a culpada pelo resultado contrário às suas convicções. A Fiocruz rebateu dizendo que seguiu os parâmetros exigidos e fez um levantamento mais amplo. A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) respaldou a Fiocruz. Terra manteve os pés no seu chão: “É óbvio para a população que tem uma epidemia de drogas nas ruas. Eu andei nas ruas de Copacabana, e estavam vazias. Se isso não é uma epidemia de violência que tem a ver com as drogas, eu não entendo mais nada. Temos que nos basear em evidências”. Cientistas encontram evidências pesquisando.

      Mariliz Pereira Jorge, colunista da Folha de S. Paulo, ironizou: “Pela pesquisa, 9,9% dos brasileiros relataram ter usado drogas ilícitas uma vez: 7,7% consumiram maconha, haxixe ou skank, 3,1%, cocaína, 2,8%, solventes e 0,9%, crack. Foi também mapeado o consumo de álcool: 16,5% dos entrevistados cometeram abusos. Talvez tenhamos uma epidemia de bêbados, e não de drogados. Mas isso, pelo visto, não interessa”. O álcool, talvez a maior porta de entrada para o consumo de drogas, parece nunca preocupar.

      A comunidade científica diz que Osmar Terra está enganado. O seu engano tem nome: ideologia. A professora Andrea Gallassi, especialista da Universidade de Brasília, declarou ao jornal O Globo que a pesquisa mostra um pequeno aumento do consumo de álcool e que o governo contesta o resultado por ideologia. O ministro não se dá por achado. Os fatos que se danem. É um mundo novo o que estamos vivendo. No seu twitter, Olavo de Carvalho pontificou: “Não estudei o assunto da terra plana. Só assisti a uns vídeos de experimentos que mostram a planicidade das superfícies aquáticas, e não consegui encontrar, até agora, nada que os refute”.