"Voz de uma paisagem em coalizão constante"
capa

"Voz de uma paisagem em coalizão constante"

Por

publicidade



João Pedro Wapler lança seu primeiro livro de poemas nesta quarta, às 19h, na Palavraria Livraria e Café.

Por Luiz Gonzaga Lopes

O lançamento do primeiro livro de um poeta é semelhante ao de um foguete ou uma nave espacial, como queiram, com a grande diferença que as agências espaciais precisam de 100% de certeza dos motores, propulsores, combustível e toda esta parafernália que permite a viagem espacial. Na poesia o voo é cego. O poeta, que é um fingidor, precisa ter uma voz concreta e ter a mínima noção da vida, da métrica, da teoria e do que ele está fazendo com seus versos, sejam livres ou não. Estou simplificando, enrolando talvez para apresentar "Translúcido" (Letra 1), o primeiro livro de poemas de João Pedro Wapler, que será lançado nesta quarta-feira, dia 15 de outubro, às 19h, na Palavraria Livraria e Café (Vasco da Gama, 165), em Porto Alegre.

Sempre que lembro de poesia me vem à cabeça o nome de Saint-John Perse, poeta francês nascido em Guadalupe em 1887, e que foi Nobel de Literatura em 1960. As imagens, metáforas e vivências em versos de Perse dispensam comentários, resumem e inebriam: "Enquanto isto a sabedoria do dia toma a forma de uma bela árvore /  e a árvore balançada / que perde uma porção de pássaros / nas lagunas do céu escama um verde tão belo que nada existe mais verde do que o percevejo de água". Pois ao ler João Pedro reconheço o poeta, o artesão das letras com o formão da transignificação da palavra.

Antes de traçar algumas considerações minhas, cedo a vez recolhendo algumas palavras da apresentação do poeta e editor Ronald Augusto para dar forma a este laivo de translucidez poética de Wapler: "O breve, porém grande livro, Translúcido, carrega em seu centro aqueles traços que a visão poundiana identifica como essenciais à boa poesia: concentração e linguagem carregada de significado. A qualidade do ambíguo, que este livro atualiza de modo preciso, cobra amorosamente do leitor uma participação colaborativa (...). A brevidade que João Pedro Wapler alcança realizar em Translúcido tem menos relação com o mínimo ou o pouco, do que com a condensação e a destilação. Por meio desse verdadeiro estilicídio imagético, o poeta extrai da substância movente e insubordinada da fala coloquial objetos de linguagem que se bastam a si mesmos (...). (...) a poesia de João Pedro Wapler põe em causa tanto os limites e as virtudes do gênero, como metaforiza lances de corrosão à moral social circundante."

Ao final da leitura de "Translúcido" me deparo com o contentamento de leitor de poesia pela agilidade do ritmo, a divisão dos poemas metricamente nas quatro sílabas do título da obra. O primeiro conjunto de versos é "Trans". É ali que está contido um dos mais belos versos que dá título a esta matéria: "sou apenas a voz de uma paisagem em coalizão constante". A segunda parte é a que eu menos gosto, mas ainda é capaz de nos remeter a algo transubtanciado do simbolista francês: "verlaines em mandarim / ressoados no aparelho / de vinil cerebral".

Em "Ci" está o grande mérito de Wapler que se mostra um excelente narrador, no sentido mais prosaicamente poético existente. Em seis pequenos capítulos, numerados à moda romana de I a VI, que exala saudade utilizando a fusão e a mudanças dos tempos verbais para nos dar uma história de afeto, de lembranças, a reflexão sobre o poeta ("escrevia para abafar a astúcia de ser humano pela metade. / o poeta é, antes de tudo, um fraco, ecoava, acordava com alma mirrada, dormia com corações incinerados, jogava dardos no asfalto, sem alvo...) e novamente o afeto, a amizade o amor, encerrando o conjunto de poemas em prosa ou verso livre com a pergunta afirmativa: "o amor só pode ser mesmo um artifício a ser bordado em pleno desespero?".

Em "Do", novamente as formas quase haikais, métrica diminuta e imagens fragmentadas de um discurso (des)amoroso: "sem não viver / quero a sua chama em minha / camiseta"(...) "abstraio essa paz / absoluta que sinto / quando penso não querer / pertencer a alguma parte / absoluta / de você", finalizando com estas duas estrofes, que também assinalam o fim da minha pequena análise, resoluto de que encontrei em Wapler um poeta com quem posso conversar num café e ver a translucidez das palavras, afetos, vozes e poética bem construída, erigida sobre um conhecer, sobre alguém que preparou muito bem os motores, os propulsores do lançamento de sua nave para o espaço dos leitores:

 

e sigo meu coração


até onde for urgente


até


onde o amor


fizer do meu corpo


sincero


 


contra parede


dos cinco sentidos


meu amor é dito


para não ser repetido