Quando se pode desobedecer?
capa

Quando se pode desobedecer?

Situações em que é legítimo negar a norma

publicidade

O senador Cristôvão Buarque não se reelegeu.

Ele cometeu um erro básico: pediu votos para a esquerda com ideias de direita.

Agora, recorreu a um argumento inusitado para defender o desrepeito a cláusulas pétreas da Constituição Federal de 1988. Pergunta: o que deveria ter sido feito se a constituição imperial definisse a propriedade de escravos como cláusula pétrea?

O senador Paulino de Sousa considerava a Lei Áurea inconstitucional.

Buarque confunde direito à desobediência de norma ilegítima com direito à rejeição de regra afirmativa criada na plena legitimidade da democracia.

John Locke defendia o direito à resistência contra tiranos: “Se um governo subverte os fins para os quais foi criado e se ofende a lei natural, então pode ser deposto”.

Para ele, nem toda resistência é rebelião.

Rousseau foi mais claro: "Faço contigo uma convenção totalmente em meu proveito, e totalmente em teu prejuízo, a qual hei de observar enquanto quiser, e tudo hás de observar enquanto for de meu agrado”.

A escravidão, mesmo legal, é ilegítima.

Toda norma que a fixe não tem validade moral.

Pode ser desobedecida.

O ativismo jurídico é legítimo em tempos de ilegitimidade, autoritarismo, ditadura, supressão da ideia de liberdade natural inviolável.

Em tempos de democracia plena, o ativismo jurídico não se sustenta. Se a norma não é boa, cabe ao parlamento mudá-la. Esse é o contexto que deve ser interpretado, não a atribuição de sentidos ao texto legal que ele não contempla. Não se pode ser X onde está escrito Y em nome da liberdade ou da necessidade de interpretação. O positivismo foi a norma do século XIX, época de pouca democracia e muita ilegitimidade. O século XX consagrou a interpretação como negação dessa falsificação positivista.

O século XXI só pode confirmar a inviolabilidade da norma escrita, por emanar da vontade negociada dos representantes do povo, contra a subjetividade dos interesses de ocasião e hermenëuticas oportunistas.

A ideia de que não é possível escrever o que se quer, sendo necessário uma interpretação para fazer emergir o verdadeiro sentido, é ilógica.

Por que não se poderia dizer o que se quer cristalinamente?

Se isso é impossível, mais impossível seria capturar um sentido não explicitado. O sentido passaria a ser simplesmente a vontade ocasional da maioria. Nessa ambiguidade total, tudo pode ser o seu contrário.

A ideia de tudo que depende de interpretação é uma "tese".

Pretender que seja consensual e inquestionável coloca-a em contradição.

Se está certa, então está errada.

Pode-se querer uma nova constituição?

Claro.

Como?

A única legitimidade plena só pode ser por meio de um plebiscito para que o povo diga se quer ou não uma nova carta.

A direita negava ouvir o povo para dar novos mandatos a presidentes.

Queria o cumprimento da norma escrita.

A esquerda contestava. Agora, está do outro lado.

O erro de Evo Morales foi consultar o povo e não segui-lo.

O erro de Cristóvão Buarque consiste em confundir legalidade com legitimidade, cláusula pétrea civilizacional com norma legal ilegítima.