Dakar perde uma lenda com acidente fatal do português Paulo Gonçalves
capa

Dakar perde uma lenda com acidente fatal do português Paulo Gonçalves

Campeão mundial de Enduro em 2014 ficou marcado pela coragem e solidariedade nos ralis

Por
Correio do Povo

Legado do raçudo português fica eternizado nas areias dos desertos do mundo

publicidade

O esporte a motor perdeu uma lenda neste domingo. Na arrancada após o dia de folga do Rally Dakar, o motociclista português Paulo Gonçalves, de 40 anos, sofreu queda em alta velocidade e morreu durante a 7ª etapa, na Arábia Saudita. Ele disputava o 13º Dakar da carreira, e figurava na 46º posição na classificação geral tendo recuperado 80 posições após sofrer uma quebra de motor no começo do certame. Na travessia de Riad a Wadi Al Dawasir, com 546 quilômetros, ele caiu na marca do Km 276.

Famoso pela solidariedade com rivais que sofreram problemas, o motociclista também recebeu pronta ajuda de outros competidos. Kevin Benavides, Toby Price e Stefan Svitko foram os primeiros a descerem das motos e criarem uma proteção para Gonçalves, caído. O português foi socorrido por um helicóptero médico e estava inconsciente em decorrência de uma parada cardíaca. No hospital Layla, ele foi declarado morto.

Lendário pelo comportamento em pista, mas também pelos resultados. Em 2015, Paulo Gonçalves foi vice-campeão, perdendo para o espanhol Marc Coma. Em 2014, foi campeão mundial de enduro e só não venceu o Dakar por conta de um incêndio que consumiu sua moto Honda durante o evento. A última morte na competição fora do polônes Michal Jernik, em 2015. Na terceira etapa, na Argentina, ele foi encontrado desidratado a 14 km do final do percurso.

A luta e perseverança de Gonçalvez, que viu o português trocar com as próprias mãos o motor de sua moto Hero em 2020, já havia se apresentado em 2014. Na ocasião, ele brigou contra as chamas, tentou desvirar o equipamento para identificar a fonte do incêndio, jogou areia, pediu ajuda, gritou e, então, veio o desespero. O português caiu no chão em prantos, tudo acabado. Um retrato cruel do esporte a motor.