capa

Lucas e o Proerd

publicidade

Dentre as 20 mil almas que hoje habitam Horizontina, terra natal de Gisele Bündchen, está Lucas Eduardo Viskow Scmitt. Um menino sorridente, aluno do sexto ano da Escola Municipal Nelly Dahne Logeman. No ano passado ele conheceu o Sargento Clóvis Chenkel, da Brigada Militar da cidade, e suas aulas do Programa de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd). Também em 2018, o Proerd completou duas décadas de existência e atuação no RS e o Comando Regional da BM em Santa Rosa, ao qual pertence o 4º Batalhão de Policiamento em Área de Fronteira, unidade de Chenkel, investe muito no Proerd como estratégia de prevenção numa área extensa e complexa como são as fronteiras por natureza. E o Sargento Chenkel é parte desta história proerdiana: ele dá aulas no Programa há nada menos do que 18 anos, desde o início de tudo, tornando essa luta boa parte da vida em suas quase três décadas de serviço ativo na Brigada Militar. Com o tempo de trabalho e dedicação que tem, aliás, já poderia estar aposentado. Mas Chenkel é um apaixonado pela causa, que gosta de fazer a diferença e acredita que pode ajudar a formar bons cidadãos. E é com exemplos como o do menino Lucas que ele se sente ainda mais motivado e conclui que, ele, a Brigada e o Proerd estão no caminho certo.

Esta semana, Lucas recebeu, na sua escola, a tarefa de escolher uma notícia que lhe chamasse a atenção e escrever uma redação sobre ela. Tema de Lìngua Portuguesa. Pois Lucas escolheu a que falava sobre menores terem sido flagrados pela Brigada Militar consumindo drogas, num bairro da cidade. Lucas surpreendeu a todos. O seu texto surpreendeu positivamente aos seus pais, que fizeram questão de mostrar ao amigo Chenkel. Lucas é um ex-aluno do Proerd. E ele, em seu texto, mostra preocupação com jovens se entregando ao mundo das drogas e da violência e questiona, até, o fato de esses jovens terem tido aulas de Proerd e não terem aproveitado o que o Programa ensinou. Lucas é intenso e genuíno em seu posicionamento. Tem o olhar preocupado dos que atentam para o coletivo já desde cedo. Tem a herança do caráter dos pais, por certo, mas leva consigo também essa fé na humanidade que Chenkel traz de uma vida inteira, mesma esperança que instiga e motiva tantos PMs proerdianos, Brasil afora a seguirem na luta, mesmo com todo cenário desfavorável.

Lucas deu para Dona Denise Viskow, sua mãe, o maior presente que se pode receber no dia em que se homenageia a figura materna. A certeza de que ele, seu filho, está no caminho certo. No caminho que semeia amor, compreensão e respeito ao próximo, distante da violência que o mundo das drogas traz consigo. E, por tabela, um presente ao veterano Sargento Chenkel, que vibra como um garoto ao ver que a semente que ele plantou deu belos frutos.