Tabacaria, um sinal de alerta
capa

Tabacaria, um sinal de alerta

Filme mostra a ascensão do nazismo na banalidade do cotidiano

publicidade

      O filme a ser visto no momento se chama “Tabacaria”, dirigido por Nikolaus Leytner. Tem os ingredientes necessários para pegar o espectador. É uma narrativa. Conta uma história. Mais de uma. Em primeiro plano, a amizade entre Sigmund Freud e um jovem de 17 anos, aprendiz numa loja de charutos, de jornais e de revistas para adultos. Em pano de fundo, a ascensão do nazismo. Nas entrelinhas, a tese da “banalidade do mal”, consagrada por Hannah Arendt. O horror cresce sem que aparentemente ele possa se tornar algo definitivo. É o vizinho que denuncia. Pouco a pouco, o “amor” cívico multiplica os delatores.

      Em pouco tempo, a atmosfera torna-se sufocante. O filme mistura a psicanálise emergente com o nazismo ascendente. Entre sonho e realidade, ficção e história, sobressai o possível: nada nos salva definitivamente do salto no escuro. Se o jovem Franz sofre por amor, Freud, no crepúsculo da libido, goza com os charutos que fuma. Nesse mundo de envelhecimento e aprendizagem, entre duas grandes guerras, germina o ovo da serpente. A democracia foi usada como trampolim. Muita gente vê possíveis paralelos com o mundo atual de ascensão da extrema direita em muitos países. Quando o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, manda “mirar na cabecinha” dos bandidos, não necessariamente em situação de confronto, continuamos no Estado de Direito? Quando uma menina de oito anos é assassinada por um representante do Estado, num disparo absurdo, ainda é a normalidade?

      Quando uma vereadora negra e lésbica, militante de esquerda, que denunciava a violência policial, sofre um atentado e autoridades empenham-se em impedir o esclarecimento do caso, onde estamos? “Tabacaria” fala de amor e amizade no exato momento em que o ódio deslancha. Freud é apresentado como o doutor que “conserta a mente das pessoas”. Há “conserto” para a mentes das pessoas tomadas pela vontade de oprimir, de classificar, de rotular, de catalogar e de hierarquizar por classe, cor, ideologia, gênero, poder aquisitivo ou moralidade?

      Não é o caso de discutir sobre a crença ingênua na cura ou no “conserto das mentes”, mas de perguntar: estamos num período de transição, desses em que “tudo o que é sólido desmancha no ar” sem que percebamos o tamanho da hecatombe? Por trás da fumaça dos charutos, homens voltam a sacar seus revólveres quando ouvem a palavra cultura, empunham seus fuzis quando escutam a expressão Direitos Humanos, revoltam-se contra a transformação dos costumes, tentam parar o trem da história. Não se dão conta de que o trem só para com explosão.

      Quando a justiça se torna suspeita, ainda temos certeza de alguma coisa? Quanto a garantia das liberdades individuais se transforma em símbolo de impunidade e o punitivismo que atropela as regras do jogo se converte em garantia de justiça, ultrapassamos um limite sem retorno possível, salvo traumaticamente? Quando um juiz “vaza” para ganhar a opinião pública e descarta acusações graves contra si por terem sido vazadas, que posição ocupamos, a de cínicos, de oportunistas ou de homens perplexos diante de uma velha tabacaria?