F-Indy retorna com vitória dominante de Scott Dixon no Texas

F-Indy retorna com vitória dominante de Scott Dixon no Texas

Categoria correu sem torcida por conta da pandemia e teve batalha entre Ganassi e Penske

Bernardo Bercht

Dixon e a famigerada linha escura, que levou muita gente para o muro

publicidade

Com todos os cuidados em meio à pandemia, a Fórmula Indy voltou e o robô Scott Dixon sobrou para vencer neste sábado nas 300 Milhas do Texas. Felix Rosenqvist até tentou complicar a vida do companheiro, num dia embalado da Ganassi, mas bateu quando tentava pressionar e deixou o caminho livre para a vitória do neo-zelandês. Simon Pagenaud e Josef Newgarde completaram os três primeiros, para mostrar que a Penske não está de brincadeira.

Com muitas incógnitas e um problema sério de aderência na linha externa, foi uma corrida de nervos. E quem melhor para controlar sem qualquer erro do que o pentacampeão, Dixon?

E foi assim que, num traçado que a princípio ninguém arriscava a passar, que ele mostrou quem manda. Na tática, a Penske até colocou Josef Newgarden duas vezes na frente de Dixon, mas o neo-zelandês foi para cima, passou por dentro e por fora e deixou o atual campeão estonteado em sua poeira.

O principal momento estratégico da corrida veio após o acidente de Rinus Veekay e Alex Palou. O holandês, que passou o dia fazendo bobagem, bateu no muro externo, rodou e atingiu o coitado do espanhol que nem tinha nada a ver com o causo.

A partir daí, Dixon controlou o ritmo e passou a ser ameaçado apenas quando chegou nos retardatários. Rosenqvist colou, tentou parar mais cedo para ganhar nos pits, mas atrapalhado pelo tráfego não conseguiu se adiantar. A 10 voltas do fim, Rosenqvist se atirou por fora da James Hinchcliffe, lutou com unhas e dentes para controlar, mas o carro foi para o muro.

Quem curtiu essa bandeira amarela foi o brasileiro Tony Kanaan, na primeira das suas corridas de despedida da Fórmula Indy. Depois de um erro nos boxes, ele chegou a cair para o fundo do pelotão, mas esticou a última parada até o fim do combustível e parou no momento em que a amarela surgiu. Com isso, foi alçado ao meio do pelotão e finalizou num bom 10º lugar com a Foyt.

A última volta ainda teve Charlie Kimball, que parecia candidato ao pódio em certa altura da corrida, perdendo o controle na linha externa e também catando o mudo. Lá na frente, Dixon apenas controlou o ritmo e faturou a primeira da temporada.


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895