Sistema de hierarquia social

Sistema de hierarquia social

Racismo e desigualdade no Brasil

publicidade

No Rio Grande do Norte, um jovem negro foi amarrado e surrado por um comerciante. “Todos os cidadãos são iguais a seus olhos e igualmente admissíveis a todas as dignidades, lugares e empregos públicos segundo a sua capacidade e sem outra distinção que não seja a das suas virtudes e dos seus talentos”, diz a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789. É o grande produto igualitário do iluminismo. Vale o mérito. Na prática, em grande parte do tempo e dos lugares, as distinções de cor da pele, de sexo e de origem social continuaram a prevalecer, fazendo da bela ideia iluminista mera adesão a um universalismo abstrato. A reação atual contra essa utopia pode ser chamada de explicitação dos critérios de seleção. Se o ideal não funciona, vamos jogar com regras na mesa.
O regime do mérito deveria levar a mais igualdade. Na prática, num país como o Brasil, funciona como um mecanismo de reprodução das desigualdades. Dinheiro chama dinheiro e posição chama posição. Não há igualdade de oportunidades. Filho de peixe tem mais chances de ser tubarão. Nesse regime de competição uns largam muito na frente e tendem a chegar na frente: estudam em escolas melhores, beneficiam-se de condições melhores permanentes de formação para absorção do que será cobrado como critério de distinção e praticam todo dia o que devem devolver nos rituais de confirmação. Há desvios e falhas. Mas, no geral, não tem erro. É um campeonato de pontos corridos no qual o mais regular, por ter os melhores jogadores e mais dinheiro, tende a ganhar.
Podemos ainda sonhar com um mundo em que ninguém será escolhido para alguma coisa a não ser pelos seus méritos? Se for para falar da poesia de Baudelaire, por exemplo, a preferência será para os que nela se especializaram? Ou isso será sempre uma ilusão? E o que fazer de quem não tiver mérito algum? É possível? Ou a competição deve ser sempre o elemento mais importante de tudo? O mérito é um mérito ou uma sorte da loteria natural? Neymar tem mérito por ser bom ou foi brindado pela natureza? O importante é de onde vem o mérito ou o benefício que ele possa trazer à sociedade? Recompensa-se o mérito ou esse benefício para todos? Martin Luther King queria que seus filhos vivessem em uma nação onde não fossem “julgados pela cor de sua pele, mas pelo seu caráter”.
Esse tipo de argumento acaba por se transformar em armadilha? Se um dia foi argumento contra o antigo regime parasitário e aristocrático, depois se tornou base do pensamento conservador para defender seus privilégios de classe sob a aparência de recompensa pelo maior esforço. Moral da história: quase sempre há uma inversão escondida atrás de cada coisa. Uma ideia revolucionária pode virar um trunfo reacionário. O universal igualitário carrega no ventre o particularismo hierárquico. Quem diria que o iluminismo seria o derradeiro bastião, nessa leitura e nesse quesito, de um modelo de separação social favorável ao velho e carcomido regime das aparências que já não enganam a maioria? A barbárie tem vários nomes: racismo, desigualdade, violência cotidiana. Eu tenho um sonho: o dia em que, de fato, tudo isso ficará para trás e mérito não será mais apenas um bónus de classe distribuído em proveito próprio.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895